Mais Lidas

  1. Morte no Everest: 'Você se importa se eu continuar?'

    Mundo

    Morte no Everest: 'Você se importa se eu continuar?'

  2. Janaina Paschoal: rotina de isolamento pós-impeachment

    Brasil

    Janaina Paschoal: rotina de isolamento pós-impeachment

  3. Bumlai diz que fez empréstimo fraudulento para PT por medo de invasão de terras

    Brasil

    Bumlai diz que fez empréstimo fraudulento para PT por medo de...

  4. Sônia Abrão pede desculpas por sair correndo do programa

    Entretenimento

    Sônia Abrão pede desculpas por sair correndo do programa

  5. Japão: Pais abandonam filho na floresta para castigá-lo e criança desaparece

    Mundo

    Japão: Pais abandonam filho na floresta para castigá-lo e criança...

  6. Após revelação de conversa em que critica a Lava Jato, ministro da Transparência pede demissão

    Brasil

    Após revelação de conversa em que critica a Lava Jato, ministro da...

  7. Estupro de jovem de 16 anos no Rio "está provado", diz delegada

    Brasil

    Estupro de jovem de 16 anos no Rio "está provado", diz delegada

  8. Lewandowski interferiu em processo para ajudar o PT e a presidente Dilma

    Brasil

    Lewandowski interferiu em processo para ajudar o PT e a presidente...

Mulher de Lech Walesa revela em autobiografia sua vida solitária

Varsóvia, 24 nov (EFE).- Danuta Walesa, esposa de Lech Walesa, líder anticomunista polonês e prêmio Nobel da Paz, revela em sua autobiografia publicada nesta quinta-feira a sua solidão a partir do momento em que seu marido assumiu a direção do Sindicato Solidariedade e a Presidência da Polônia.

O livro relata de forma franca a sensação de abandono que Danuta sofreu nos anos 80, quando a oposição anticomunista vivia momentos decisivos às ordens de Lech Walesa, então eletricista nos estaleiros de Gdansk (norte do país).

Naquela época, Danuta criou oito filhos, dos quais era 'mãe, professora, cozinheira, empregada, enfermeira, uma mulher que não tinha tempo para nada', confessa em sua autobiografia.

O livro evoca com certa amargura aquele período em que dezenas de políticos, ativistas, jornalistas e 'vários personagens' se reuniam clandestinamente por horas no apartamento de Walesa, enquanto Danusa preparava lanches e mantinha a casa em ordem, sede improvisada do movimento anticomunista.

'A política roubou meu marido e na política não há amigos de verdade', explica em recente entrevista na televisão pública polonesa.

A esposa de Walesa, que defende que 'chega um momento na vida onde certas coisas são reveladas', lamenta que seu marido nunca a tenha surpreendido com um buquê de flores ou um simples detalhe para agradecer seu esforço.

'Os homens não são muito brilhantes em alguns assuntos', diz Danuta, que descreve seu marido como 'um solitário', uma pessoa 'introvertida e difícil de conhecer'.

Danuta Walesa, de 62 anos, foi primeira-dama da Polônia entre 1990 e 1995, período em que Lech Walesa se tornou o primeiro presidente eleito democraticamente desde a Segunda Guerra Mundial.

A própria Danuta, nascida em um pequeno povoado do leste da Polônia, também reconhece que nem tudo foram só amarguras. No fim de sua autobiografia ela se diz 'agradecida por seu destino', uma vida que 'não poderia ter imaginado nem em seus sonhos mais surreais', afirma. EFE