Mais Lidas

  1. No Senado, Cardozo insiste em 'golpe' e diz que pedirá suspeição do relator

    Brasil

    No Senado, Cardozo insiste em 'golpe' e diz que pedirá suspeição do...

  2. Após reprovar filha de Cunha, funcionário do Detran foi acusado de extorsão e punido, diz jornal

    Brasil

    Após reprovar filha de Cunha, funcionário do Detran foi acusado de...

  3. João Santana e Mônica Moura viram réus na Lava Jato

    Brasil

    João Santana e Mônica Moura viram réus na Lava Jato

  4. O xadrez ministerial de Temer

    Brasil

    O xadrez ministerial de Temer

  5. Saiba por que seu cachorro não gosta de abraços

    Ciência

    Saiba por que seu cachorro não gosta de abraços

  6. Por regulamento esdrúxulo, Sport menospreza Copa do Brasil e é eliminado

    Esporte

    Por regulamento esdrúxulo, Sport menospreza Copa do Brasil e é...

  7. Pimentel condecorou mais da metade dos desembargadores do TJ-MG

    Brasil

    Pimentel condecorou mais da metade dos desembargadores do TJ-MG

  8. Janaína Paschoal: 'Foram anos de falsidade ideológica na nossa cara'

    Brasil

    Janaína Paschoal: 'Foram anos de falsidade ideológica na nossa cara'

Negado pedido de atriz para tirar do YouTube vídeo anti-Islã

Cindy Lee Garcia, que processou Nakoula, diz ter recebido ameaças de morte

- Atualizado em

A atriz Cindy Lee Garcia em cena do filme 'Innocence of Muslims'
A atriz Cindy Lee Garcia em cena do filme 'Innocence of Muslims'(Reprodução/VEJA)

Um juiz da Califórnia negou, provisoriamente, nesta quinta-feira a solicitação de uma atriz para que fosse removido do YouTube o filme anti-islâmico que desencadeou uma onda de protestos contra os Estados Unidos. A atriz Cindy Lee Garcia, que disse ter recebido ameaças de morte depois que o vídeo foi colocado no YouTube, pedia a retirada do filme do site, em uma ação judicial contra o Google e um produtor do vídeo.

Leia também:

Leia também: Funcionário de cinema reforça suspeita sobre filme anti-Islã

"O pedido de uma ordem temporária de retirada está negado", afirmou o juiz Luis Lavin, da Corte Superior de Los Angeles. Lavin disse ter negado o pedido porque o produtor, Nakoula Basseley Nakoula, não recebeu uma cópia do processo, segundo a rede BBC.

Cindy, a segunda atriz da produção a dizer que foi enganada, afirma que suas falas foram dubladas, e processou o produtor por fraude. Ela disse ter advertido o Youtube de que o vídeo fazia uso não autorizado de sua imagem, mas ele continua no ar na maioria dos países.

Versão da atriz - A atriz disse ter sido chamada para gravar o filme Desert Warrior (Guerreiro do Deserto, em tradução livre do inglês), um filme de aventura no deserto árabe. Segundo ela, a produção não fazia referência a Maomé, sexo ou religião, e o conteúdo da gravação foi "grotescamente editado".

(Com agência Reuters)

TAGs:
Youtube
Justiça
Estados Unidos