Mais Lidas

  1. 'Eleitor não precisa aguentar o governo', diz ministro do STJ

    Brasil

    'Eleitor não precisa aguentar o governo', diz ministro do STJ

  2. Homem ateia fogo no próprio corpo na frente do Palácio do Planalto

    Brasil

    Homem ateia fogo no próprio corpo na frente do Palácio do Planalto

  3. Só dá ela! Juliana Paes é o nome mais pedido pelo público

    Entretenimento

    Só dá ela! Juliana Paes é o nome mais pedido pelo público

  4. Emerson Fittipaldi: 'Só Jesus foi perfeito'

    Esporte

    Emerson Fittipaldi: 'Só Jesus foi perfeito'

  5. Vinho e festas: o álbum da amizade de Lula e Bumlai

    Brasil

    Vinho e festas: o álbum da amizade de Lula e Bumlai

  6. Quando o jeitinho mata

    Brasil

    Quando o jeitinho mata

  7. Já perdemos na comissão do impeachment, diz vice-líder de Dilma; siga

    Brasil

    Já perdemos na comissão do impeachment, diz vice-líder de Dilma; siga

  8. À PF, Mirian Dutra muda versão sobre pagamentos de FHC no exterior

    Brasil

    À PF, Mirian Dutra muda versão sobre pagamentos de FHC no exterior

Suécia fecha quatro presídios por falta de detentos

Taxa de ocupação do sistema carcerário do país vem caindo desde 2004

- Atualizado em

Suécia
Vista da cidade de Estocolmo, na Suécia(Thinkstock/VEJA)

A Suécia passa por uma drástica queda no número de prisões nos últimos dois anos e, por esse motivo, as autoridades decidiram fechar quatro penitenciárias e um centro de detenção, informa reportagem do jornal britânico The Guardian. "Vemos um declínio extraordinário no número de detentos. Agora temos a oportunidade de fechar parte de nossa infraestrutura", disse Nils Oberg, diretor de Serviços Penitenciários do país.

O serviço penitenciário sueco fechou presídios em quatro cidades: Aby, Haja, Bashagen e Kristianstad. Dois desses prédios devem ser vendidos para a iniciativa privada e os outros dois devem abrigar temporariamente outras instituições estatais.

Leia também

Suécia é o melhor país para se envelhecer; Brasil ocupa 31ª posição

O número de detentos na Suécia vinha sendo reduzido em cerca de 1% ao ano desde 2004. Entre 2011 e 2012, a redução ampliou para 6% ao ano, taxa que deve ser mantida em 2013 e 2014. Oberg declarou que a abordagem liberal adotada pela Suécia quanto às prisões, com prioridade na reabilitação de prisioneiros e trabalhos voluntários, influenciou a queda de ocupação no sistema prisional do país.

"Nós acreditamos que os esforços em investir na reabilitação e prevenção de recaída de crimes tiveram um impacto", disse Oberg. Tribunais suecos vêm adotando penas mais brandas para crimes relacionados com drogas após uma decisão da Suprema Corte em 2011, explicando, pelo menos, parte da queda brusca do número de detenções.

O governo sueco, no entanto, vai manter a opção de reabrir pelo menos duas das prisões fechadas se o número de detentos voltar a crescer. "Nós não estamos no ponto de concluir que esta [queda das prisões] é uma tendência de longo prazo e que é uma mudança de paradigma", disse Oberg. "O que temos certeza é de que a pressão sobre o sistema de justiça criminal tem caído acentuadamente nos últimos anos", concluiu.

População carcerária - Segundo dados compilados pela organização World Prison Brief (WPB), os Estados Unidos têm a maior população carcerária do mundo, com 2 239 751 de detentos. A China ocupa o segundo lugar com 1 640 000 pessoas atrás das grades. Os presos da Rússia totalizam 681 600 pessoas e, em quarto lugar, está o Brasil, com 548 003 encarcerados. A Suécia tem 4 852 presos.

TAGs:
Suécia
Justiça