Mais Lidas

  1. Lewandowski interferiu em processo para ajudar o PT e a presidente Dilma

    Brasil

    Lewandowski interferiu em processo para ajudar o PT e a presidente...

  2. Secretário-geral da OEA invoca cláusula democrática por crise na Venezuela

    Mundo

    Secretário-geral da OEA invoca cláusula democrática por crise na...

  3. Doença que causa feridas e desfigura o rosto das vítimas está se espalhando no Oriente Médio

    Mundo

    Doença que causa feridas e desfigura o rosto das vítimas está se...

  4. Brasileiro que desenhava para a DC é demitido após comentário sobre caso de estupro

    Entretenimento

    Brasileiro que desenhava para a DC é demitido após comentário sobre...

  5. Conselho do MP nega pedido de Lula para afastar procurador da Lava Jato

    Brasil

    Conselho do MP nega pedido de Lula para afastar procurador da Lava...

  6. Comissão dá prazo de 20 dias para ministros de Temer se defenderem de acusações do PT

    Brasil

    Comissão dá prazo de 20 dias para ministros de Temer se defenderem...

  7. Ex-ministros de Dilma e ex-presidentes da Petrobras e Correios vão receber salário por 6 meses

    Brasil

    Ex-ministros de Dilma e ex-presidentes da Petrobras e Correios vão...

  8. Odebrecht assina pré-acordo de delação premiada

    Brasil

    Odebrecht assina pré-acordo de delação premiada

Cães de raça, o novo alvo do crime organizado na Argentina

Os animais são vendidos a valores que superam os 4.000 reais. Bulldog francês, pug, cocker spaniel e caniche toy são as raças mais visadas pelos ladrões de cachorros

- Atualizado em

pug
Um cão da raça pug(iStock/VEJA)

Cães de raça, caros, e se possível de pequeno tamanho, são as novas vítimas das gangues na Argentina, onde o roubo destes animais se multiplicou no último ano. Os parques públicos e os estabelecimentos comerciais de bairros de luxo são os lugares preferidos pelos ladrões para roubar os cachorros, segundo explicou o advogado Javier Miglino. O maior número de denúncias de roubo destes animais, que supera amplamente as mil ocorrências no último ano, foi registrado na província de Buenos Aires.

Mas o fenômeno, que começou a ser detectado há cinco anos em pequena escala e se multiplicou, se repete nas capitais do interior do país, segundo Miglino, fundador da ONG Defendamos Buenos Aires, que ajuda os donos a fazer as denúncias e iniciar campanhas de busca de seus animais de estimação desaparecidos. "São os animais mais caros e pequenos do mercado", afirmou Miglino, lembrando que "tristemente" apenas 8% foram recuperados até o momento.

As raças mais roubadas são o bulldog francês, o pug, o cocker spaniel e o caniche toy, com valores que oscilam entre os 12.000 e 14.000 pesos (4.000 e 4.700 reais), mas que são vendidos "com grande facilidade" pela metade de preço em feiras de rua ou páginas de leilões na internet. Um dos maiores pontos de venda é a feira de La Salada, nos arredores da capital argentina, considerado o maior "mercado negro" da América Latina, onde não se conseguiu recuperar nenhum dos cachorros roubados porque se trata de "um gueto criminoso fechado que a polícia não entra", declarou Miglino.

Leia também

Sem regulamentação, disputa pela guarda de animais de estimação ocupa tribunais

Não é fácil se despedir dos animais de estimação

Seu pet é como um filho para você? Estudo explica por quê

O advogado se reuniu com juízes e promotores para analisar o fenômeno, mas não conseguiu identificar a origem destes delitos, que associa com um aumento da insegurança e a "impunidade" na região, assim como com a facilidade para roubar, prender e vender os filhotes. Segundo Miglino, não se trata de ladrões isolados, mas de gangues organizadas que dividem as tarefas: procura de cachorros de raça na via publica, roubo com uma caminhonete ou uma moto e custódia dos animais até sua venda.

Dos donos que pediram ajuda à ONG na última meia década, cerca de 10% sofreram pressões e pedidos de resgate por parte das gangues, em casos que agora tramitam na Justiça como delitos de tentativa de extorsão. Para Miglino, o principal é que os próprios proprietários trabalhem na prevenção visto que, depois que o animal desaparece, "é muito difícil encontrá-lo de novo".

No entanto, há donos sortudos como Alejandra Luna, que perdeu seu cocker Toto em janeiro, após deixá-lo amarrado na porta do supermercado, e conseguiu recuperá-lo um mês depois. "Não demorei nem dez minutos e quando saí já não estava lá", relatou Alejandra, que ainda fica com a voz embargada quando lembra o "remorso" que sentia. "Você não pensa que é um cachorro, é uma companhia que está o dia todo com você, como um filho", comentou.

"É devastador para os donos, há gente que me diz que prefere que lhe roubem o carro porque têm seguro ou podem comprar outro, mas com um cachorro é impossível: é um membro a mais da família", disse o advogado. No caso de Alejandra, após iniciar uma campanha de busca com a ajuda da Defendamos Buenos Aires, alguém avisou que tinha visto uma senhora passeando com seu animal de estimação por uma praça da capital argentina e conseguiu recuperá-lo "sem nenhum problema".

(Com agência EFE)

TAGs:
Argentina
Animais