Mais Lidas

  1. Polícia pede a prisão de quatro suspeitos de estupro coletivo no Rio

    Brasil

    Polícia pede a prisão de quatro suspeitos de estupro coletivo no Rio

  2. Polícia tenta identificar bandidos que praticaram estupro coletivo em favela do Rio de Janeiro

    Brasil

    Polícia tenta identificar bandidos que praticaram estupro coletivo...

  3. Pedro Corrêa faz relato contundente de envolvimento de Lula no petrolão

    Brasil

    Pedro Corrêa faz relato contundente de envolvimento de Lula no...

  4. China cria ônibus que 'passa por cima' de engarrafamentos

    Economia

    China cria ônibus que 'passa por cima' de engarrafamentos

  5. Alexandre de Moraes: 'Todos serão investigados'

    Brasil

    Alexandre de Moraes: 'Todos serão investigados'

  6. Johnny Depp nega pensão para ex-mulher

    Entretenimento

    Johnny Depp nega pensão para ex-mulher

  7. Família de Johnny Depp 'odiava' Amber Heard

    Entretenimento

    Família de Johnny Depp 'odiava' Amber Heard

  8. Nova HQ revela que Capitão América, na verdade, é um vilão

    Entretenimento

    Nova HQ revela que Capitão América, na verdade, é um vilão

Com renúncia de Bento XVI, cardeais brasileiros entram na bolsa de apostas

O brasileiro Dom Odilo Scherer, arcebispo da diocese de São Paulo, é um dos nomes mais fortes. Ele já era cotado mesmo antes do conclave que escolheu o atual papa

- Atualizado em

O Papa Bento XVI em foto de abril de 2006
Saída de Bento XVI pode abrir espaço para a indicação de papa latino-americano(Patrick Hertzog/AFP/AFP)

Após a renúncia de Bento XVI, o novo papa deverá ser anunciado pelo conclave em março - e a "bolsa de apostas" para o mais alto posto da Igreja Católica já começou. A saída inédita de Bento XVI - nunca um papa abdicou por razões de incapacidade física - abre espaço para outros ineditismos no Vaticano. Um deles pode ser a eleição de um papa latino-americano - ou até mesmo brasileiro.

Segundo o Vaticano, há um total de 119 cardeais aptos a votar no conclave - sendo cinco brasileiros. O Brasil tem um total de nove integrantes no Colégio Cardinalício do Vaticano, mas quatro deles já ultrapassaram a idade limite para votar, que é de 80 anos.

Na América Latina estão 42% dos 1,2 bilhão de católicos do mundo - o maior bloco da Igreja. Na Europa, estão 25% dos fiéis. Segundo a reportagem da Reuters, citando a imprensa internacional, duas autoridades do Vaticano comentaram recentemente sobre a possibilidade de um novo papa não ser europeu. "Sei de muitos bispos e cardeais da América Latina que poderiam se responsabilizar pela Igreja universal", disse o arcebispo Gerhard Mueller, prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, mesma função que o papa Bento XVI exercia quando foi nomeado papa. "A Igreja ensina que o cristianismo não está centrado na Europa", afirmou o arcebispo ao jornal alemão Duesseldorf's Rheinische Post pouco antes do Natal.

O cardeal suíço Kurt Koch, chefe do departamento de Unidade Cristã, disse ao jornal Tagesanzeiger, em Zurique, que seria bom haver candidatos da América Latina e da África no próximo conclave. Koch chegou a dizer, na entrevista, que tinha a intenção de votar por um candidato que não fosse europeu.

Saiba quem são os possíveis sucessores de Bento XVI

Leia também:

Vaticano espera anunciar novo papa até fim de março

Confira o vídeo em que o papa Bento XVI anuncia renúncia

'O último trecho da jornada' de Bento XVI

Apostas - Entre os latino-americanos, o brasileiro Dom Odilo Scherer, arcebispo da diocese de São Paulo, é um dos nomes mais fortes - mesmo antes do conclave que escolheu Bento XVI. Dom Odilo está na idade ideal para o posto, segundo os padrões do Vaticano (63 anos), tem o domínio de diversos idiomas e afinidade com as linhas gerais consagradas por Bento XVI. Scherer é membro das mais seletas comissões do Vaticano - aquelas que cuidam dos cofres da Santa Sé. O catarinense Dom João Braz de Aviz, ex-arcebispo de Brasília, também aparece como forte candidato, segundo a Reuters. A agência cita que o arcebispo trouxe novos ares ao Vaticano quando assumiu o posto - e seu trabalho pastoral tornou-se notório entre os círculos do pontificado.

Além de Scherer e Aviz, os cardeais brasileiros que poderão votar no conclave são dom Cláudio Hummes, de 78 anos, ex-arcebispo de São Paulo e atual prefeito emérito da Congregação para o Clero, dom Geraldo Majella Agnelo, de 79, arcebispo emérito de Salvador, Dom Raymundo Damasceno Assis, de 76, arcebispo de Aparecida.

O arcebispo argentino Leonardo Sandri também é descrito como uma possibilidade, apesar de sua pouca influência no Vaticano ser apontada como um fator que dificultaria sua nomeação. Peter Turkson, de Gana, que coordena o departamento de Justiça e Paz do Vaticano, é constantemente citado como o favorito do continente africano.

Luis Tagle, das Filipinas, é comparado ao papa João Paulo II por seu grande carisma. Segundo o jornal italiano La Stampa, ele é muito próximo do papa Bento XVI. Eles trabalharam juntos na Comissão de Teologia do Vaticano. Mas, apesar de sua popularidade, poucos acreditam que seja escolhido devido a sua pouca experiência como cardeal - ele foi nomeado apenas em 2012.

Cronologia: Antes do papado, fuga dos nazistas e guerra a comunistas

Leia também: A repercussão da renúncia em todo o mundo

Entre os candidatos europeus, o favorito, segundo o La Stampa, é o austríaco Christoph Schoenborn, de 67 anos - um ex-aluno de Bento XVI. Schoenborn é arcebispo de Viena e considerado um possível candidato a assumir o posto máximo na Igreja Católica desde a década de 1990.

Outros nomes possíveis, segundo o jornal, são Timothy Dolan, o americano que se tornou a voz do catolicismo nos Estados Unidos depois de ser designado arcebispo de Nova York, em 2009. Seu humor e dinamismo agradam o Vaticano, mas, ao mesmo tempo, causam temor de que ele adote uma postura de "papa superpoderoso", caso seja escolhido.

O canadense Marc Ouellet é o chefe da Congregação de Bispos e já afirmou, anteriormente, que se tornar papa seria "um pesadelo". Contudo, suas boas relações no Vaticano podem fazer de sua nomeação uma possibilidade.

O italiano Gianfranco Ravasi, de 70 anos, é o ministro da Cultura do Vaticano desde 2007 e representa a Igreja no mundo das artes e da cultura. Apesar de bem relacionado, sua pouca experiência pastoral o torna um dos nomes menos prováveis para suceder Bento XVI.

Caio Blinder: O sucessor favorito na bolsa de apostas

Galeria de imagens: O papado de Bento XVI

Em Dia: O pontificado incompleto de Bento XVI

TAGs:
Papa
Renúncia do Papa
Vaticano
Catolicismo
Igreja
Bento XVI