Mais Lidas

  1. Sonia Abrão abandona programa após ouvir choro

    Entretenimento

    Sonia Abrão abandona programa após ouvir choro

  2. "Quando encontrar meu corpo, avise meu marido e minha filha"

    Mundo

    "Quando encontrar meu corpo, avise meu marido e minha filha"

  3. Para Lula, eleição de Dilma foi seu erro mais grave, revela novo áudio

    Brasil

    Para Lula, eleição de Dilma foi seu erro mais grave, revela novo áudio

  4. Veja fotos da casa onde adolescente foi estuprada no Rio

    Brasil

    Veja fotos da casa onde adolescente foi estuprada no Rio

  5. Paixão, obsessão e morte

    Entretenimento

    Paixão, obsessão e morte

  6. Comercial chinês de sabão é acusado de ser o mais racista da história

    Mundo

    Comercial chinês de sabão é acusado de ser o mais racista da história

  7. Marido toma gosto e posta nova foto sensual de Luana Piovani

    Entretenimento

    Marido toma gosto e posta nova foto sensual de Luana Piovani

  8. Alvo de investigação, sobrinho de Lula é processado por calotes em série

    Brasil

    Alvo de investigação, sobrinho de Lula é processado por calotes em...

Carro oficial do ditador Benito Mussolini será leiloado na Itália

Roma, 25 nov (EFE).- Um dos carros usados pelo ditador italiano Benito Mussolini será leiloado neste fim de semana em Brescia, informou nesta sexta-feira à Agência Efe Valerio Luzzago, o proprietário da casa de leilões Luzzago.

Trata-se de uma das cinco unidades do Fiat 2800, que a companhia de Turim desenvolveu em tempo recorde para atender uma encomenda do próprio Mussolini em 1943. O veículo será leiloado nos pavilhões de Luzzago, um lugar de encontro de colecionadores de carros de época há 40 anos.

O modelo conversível, inspirado nos veículos americanos, foi pensado para ser um carro para ser usado em desfiles e paradas. A velocidade máxima do modelo é de 130 km/h.

'Mussolini encomendou o carro para competir com a Mercedes-Benz alemã', declarou Luzzago.

Com capacidade para seis pessoas, o veículo foi utilizado pelos presidentes italianos Luigi Einaudi (1948-1955) e Giuseppe Saragat (1964-1971), e também pelo então arcebispo de Milão Giovanni Battista Montini, que pouco depois se tornou o papa Paulo VI. EFE