- Atualizado em

  • Voltar ao início

  • Todas as imagens da galeria:


As maternidades na China se preparam para receber um novo 'baby boom' durante o ano do dragão. O animal, segundo o calendário lunar, abençoa os nascidos sob seu signo com sabedoria, coragem e um futuro promissor. Por causa da superstição, milhares de chineses decidiram ter filhos durante 2012. E, como aconteceu no ano do porco (2007), que prevê riqueza e prosperidade, os nascidos terão que enfrentar a escassez de salas de parto.

Segundo dados do site 'China.org', em Hong Kong os médicos esperam um aumento de 5% nos nascimentos. Em Xangai as autoridades de saúde preveem um 'boom' de cerca de 180 mil bebês neste ano. Um hospital de Xangai informou sobre mais de 40 nascimentos durante os primeiros cinco dias do ano novo lunar. Depois disso, os médicos foram obrigados a colocar camas extras para acomodar as mães e os recém-nascidos.

Em Pequim, todas as camas de uma maternidade já estão reservadas até agosto, como uma medida para limitar em mil o número de gestantes por mês e assegurar espaço suficiente nas salas de parto. Dong Mei, de 30 anos, disse à Agência EFE que embora esteja grávida de apenas dois meses, seus familiares já recomendaram que reserve com antecipação uma sala de parto. "Meu marido e eu gostamos do dragão porque é o animal que dá fortuna e é o maior do calendário, portanto escolhemos ter nosso filho neste ano. O problema é que muita gente também tem este desejo e no futuro será um tipo de pressão para nossas crianças", disse Dong.

Famosos nascidos em anos do dragão são Beethoven, Bill Gates, Paul McCartney e o 'dragão das artes marciais' Bruce Lee, pessoas com muita energia, coragem e inovadoras. Em 2008, ano no qual a China organizou os Jogos Olímpicos, muitos chineses também escolheram ter filhos não apenas pela euforia esportiva, mas porque a cultura chinesa considera o número oito como de boa fortuna.Neste ano, muitos casais tentaram ser pais no oitavo mês (agosto) e no oitavo dia, que além disso foi o início dos Jogos de Pequim de 2008.

(Com EFE)

TAGs:
China
Bebê