Por: Davi Correia - Atualizado em

  • Voltar ao início

  • Todas as imagens da galeria:


"Vou liberar minha mente, procurar não pensar muito e apenas deixar a luta acontecer", disse o campeão

O UFC realiza um grande evento na noite deste sábado - e escalou um de seus três grandes nomes para encabeçar o card principal. O canadense Georges St-Pierre, que forma com Anderson Silva e Jon Jones o "trio de ferro" da franquia, defenderá seu cinturão dos meio-médios contra o americano Nick Diaz, em Montreal, no Canadá. St-Pierre, que costuma evitar as entrevistas, conversou por telefone com a reportagem do site de VEJA em meio aos preparativos para o combate - e mostrou simpatia, arriscando algumas palavras em um português muito bem pronunciado: "Olá, tudo bem? Como você está?". Ele falou sobre o desafio de logo mais e contou que pretende descansar um pouco depois do combate contra Diaz - frustrando, assim, as expectativas sobre um possível combate contra Anderson Silva nos próximos meses. Apontado como o terceiro melhor lutador peso por peso do planeta, atrás só de Anderson e Jones, ele diz não pensar muito nesse status - e, com certa modéstia, elogia o quarto colocado na lista, o brasileiro José Aldo (que, para muitos, já está na briga para entrar nesse grupo de elite no topo da modalidade).

Leia também:

Na pesagem, Georges St-Pierre e Diaz quase saem no tapa

St-Pierre, 31 anos, já teria até um plano de aposentadoria

Nick Diaz, o rebelde com causa - superar o campeão GSP

Um 'acerto de contas' entre St-Pierre e Nick Diaz no Canadá

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

O adversário de Georges St-Pierre, Nick Diaz estava invícto havia onze combates antes de perder para Carlos Condit em sua última aparição no octógono, em fevereiro de 2012. O americano é um dos lutadores mais polêmicos do torneio e costuma provocar os adversários antes das lutas. Antes do duelo deste sábado, o falastrão já disse que seu rival usa esteroides e o acusou de se fazer de bom moço para promover suas lutas. St-Pierre - que foi vítima de bullying na infância e, por causa disso, começou a treinar lutas - garante que as provocações não serão capazes de afetar seu desempenho no octógono. "Não estou me preparando para essa luta pensando em fatores emocionais", afirmou, descartando o risco de "perder a cabeça" por causa da animosidade entre ele e Diaz. "Vou mostrar tudo de melhor que venho aperfeiçoando nos treinos. Não deixo a emoção me afetar." Conhecido por treinar todos os tipos possíveis e imagináveis de lutas e artes marciais - e praticar até ginástica artística, com exercícios de argolas e barras, para melhorar sua técnica -, St-Pierre disse que não tem apenas uma estratégia definida para o desafio contra Diaz. Famoso pela versatilidade - é considerado por muitos o lutador mais completo do UFC, com domínio de todas as técnicas mais importantes do MMA, seja no solo, seja na trocação -, GSP avisa que os fãs "verão muitas coisas diferentes no octógono neste sábado". "Vou liberar minha mente, procurar não pensar muito e apenas deixar a luta acontecer", disse o campeão, que encerrou a ligação voltando a falar português: "Muito obrigado".

  • Dana White, o chefão do UFC
  • As ring girls no UFC São Paulo
  • UFC: a ring girl Arianny Celeste na praia, no Rio
  • UFC SP: o que você não viu na TV
  • UFC: Anderson Silva em fotos exclusivas para VEJA
  • UFC Rio 3: o que você não viu na TV
  • UFC Rio 3: por dentro do evento
  • Ronda Rousey, a nova musa do UFC
  • UFC: Anderson Silva x Chael Sonnen
  • No octógono com Júnior Cigano, campeão do UFC
TAGs:
Georges St-pierre
UFC