Mais Lidas

  1. Sonia Abrão abandona programa após ouvir choro

    Entretenimento

    Sonia Abrão abandona programa após ouvir choro

  2. Para Lula, eleição de Dilma foi seu erro mais grave, revela novo áudio

    Brasil

    Para Lula, eleição de Dilma foi seu erro mais grave, revela novo áudio

  3. Alvo de investigação, sobrinho de Lula é processado por calotes em série

    Brasil

    Alvo de investigação, sobrinho de Lula é processado por calotes em...

  4. Veja fotos da casa onde adolescente foi estuprada no Rio

    Brasil

    Veja fotos da casa onde adolescente foi estuprada no Rio

  5. Paixão, obsessão e morte

    Entretenimento

    Paixão, obsessão e morte

  6. Marido toma gosto e posta nova foto sensual de Luana Piovani

    Entretenimento

    Marido toma gosto e posta nova foto sensual de Luana Piovani

  7. Comercial chinês de sabão é acusado de ser o mais racista da história

    Mundo

    Comercial chinês de sabão é acusado de ser o mais racista da história

  8. A selvageria continua: bandidos fazem ofensiva para difamar vítima de estupro coletivo

    Brasil

    A selvageria continua: bandidos fazem ofensiva para difamar vítima...

Militar boliviano diz que Podemos seria braço do tráfico venezuelano

Relatório afirma que partido de esquerda foi financiado por Hugo Chávez e seus aliados bolivarianos para transformar a Espanha em porta de entrada de cocaína na Europa

Por: Duda Teixeira - Atualizado em

O político espanhol Pablo Iglesias, do Podemos: aliado de Maduro, Evo... e do tráfico
O político espanhol Pablo Iglesias, do Podemos: aliado de Maduro, Evo... e do tráfico(Hohan Ordonez/AFP)

O partido Podemos é uma das estrelas da corrida para as eleições de novembro na Espanha. Com menos de dois anos de existência, está em terceiro lugar na preferência dos eleitores. Seu líder é o cientista político Pablo Iglesias, de 36 anos. Com uma postura desafiadora, ele defende a redistribuição da riqueza, vocifera contra o que chama de neoliberalismo e faz louvações ao finado presidente venezuelano Hugo Chávez. Para os jovens que o adoram, Iglesias é um idealista que quer tirar seu país da crise. Para seus financiadores espalhados pela América Latina, contudo, o papel a ele reservado é outro: tornar a Espanha em entreposto privilegiado de cocaína na Europa. Mais do que buscar uma expansão ideológica, o objetivo dos governos bolivarianos é expandir seu principal negócio: o tráfico de drogas.

EXPLOSIVO - O relatório de Cardona: “Há seis anos, Hugo Chávez, Nicolás Maduro e Evo Morales, sob o manto de uma entidade fictícia denominada Centro de Estudos Políticos e Sociais (Ceps), em cujo conselho figuram (...) Pablo Iglesias, Iñigo Errejón, Luis Alegre e Juan Carlos Monedero, realizam viagens na Espanha para financiar uma nova organização política (...) com a finalidade de, uma vez que conquistem o governo, seja constituída uma porta direta de entrada de cocaína na Europa”.
O relatório de Cardona: “Há seis anos, Hugo Chávez, Nicolás Maduro e Evo Morales, sob o manto de uma entidade fictícia denominada Centro de Estudos Políticos e Sociais (Ceps), em cujo conselho figuram (...) Pablo Iglesias, Iñigo Errejón, Luis Alegre e Juan Carlos Monedero, realizam viagens na Espanha para financiar uma nova organização política (...) com a finalidade de, uma vez que conquistem o governo, seja constituída uma porta direta de entrada de cocaína na Europa”.(VEJA.com/VEJA)

​A constatação está em um relatório ultrassecreto de 34 páginas assinado pelo coronel boliviano Germán Cardona Álvarez, que trabalhou como assessor jurídico da Oitava Divisão do Exército, foi professor universitário e diretor do Hospital Militar Número 2 em Santa Cruz de la Sierra. No dia 20 de fevereiro, ele enviou ao comandante-geral do Exército da Bolívia um informe em que narrava fatos de seu conhecimento. As páginas, com denúncias de envolvimento de membros do governo com o narcotráfico, chegaram às autoridades e Cardona teve de fugir para a Espanha. No texto, ao qual VEJA teve acesso, o coronel relata a remessa de co­caí­na peruana e boliviana do Aeroporto Internacional de Chimoré (Bolívia) para a Venezuela em aviões militares, "os quais, por serem oficiais de um Estado, não podem ser interceptados no espaço aéreo internacional". As aeronaves Hércules C-130 deixam a Venezuela com armamento militar e retornam carregadas de cocaína e veículos que chegam à Bolívia depois de ser roubados no Brasil. Em Caracas, a droga é embarcada novamente e de lá levada a outros destinos. Dentro desse esquema, diz o relatório, há seis anos, Hugo Chávez, o atual presidente venezuelano Nicolás Maduro e o boliviano Evo Morales usaram uma organização chamada Centro de Estudos Políticos e Sociais (Ceps) para financiar o Podemos, da Espanha. "Uma vez que conquistem o governo espanhol, será constituída uma porta direta para a entrada de cocaína na Europa, que será enviada (...) em aviões oficiais e militares". O plano previa, portanto, que, com os aliados no poder, seria possível burlar a fiscalização antidrogas nos aeroportos espanhóis.

As relações entre o Podemos e os governos autoritários da América Latina são íntimas e certas. O jornal espanhol El País revelou, em junho do ano passado, que o Ceps recebeu 3,7 milhões de euros do governo venezuelano entre 2002, quando foi fundado, e 2012. O pagamento estava vinculado a serviços prestados a vários órgãos do governo da Venezuela, incluindo uma assessoria direta a Hugo Chávez. Entre 2006 e 2007, Iglesias esteve pessoalmente trabalhando nesse país. Além disso, em 2007, uma equipe do Ceps, comandada pelo espanhol, prestou "assessoria ideológica" aos políticos que redigiram a nova Constituição da Bolívia, na cidade de Sucre. O texto, aprovado em um quartel e sem a presença da oposição, declarou a folha de coca, matéria-prima da cocaína, um "patrimônio cultural, recurso natural renovável e fator de coesão social" que deve ser protegido pelo Estado.

Em janeiro de 2015, uma nova descoberta levou um dirigente do Podemos e ex-­membro do Ceps, o cientista político Juan Carlos Monedero, a deixar o partido. Ele foi acusado de receber 425 000 euros dos governos da Bolívia, da Nicarágua, da Venezuela e do Equador a pretexto de um estudo sobre uma utópica "unidade monetária" na América Latina. Os repasses ocorreram no fim de 2013, meses antes das eleições de maio do ano seguinte. A suspeita é que o montante tenha sido empregado na criação do Podemos. A legislação espanhola, contudo, proíbe que as siglas recebam verba do exterior.

Para ler outras reportagens compre a edição desta semana de VEJA no tablet, no iPhone ou nas bancas. Tenha acesso a todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no iba clube.

Outros destaques de VEJA desta semana