Mais Lidas

  1. Arroz-de-festa Geisy Arruda e outros famosos no Oscar do Pornô

    Entretenimento

    Arroz-de-festa Geisy Arruda e outros famosos no Oscar do Pornô

  2. Miss Brasil 2004 relatou a amigos que pretendia se matar, diz delegado

    Brasil

    Miss Brasil 2004 relatou a amigos que pretendia se matar, diz delegado

  3. Demitido por Ivete Sangalo, irmão hoje vende cosméticos

    Entretenimento

    Demitido por Ivete Sangalo, irmão hoje vende cosméticos

  4. ‘Game of Thrones’: HBO revela quem é o pai de Jon Snow

    Entretenimento

    ‘Game of Thrones’: HBO revela quem é o pai de Jon Snow

  5. Condenado pode cumprir pena em casa se não houver vaga em presídio, determina STF

    Brasil

    Condenado pode cumprir pena em casa se não houver vaga em presídio,...

  6. Juiz proíbe Paulo Bernardo de deixar o país e o suspende de cargos públicos

    Brasil

    Juiz proíbe Paulo Bernardo de deixar o país e o suspende de cargos...

  7. Detran desanca Angélica por celular ao volante: 'Vai de Táxi'

    Entretenimento

    Detran desanca Angélica por celular ao volante: 'Vai de Táxi'

  8. PF descobre laços impróprios entre Toffoli e empreiteiro do petrolão

    Brasil

    PF descobre laços impróprios entre Toffoli e empreiteiro do petrolão

Agressões sexuais e roubos em série no réveillon chocam a Alemanha

Até esta terça-feira de manhã a polícia registrou 90 denúncias de assédio, roubo e pelo menos uma de estupro na cidade de Colônia. Caso eleva temperatura dos debates sobre imigração

- Atualizado em

Estação de trem de Colônia, palco dos ataques em série
Estação de trem de Colônia, palco dos ataques em série(Oliver Berg/AFP)

Agressões sexuais e roubos em série na noite de ano novo em Colônia, oeste da Alemanha, atribuídas a "jovens aparentemente de origem árabe", chocaram o país e elevaram a temperatura dos debates sobre o acolhimento de um grande número de imigrantes e refugiados. O caso ganha amplitude conforme mais e mais denúncias são registradas pela polícia, o que já implica a participação de "mais de mil pessoas" que agrediram ou protegeram os agressores, segundo declarou à imprensa o ministro da Justiça alemão, Heiko Maas. "Trata-se de uma nova forma de crime organizado. Será preciso refletir sobre isso, pensar em meios para enfrentá-lo", afirmou.

Leia também:

Merkel busca apaziguar partido com promessa de conter fluxo de refugiados

Segundo a polícia, os criminosos se uniram em grandes grupos nas proximidades da principal estação de trem de Colônia, misturando-se a outros grupos de foliões e atacando vários deles. O chefe da polícia de Colônia, Wolfgang Albers, disse que ninguém foi preso. "Nós não temos nenhum suspeito atualmente. Tudo que sabemos é que tinham entre 18 e 35 anos de idade e são oriundos de países árabes ou africanos". Até esta terça-feira de manhã a polícia registrou 90 denúncias de assédio sexual, roubos e pelo menos uma de estupro - e seguia aguardando novas denúncias. "Parto do princípio de que mais denúncias serão feitas", declarou Albers.

"A gente estava indo embora quando um grupo de cerca de vinte homens estrangeiros nos abordou", disse uma das vítima à rede de televisão N-TV. "Eles começaram a nos agredir, tocando nossa virilha, o decote (do vestido) e por baixo do casaco", contou, dizendo também que o grupo "só atacava mulheres" e mencionou também roubos. Cerca de 300 pessoas se reuniram nesta terça de maneira simbólica em frente à catedral da cidade para pedir mais respeito às mulheres.

Líderes políticos, incluindo a chanceler, Angela Merkel, condenaram os ataques, embora tenham alertado contra conclusões precipitadas sobre os autores. A chanceler conversou por telefone com a prefeita de Colônia, Henriette Reker, e manifestou "sua indignação diante destes atos de violência insuportáveis e agressões sexuais". "Não temos qualquer indício que demonstre que se trata de refugiados alojados em Colônia" ou arredores, comunicou Reker. A aparência dos agressores "não deve levar a uma suspeita geral sobre os refugiados que, independentemente de sua origem, venham buscar refúgio em nosso país", disse o ministro do Interior, Thomas de Maizière.

Mas para alguns alemães que já estavam inquietos com a chegada de um milhão de imigrantes em busca de asilo, os ataques parecem confirmar seus receios. "É esta a 'Alemanha colorida e cosmopolita' que Merkel queria?", indagou Frauke Petry, líder do partido nacionalista Alternativa para a Alemanha (AfD, na sigla em alemão), que pede limites mais estreitos ao número de asilos concedidos no país. "É inaceitável que mulheres sejam assediadas e assaltadas por jovens migrantes nas ruas e praças públicas das cidades alemãs à noite", disse Andreas Scheuer, secretário-geral da União Social Cristã.

(Com Estadão Conteúdo e AFP)