Protestos no mundo árabe

Negado pedido de atriz para tirar do YouTube vídeo anti-Islã

Cindy Lee Garcia, que processou Nakoula, diz ter recebido ameaças de morte

A atriz Cindy Lee Garcia em cena do filme 'Innocence of Muslims'

A atriz Cindy Lee Garcia em cena do filme 'Innocence of Muslims' (Reprodução/VEJA)

Um juiz da Califórnia negou, provisoriamente, nesta quinta-feira a solicitação de uma atriz para que fosse removido do YouTube o filme anti-islâmico que desencadeou uma onda de protestos contra os Estados Unidos. A atriz Cindy Lee Garcia, que disse ter recebido ameaças de morte depois que o vídeo foi colocado no YouTube, pedia a retirada do filme do site, em uma ação judicial contra o Google e um produtor do vídeo.

Leia também: Funcionário de cinema reforça suspeita sobre filme anti-Islã

"O pedido de uma ordem temporária de retirada está negado", afirmou o juiz Luis Lavin, da Corte Superior de Los Angeles. Lavin disse ter negado o pedido porque o produtor, Nakoula Basseley Nakoula, não recebeu uma cópia do processo, segundo a rede BBC.

Cindy, a segunda atriz da produção a dizer que foi enganada, afirma que suas falas foram dubladas, e processou o produtor por fraude. Ela disse ter advertido o Youtube de que o vídeo fazia uso não autorizado de sua imagem, mas ele continua no ar na maioria dos países.

Versão da atriz - A atriz disse ter sido chamada para gravar o filme Desert Warrior (Guerreiro do Deserto, em tradução livre do inglês), um filme de aventura no deserto árabe. Segundo ela, a produção não fazia referência a Maomé, sexo ou religião, e o conteúdo da gravação foi "grotescamente editado".

(Com agência Reuters)

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados