Mais Lidas

  1. Sônia Abrão pede desculpas por sair correndo do programa

    Entretenimento

    Sônia Abrão pede desculpas por sair correndo do programa

  2. Estupro de jovem de 16 anos no Rio "está provado", diz delegada

    Brasil

    Estupro de jovem de 16 anos no Rio "está provado", diz delegada

  3. Janaina Paschoal: rotina de isolamento pós-impeachment

    Brasil

    Janaina Paschoal: rotina de isolamento pós-impeachment

  4. Japão: Pais abandonam filho na floresta para castigá-lo e criança desaparece

    Mundo

    Japão: Pais abandonam filho na floresta para castigá-lo e criança...

  5. Lewandowski interferiu em processo para ajudar o PT e a presidente Dilma

    Brasil

    Lewandowski interferiu em processo para ajudar o PT e a presidente...

  6. Ex-presidente do PSDB de Minas é preso em operação

    Brasil

    Ex-presidente do PSDB de Minas é preso em operação

  7. Renan Ribeiro, do 'The Voice', morre em acidente de carro

    Entretenimento

    Renan Ribeiro, do 'The Voice', morre em acidente de carro

  8. Latam suspende temporariamente voos à Venezuela

    Economia

    Latam suspende temporariamente voos à Venezuela

Cristina publica relatório sobre Guerra das Malvinas

Documento da ditadura qualifica ofensiva argentina de 'aventura militar'

- Atualizado em

"Essa é a história dos argentinos em sangue vivo", disse Cristina Kirchner
"Essa é a história dos argentinos em sangue vivo", disse Cristina Kirchner(Cezaro De Luca/VEJA)

A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, anunciou na quinta-feira a publicação de um relatório secreto sobre a atuação da última ditadura militar (1976-1983) durante a guerra que seu país e a Grã-Bretanha travaram há 30 anos pela soberania das Ilhas Malvinas.

Entenda o caso

  1. • As Ilhas Malvinas - Falkland, em inglês - ficam a cerca de 500 quilômetros do litoral argentino, mas são administradas e ocupadas pela Grã-Bretanha desde 1833.
  2. • O arquipélago foi motivo de tensão entre os dois países até que, em 1982, o ditador argentino Leopoldo Galtieri comandou uma invasão ao território.
  3. • O governo britânico reagiu rapidamente, enviando às ilhas uma tropa quase três vezes maior do que a da Argentina, que se rendeu dois meses depois.
  4. • Na guerra morreram 255 militares britânicos e mais de 650 argentinos.
Leia mais no Tema 'Ilhas Malvinas / Falkland'

O Relatório Rattenbach, que já foi publicado por uma revista em 1983, pode ser encontrado no site oficial da Presidência argentina, depois que uma comissão do Ministério da Defesa e da Chancelaria o entregou à governante. "Essa é a história dos argentinos em sangue vivo", comentou a presidente.

O documento, de 17 tomos, foi elaborado pelo militar Benjamín Rattenbach após um decreto de Reynaldo Bignone, o último dos quatro presidentes da ditadura, e em novembro de 1983 foi classificado como segredo político e militar pelo regime. O relatório foi elaborado a partir da investigação e a análise do desempenho e da responsabilidade da condução política e estratégico-militar do conflito bélico.

O texto qualifica de 'aventura militar' a tentativa argentina de recuperar as Malvinas, sob domínio britânico, não estabelece o custo da guerra 'pelos critérios diferentes de cada uma das forças' e recomenda severas sanções aos integrantes da Junta Militar, entre elas a possibilidade de pena de morte para o ditador Leopoldo Galtieri.

Falhas - O documento assinala que ninguém no governo de fato considerava possível que a Grã-Bretanha enviasse tropas para recuperar as ilhas e relata como foi encolhendo a margem de manobra do regime militar, desde reivindicar a soberania do arquipélago até a oferta de retirar as tropas.

O texto alude a 'falhas de coordenação' entre as Forças Armadas, aos 'erros' de Mario Benjamín Menéndez, que fora o governador militar das ilhas após o desembarque argentino, e à 'falta de presença' de chefes militares na frente de batalha. Os investigadores militares ainda consideraram que todas as tarefas de comunicação, logística e tática foram 'ineficientes', condenaram o 'excesso de otimismo e a incapacidade para o planejamento das operações bélicas' e o fato de terem sido enviados às ilhas 'jovens soldados sem a devida capacitação'.

A publicação do relatório coincide com o aumento da tensão entre os dois países pela questão das Malvinas, às vésperas do 30º aniversário do começo da guerra, que vitimou 255 britânicos, três moradores das ilhas e 649 argentinos.

(Com agência EFE)

TAGs:
Gra Bretanha
Ilhas Malvinas
Ilhas Malvinas / Falkland
Argentina
Cristina Kirchner