- Atualizado em

  • Voltar ao início

  • Todas as imagens da galeria:


A primeira audiência prévia ao julgamento pelo naufrágio do cruzeiro Costa Concordia, durante a qual será aberta oficialmente a caixa preta da embarcação, teve início neste sábado, em Grosseto, no centro da Itália. Estão presentes uma centena de advogados, cientistas e sobreviventes da tragédia de 13 de janeiro. A audiência, que será realizada a portas fechadas, acontecerá no Teatro Moderno Grosseto para que cerca de 800 pessoas, entre advogados, promotores e testemunhas, possam comparecer. Meios de comunicação do mundo todo acompanham o julgamento do lado de fora.

O comandante do Costa Concordia, Francesco Schettino, protagonista da catástrofe que deixou 32 mortos, não estará presente na audiência. O advogado de Schettino disse temer por sua segurança.

Por enquanto, só se sabe que neste sábado os promotores e os advogados dos nove investigados, assim como os representantes dos náufragos e da companhia Costa Cruzeiros, designarão os peritos para analisar o conteúdo da caixa-preta.

Uma sobrevivente presente, Francesca Bertaglia, não escondia sua revolta em relação ao capitão. "É um imbecil, e também um criminoso". No total, nove empregados da companhia Costa estão indiciados por homicídio por imprudência, naufrágio e falta de comunicação com as autoridades marítimas. O capitão também é acusado de ter abandonado seu navio durante a evacuação dos passageiros.

O "Costa Concordia" viajava com 4.229 pessoas a bordo, incluindo 3.200 turistas de 60 nacionalidades diferentes e mil membros da tripulação, quando se chocou contra uma rocha. A catástrofe deixou 32 mortos, dos quais foram recuperados 25 corpos e sete permanecem desaparecidos. A companhia Costa Cruzeiro admitiu que o naufrágio ocorreu depois de Schettino, atualmente em prisão domiciliar, ter se aproximado da costa da ilha, ignorando a rota pré-estabelecida

LEIA TAMBÉM:

'Volte a bordo', ordenou Guarda Costeira a capitão do navio

Manobra de capitão salvou milhares de vidas, diz advogado

(Com EFE E AFP)

TAGs:
Itália
Costa Concordia
Audiência
Justiça