Mais Lidas

  1. Justiça bloqueia bens do senador Lindbergh Farias

    Brasil

    Justiça bloqueia bens do senador Lindbergh Farias

  2. Temer monta seu governo: “Quero entrar para a história”

    Brasil

    Temer monta seu governo: “Quero entrar para a história”

  3. Lula sempre ganhou mensalinho da OAS, diz empreiteiro

    Brasil

    Lula sempre ganhou mensalinho da OAS, diz empreiteiro

  4. Marcola quer fazer botox

    Brasil

    Marcola quer fazer botox

  5. Irmãs tramam pelo WhatsApp assalto ao próprio pai no interior de São Paulo

    Brasil

    Irmãs tramam pelo WhatsApp assalto ao próprio pai no interior de...

  6. Justiça investiga manobra para reverter extradição de Pizzolato

    Brasil

    Justiça investiga manobra para reverter extradição de Pizzolato

  7. Felipe Melo entra de sola e detona comentarista Neto

    Esporte

    Felipe Melo entra de sola e detona comentarista Neto

  8. Pizzolato: de diretor do Banco do Brasil a auxiliar de pedreiro

    Brasil

    Pizzolato: de diretor do Banco do Brasil a auxiliar de pedreiro

Carro oficial do ditador Benito Mussolini será leiloado na Itália

Roma, 25 nov (EFE).- Um dos carros usados pelo ditador italiano Benito Mussolini será leiloado neste fim de semana em Brescia, informou nesta sexta-feira à Agência Efe Valerio Luzzago, o proprietário da casa de leilões Luzzago.

Trata-se de uma das cinco unidades do Fiat 2800, que a companhia de Turim desenvolveu em tempo recorde para atender uma encomenda do próprio Mussolini em 1943. O veículo será leiloado nos pavilhões de Luzzago, um lugar de encontro de colecionadores de carros de época há 40 anos.

O modelo conversível, inspirado nos veículos americanos, foi pensado para ser um carro para ser usado em desfiles e paradas. A velocidade máxima do modelo é de 130 km/h.

'Mussolini encomendou o carro para competir com a Mercedes-Benz alemã', declarou Luzzago.

Com capacidade para seis pessoas, o veículo foi utilizado pelos presidentes italianos Luigi Einaudi (1948-1955) e Giuseppe Saragat (1964-1971), e também pelo então arcebispo de Milão Giovanni Battista Montini, que pouco depois se tornou o papa Paulo VI. EFE