Mais Lidas

  1. Polícia tenta identificar bandidos que praticaram estupro coletivo em favela do Rio de Janeiro

    Brasil

    Polícia tenta identificar bandidos que praticaram estupro coletivo...

  2. China cria ônibus que 'passa por cima' de engarrafamentos

    Economia

    China cria ônibus que 'passa por cima' de engarrafamentos

  3. Ex-ator mirim sobre pedofilia em Hollywood: ‘Fui molestado por várias pessoas’

    Entretenimento

    Ex-ator mirim sobre pedofilia em Hollywood: ‘Fui molestado por...

  4. Família de Johnny Depp 'odiava' Amber Heard

    Entretenimento

    Família de Johnny Depp 'odiava' Amber Heard

  5. Johnny Depp perde a mãe e a mulher em apenas dois dias

    Entretenimento

    Johnny Depp perde a mãe e a mulher em apenas dois dias

  6. Temer e os áudios: por que a Lava Jato preocupa também o governo interino

    Brasil

    Temer e os áudios: por que a Lava Jato preocupa também o governo...

  7. STF dá prazo de cinco dias para Temer se explicar sobre reforma administrativa

    Brasil

    STF dá prazo de cinco dias para Temer se explicar sobre reforma...

  8. Fã que atacou Ana Hickmann ia fazer 'roleta russa', diz delegado

    Entretenimento

    Fã que atacou Ana Hickmann ia fazer 'roleta russa', diz delegado

Ataques com armas químicas matam mais de mil na Síria, diz oposição

França e Grã-Bretanha pediram acesso à região para investigadores da ONU

- Atualizado em

  • Voltar ao início

  • Todas as imagens da galeria:


Grupos de oposição ao governo Sírio afirmam que as forças do ditador Bashar Assad perpetraram nesta quarta-feira ataques com armas químicas em regiões da periferia de Damasco. Segundo o grupo opositor Coalizão Nacional Síria, citado pela rede britânica BBC, mais de 1 000 pessoas morreram. Por causa das restrições impostas pelo governo ao trabalho de jornalistas na guerra civil no país, a informação não pôde ser confirmada por fontes independentes. Outros grupos opositores, como o Observatório Sírio de Direitos Humanos, os Comitês de Coordenação Local e a Comissão Geral da Revolução Síria afirmam que há centenas de mortos, incluindo mulheres e crianças. Os governos da França e da Grã-Bretanha exigiram que Assad libere aos inspetores da ONU que estão na Síria acesso aos locais que foram alvo dos ataques. O ditador nega as acusações.

O número exato de mortos segue incerto: George Sabra, líder interino da Coalizão Nacional Síria, afirma que 1 300 pessoas morreram em um bombardeio com gás venenoso nos subúrbios da capital. Já o Escritório de Mídia de Damasco contabiliza 494 corpos. Mais cedo, a Comissão Geral da Revolução Síria relatou à rede Al Arabiya que a operação, realizada nas regiões de Al Guta e Muadamiya al Sham, havia deixado ao menos 650 mortos.

Leia também:

Leia também: Missão da ONU chega à Síria para investigar uso de armas químicas

Entenda o caso

  1. • Durante a onda da Primavera Árabe, que teve início na Tunísia, sírios saíram às ruas em 15 de março de 2011 para protestar contra o governo do ditador Bashar Assad.
  2. • Desde então, os rebeldes enfrentam forte repressão pelas forças de segurança. O conflito já deixou dezenas de milhares de mortos no país, de acordo com levantamentos feitos pela ONU.
  3. • Em junho de 2012, o chefe das forças de paz das Nações Unidas, Herve Ladsous, afirmou pela primeira vez que o conflito na Síria já configurava uma guerra civil.
  4. • Dois meses depois, Kofi Annan, mediador internacional para a Síria, renunciou à missão por não ter obtido sucesso no cargo. Ele foi sucedido por Lakhdar Brahimi, que também não tem conseguido avanços.

As fotos e vídeos divulgados por ativistas e organizações ligadas a rebeldes mostram corpos amontados sem sinal aparente de sangue ou ferimentos, indícios do uso de gás tóxico no ataque. Países como Grã-Bretanha, França, Estados Unidos e Israel têm afirmado repetidamente que há provas de que o gás sarin já foi utilizado no conflito sírio. A substância tóxica, que atua sobre o sistema nervoso, foi desenvolvida por cientistas alemães como parte dos preparativos do ditador Adolf Hitler para a II Guerra Mundial. Utilizado no ataque que matou treze pessoas no metrô de Tóquio em 1995, o sarin provoca convulsões, insuficiência respiratória e, dependendo do tempo da exposição da vítima ao gás, pode levar à morte. A aparência acinzentada dos corpos de vítimas desse tipo de ataque é semelhante à apresentada pelos mortos da ofensiva síria.

Por outro lado, a CBRNe World, uma publicação que fala sobre armas não convencionais, disse ao jornal The Telegraph que é difícil determinar um agente químico específico a partir dos sintomas que aparecem nas imagens, mas que pode ser uma arma química ou um agente usado pela polícia para controlar tumultos. "A falta de munição convencional sugere que foi usada uma munição não convencional ou um RCA (agente de controle de desordem, na sigla em inglês) em um espaço confinado, mas quem a disparou e o que é exatamente ainda precisa ser provado", disse Gwyn Winfield, diretor da publicação.

Se a causa e o número de mortes forem oficialmente confirmados, será o pior ataque com armas químicas do mundo desde 1988, no massacre de milhares de curdos na cidade de Halabja, no Iraque, sob as ordens de Saddam Hussein. A Coalizão Nacional Síria divulgou um comunicado pedindo uma reunião emergencial do Conselho de Segurança das Nações Unidas e a União Europeia urgiu uma investigação imediata sobre o ataque.

O ministro sírio de Informação, Omran al-Zoubi, negou na televisão estatal todas as informações e disse que elas fazem parte de uma campanha para deslegitimar o grupo de investigadores da ONU no país, que estão em Damasco para investigar denúncias de ataques de armas químicas realizados em março. "Tudo que foi dito é ridículo, ingênuo, ilógico, subjetivo e não científico", disse al-Zoubi. Governo e oposição se acusam mutuamente de utilizar armas químicas na guerra civil que já deixou mais de 100 000 mortos desde 2011.

Fontes da oposição síria afirmaram ao jornal The Guardian que foguetes com gás sarin atingiram a região de Al Guta nesta quarta, no leste da capital Damasco, onde há forte presença de rebeldes. Bayan Baker, uma enfermeira de um hospital da periferia de Damasco, confirmou à agência Reuters 213 mortos. "Muitos dos mortos são mulheres e crianças. Eles chegaram com as pupilas dilatadas, membros do corpo frios e espuma na boca, sintomas típicos de vítimas de gás venenoso", disse ela à agência. Ativistas divulgaram fotos de dezesseis crianças no chão de um hospital.

O presidente da França, François Hollande, disse nesta quarta em uma reunião de gabinete que as últimas denúncias "requerem verificação e confirmação" e que ele pretende pressionar as Nações Unidas para esclarecer o ocorrido, segundo o porta-voz do governo, Najat Vallaud-Belkacem.

Já o ministro de Relações Exteriores da Grã-Bretanha, William Hague, expressou preocupação com a denúncia e disse que, se confirmada, marcaria uma "escalada chocante" do uso desse tipo de armas. "Eu peço para o governo sírio que permita acesso imediato à área para a equipe da ONU que está investigando alegações anteriores do uso de armas químicas. A Grã-Bretanha levará essa questão no Conselho de Segurança das Nações Unidas", disse Hague.

Uma equipe de inspetores da ONU já está em Damasco para investigar as denúncias de uso de armas químicas em março. O chefe da equipe, Ake Sellstrom, disse que é preciso que um país membro da ONU faça um pedido formal de investigação através da organização e que o governo sírio esteja de acordo.

Locais dos ataques com armas químicas na Síria

Massacre - Os Comitês Populares de Coordenação (LCC) afirmaram que os ataques deixaram "centenas de mártires, além de centenas de feridos, essencialmente civis, incluindo dezenas de mulheres e crianças, mortos pelo uso de gases tóxicos por parte do regime criminoso contra as localidades da Guta Oriental". Também acusam o regime de ter cometido um "crime indescritível com armas químicas".

Um longo vídeo amador e fotografias apareceram na Internet. Um vídeo que teria sido feito no bairro Kafr Batna mostra uma sala com mais de noventa corpos, muitos deles crianças e algumas mulheres e homens idosos. A maioria dos corpos pareciam cinzentos ou pálidos, mas sem ferimentos visíveis. Cerca de uma dúzia estavam embrulhados em cobertores. A comissão geral de revolução síria divulgou vídeos no YouTube que mostram, segundo a organização, um "massacre cometido pelas forças do regime com gases tóxicos, provocando várias dezenas de mártires e de feridos".

Outras imagens mostram médicos tratando pessoas em clínicas improvisadas. Um vídeo mostra os corpos de uma dúzia de pessoas deitadas no chão de uma clínica, sem ferimentos visíveis. O narrador no vídeo disse que eram todos membros de uma única família. Em um corredor do lado de fora estavam mais cinco corpos.

O chefe da Coalizão Nacional Síria, de oposição, disse que as forças de Assad haviam realizado um massacre. "Esta é uma oportunidade para os inspetores da ONU verem com seus próprios olhos este massacre e sabemos que este regime é criminoso", disse Ahmed Jarba. Autoridades do governo de Assad disseram que nunca usariam gás venenoso contra os sírios.

A Síria é um dos poucos países que não fazem parte do tratado internacional que proíbe armas químicas, e as nações ocidentais acreditam que tenha reservas não declaradas de gás mostarda, sarin e agentes nervosos.

(Com agência Reuters)

TAGs:
Bashar Assad
Mundo Islâmico
Síria
Conselho de Segurança da ONU
ONU