Mais Lidas

  1. STF barra crédito extra de 100 milhões de reais para publicidade do governo

    Brasil

    STF barra crédito extra de 100 milhões de reais para publicidade do...

  2. Justiça bloqueia bens do senador Lindbergh Farias

    Brasil

    Justiça bloqueia bens do senador Lindbergh Farias

  3. Marta Suplicy é vaiada em discurso em São Paulo. De novo

    Brasil

    Marta Suplicy é vaiada em discurso em São Paulo. De novo

  4. A miss-bumbum e o clima de fim da festa no Planalto

    Brasil

    A miss-bumbum e o clima de fim da festa no Planalto

  5. Temer monta seu governo: “Quero entrar para a história”

    Brasil

    Temer monta seu governo: “Quero entrar para a história”

  6. Justiça decreta nova prisão do mensaleiro Henrique Pizzolato

    Brasil

    Justiça decreta nova prisão do mensaleiro Henrique Pizzolato

  7. Saiba quais serão as cidades mais ricas do mundo em 2025

    Economia

    Saiba quais serão as cidades mais ricas do mundo em 2025

  8. 1º de Maio: Dilma oficializa reajuste de 9% no Bolsa Família

    Brasil

    1º de Maio: Dilma oficializa reajuste de 9% no Bolsa Família

Presidentes dos EUA: os homens mais poderosos do mundo no dia da posse

- Atualizado em

A população americana vive nesta terça-feira um marco histórico ao celebrar a posse do primeiro presidente negro do país, Barack Hussein Obama. Com a cerimônia de posse mais cara da história (mais de 150 milhões de dólares) o democrata passará a ser oficialmente o 44º presidente do país. Durante a campanha eleitoral, Obama pregou a esperança para americanos descrentes, conquistou eleitores republicanos insatisfeitos e chegou a ter status de celebridade. Mesmo em meio à grave crise econômica, com desemprego em alta e duas guerras a resolver, 79% da população americana se diz otimista em relação ao novo governo.

Em seus 40 anos de existência, VEJA acompanhou em várias ocasiões a transição presidencial dos Estados Unidos e registrou o "grande dia" e as novas propostas de cada novo ocupante da Casa Branca. Na edição de 22 de janeiro de 1969, a revista relata os primeiros dias do impopular Richard Nixon na presidência do país, que foi eleito com 43% de votos populares - o menor porcentual desde Woodrow Wilson, em 1912. "A manhã estava escura e fria, o céu de inverno coberto por pesadas nuvens de chuva, quando Richard Milhous Nixon acordou pela primeira vez como o 37º presidente dos EUA", disse a reportagem. Naquele tempo, os principais problemas da pauta presidencial eram: Vietnã, crise no Oriente Médio e desarmamento.

Em 1972, Nixon conseguiu se reeleger -desta vez, porém, com uma vitória esmagadora contra o adversário George McGovern. Mas foi em 1974, quando explodiu o caso Watergate, que o reinado do republicano desmoronou. As páginas de VEJA de 14 de agosto daquele ano registram a queda de Nixon e a ascensão do vice-presidente Gerald Rudolph Ford. Transformado no 38º presidente dos Estados Unidos, Ford foi o primeiro a não ter sido eleito pelo povo. Em sua reportagem, a revista afirmou que o juramento dele "deu à nação seu primeiro momento de verdadeira serenidade após longos meses de trauma".

No dia 26 de janeiro de 1977, VEJA conta que entre 100.000 e 300.000 pessoas ocuparam as ruas de Washington para dar as boas-vindas ao novo presidente americano Jimmy Carter. Em um discurso pouco otimista, Carter afirmou que "mais não é necessariamente melhor" e que não era possível "resolver todos os problemas ou responder a todas as questões". "Não nos comportaremos no exterior de forma a violar as normas e padrões que queremos em casa", disse o 39º presidente no dia de sua posse.

Quatro anos depois, foi a vez do presidente Ronald Reagan ocupar a Casa Branca. "Cansado de penitências e pessimismo, o país ouviu Reagan acenar em seu discurso um 'novo começo'", diz a reportagem de 28 de janeiro de 1981. Segundo a revista, ele assumiu o comando em um momento que os "Estados Unidos já tocam os limites de seu crescimento, de seus recursos naturais e de sua supremacia no mundo".

Com 68% de aprovação popular, Reagan terminou o segundo mandato presidencial em grande estilo. O índice impressionante superava o de qualquer outro presidente dos Estados Unidos no século XX. Em 1989, o republicano George Bush chega "fazendo festa" em Washington. Os números da posse foram exorbitantes, mas nada se comparado com o que foi gasto para receber Obama nesta terça. "George e Barbara Bush foram as estrelas de quatro dias de festas, banquetes e desfiles, na mais movimentada e cara festa de um presidente americano. A um custo de 25 milhões de dólares - cinco vezes mais do que se gastou na posse do frugal Jimmy Carter", dizia VEJA de 25 de janeiro de 1989.

Enquanto comemorava, o alto-astral de Bush prevalecia. No discurso, porém, ele tropeçou, com uma fala fraca e vazia. "Eu assumo a presidência em um momento rico em promessas. Vivemos em uma época próspera e de paz, mas podemos melhorá-la", afirmou em seu primeiro pronunciamento ao povo americano. Naquela fase, os principais desafios do presidente eram o déficit público de 2,8 trilhão de dólares, a crise financeira de pequenas instituições de poupança e a dívida dos produtores agrícolas americanos.

A posse do presidente democrata Bill Clinton, em 1993, pôs fim à dinastia republicana fundada por Ronald Reagan, em 1981. Utilizando-se de um populismo sem constrangimentos, o novo presidente sabia muito bem o que havia herdado. "O país deve 4 trilhões de dólares, o governo tem um déficit de quase 300 bilhões, os desempregados são quase 10 milhões e o número de americanos sem ter onde morar é maior que a população do Uruguai", dizia a reportagem de VEJA de 27 de janeiro de 1993.

Para a festa de posse de Clinton, que custou cerca de 30 milhões de dólares, compareceram aproximadamente 800.000 americanos. Depois de seguir o protocolo, ele e a primeira-dama Hillary percorreram 15 bailes. Em dois deles, Clinton fez seu número a parte: tocou saxofone para os convidados. Simpático, o democrata conseguiu provocar uma leve confusão no dia seguinte à sua posse, ao anunciar que abriria as portas da Casa Branca para o povo.

Oito anos depois de ter sido governado por um presidente democrata, os Estados Unidos voltam duplamente ao passado: elegem um republicano e filho de um ex-presidente. Em 2001, depois de uma eleição controversa e de alguns protestos, o país recebe o conservador George W. Bush. Em vez de poder desfrutar da sensação de alívio por ter conseguido chegar até o topo, em seus primeiros dias, Bush quase não pôde respirar. Batalhas ideológicas eram travadas entre os republicanos e os democratas, agora na oposição. A revelação de que o pastor Jesse Jackson, eminência negra do partido democrata, havia tido uma filha fora de seu casamento serviu para aquecer ainda mais os ânimos. O "pós-posse" de Bush foi repleto de discussões fervorosas em torno de assuntos polêmicos como o aborto, posse de armas e relações raciais - todas relatadas pela edição de VEJA de 24 de janeiro de 2001.