- Atualizado em

Iodo radioativo foi descoberto num lençol d'água situado a 15 metros sob a central nuclear acidentada de Fukushima, declarou na noite desta quinta-feira o operador da usina, a Tokyo Electric Power (Tepco). Uma mostra de água retirada na quarta-feira às 11h10 (23h10 de Brasília) sob o reator 1 da central revelou uma taxa de 430 becqueréis por centímetro cúbico, nível "10.000 vezes superior" à norma legal, precisou um porta-voz da empresa. Becquerel é a unidade que mede o quanto de radioatividade ainda resta nos materiais através do tempo.

"Não há nenhuma dúvida que se trata de uma cifra elevada", destacou porta-voz. Ele não descarta, no entanto, a possibilidade de que essa taxa seja revista na sexta-feira. O iodo 131 também foi descoberto em grande quantidade na água do mar, perto da central Fukushima Daiichi, onde a Tepco mediu nesta quinta-feira uma concentração de iodo radioativo 4.385 vezes superior à norma legal.

Trata-se do nível mais importante desde o começo do acidente na central de Fukushima, desencadeado por um terremoto de magnitude 9 seguido de tsunami que provocaram uma pane nos sistemas de resfriamento dos reatores.

Para manter o combustível a uma temperatura inferior ao ponto de de derretimento das varetas de combustível, centenas de operários, bombeiros e soldados derramam dia e noite milhares de toneladas de água nos reatores. A consequência disto é que enormes quantidades de água contaminada se infiltram nas galerias subterrâneas e escorrem para o Oceano Pacífico.

(Com agência France-Presse)

TAGs:
Fukushima
Japao