Tarja Naufrágio Costa Concordia

Naufrágio

Começa a primeira audiência do caso Costa Concordia

O principal acusado, capitão Francesco Schettino, não compareceu

  • Na Itália, os restos do navio 'Costa Concordia', naufragado em 2012, são retirados do mar, em frente ao porto de Isola del Giglio, região central do país

    Tiziana Fabi/AFP

  • Navios iniciaram o reboque do Costa Concordia até o porto de Gênova

    Italian Civil Protection/Handout via Reuters/Reuters

  • O cruzeiro Costa Concordia é visto durante a operação de desencalhe no porto de Giglio, na Itália

    Alessandro Bianchi/Reuters

  • Restos do navio de cruzeiro 'Costa Concordia',  são vistos do porto de Giglio, na Itália. o acidente ocorrido em 2012 deixou 32 mortos

    Alessandro Bianchi/Reuters

  • Turistas fotografam os restos do navio naufragado 'Costa Concordia', próximo a Ilha de Giglio, região central da Itália

    Alessandro Bianchi/Reuters

  • O navio de cruzeiro 'Costa Concordia' é fotografado por turista durante operação de desencalhe, em Giglio, na Itália. Segundo informaram as autoridades, os restos da embarcação estão quase prontos para serem rebocados para longe da ilha italiana, onde atingiu uma rocha e naufragou dois anos e meio atrás, matando 32 pessoas

    Giampiero Sposito/Reuters

  • Imagens subaquáticas do navio naufragado Costa Concordia

    Reprodução

  • Capitão do Costa Concordia Francesco Schettino chega para uma entrevista antes de embarcar pela primeira vez no navio após o naufrágio em 2012 na costa da ilha Giglio, na Itália

    Andrew Medichini/AP

  • Capitão do Costa Concordia Francesco Schettino, embarca pela primeira vez no navio após o naufrágio em 2012, junto com oficiais de justiça, na costa da ilha Giglio, na Itália

    Claudio Giovannini/EFE

  • O capitão Francesco Schettino (esq) acompanha vistoria no Costa Concordia dois anos depois do naufrágio que deixou 32 mortos

    Andrew Medichini/AP

  • Navio Costa Concordia naufragado em 2012, na costa da ilha Giglio, na Itália

    Alessandro Bianchi/Reuters

  • O navio Costa Concordia, após a operação que 'endireitou' a embarcação

    Tony Gentile / Reuters

  • Operação para desencalhar o cruzeiro Costa Concordia vai durar a noite inteira, segundo Franco Gabrielli, da Defesa Civil

    Tony Gentile/Reuters

  • Transatlântico Costa Concordia começa a naufragar, em frente à ilha de Giglio, na Itália- 14/01/2012

    Giorgio Fanciull/Giglionews.it/Reuters

  • Navio Costa Concordia encalhado na costa da Itália

    Giorgio Fanciulli/AP

  • O navio Costa Concordia encalhou e tombou próximo à ilha de Giglio, na Itália

    Enzo Russo/Reuters

  • Passageiros receberam cobertores na ilha de Giglio após serem resgatados

    Filippo Monteforte/AFP

  • Homem fotografa o transatlântico Costa Concordia, durante o naufrágio na ilha de Giglio, na Itália - 14/01/2012

    Reuters

  • Mulher observa o transatlântico Costa Concordia, durante o naufrágio na ilha de Giglio, na Itália - 14/01/2012

    Reuters

  • Vista geral do transatlântico Costa Concordia, durante o naufrágio na ilha de Giglio, na Itália - 14/01/2012

    Remo Casilli/Reuters

  • Vista geral do transatlântico Costa Concordia, durante o naufrágio na ilha de Giglio, na Itália - 14/01/2012

    Remo Casilli/Reuters

Foto 0 / 21

Ampliar Fotos

A primeira audiência prévia ao julgamento pelo naufrágio do cruzeiro Costa Concordia, durante a qual será aberta oficialmente a caixa preta da embarcação, teve início neste sábado, em Grosseto, no centro da Itália. Estão presentes uma centena de advogados, cientistas e sobreviventes da tragédia de 13 de janeiro. A audiência, que será realizada a portas fechadas, acontecerá no Teatro Moderno Grosseto para que cerca de 800 pessoas, entre advogados, promotores e testemunhas, possam comparecer. Meios de comunicação do mundo todo acompanham o julgamento do lado de fora.

O comandante do Costa Concordia, Francesco Schettino, protagonista da catástrofe que deixou 32 mortos, não estará presente na audiência. O advogado de Schettino disse temer por sua segurança.

Por enquanto, só se sabe que neste sábado os promotores e os advogados dos nove investigados, assim como os representantes dos náufragos e da companhia Costa Cruzeiros, designarão os peritos para analisar o conteúdo da caixa-preta.

Uma sobrevivente presente, Francesca Bertaglia, não escondia sua revolta em relação ao capitão. "É um imbecil, e também um criminoso". No total, nove empregados da companhia Costa estão indiciados por homicídio por imprudência, naufrágio e falta de comunicação com as autoridades marítimas. O capitão também é acusado de ter abandonado seu navio durante a evacuação dos passageiros.

O "Costa Concordia" viajava com 4.229 pessoas a bordo, incluindo 3.200 turistas de 60 nacionalidades diferentes e mil membros da tripulação, quando se chocou contra uma rocha. A catástrofe deixou 32 mortos, dos quais foram recuperados 25 corpos e sete permanecem desaparecidos. A companhia Costa Cruzeiro admitiu que o naufrágio ocorreu depois de Schettino, atualmente em prisão domiciliar, ter se aproximado da costa da ilha, ignorando a rota pré-estabelecida

LEIA TAMBÉM:

'Volte a bordo', ordenou Guarda Costeira a capitão do navio

Manobra de capitão salvou milhares de vidas, diz advogado

(Com EFE E AFP)

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados