- Atualizado em

  • Voltar ao início

  • Todas as imagens da galeria:


Antes de Aldo brilhar no octógono, Minotouro, Antonio Pezão e Demian Maia também venceram no Mandalay Bay, em Las Vegas

Na primeira superluta do UFC em 2013, deu Brasil - e numa noite brilhante dos atletas de MMA do país. O campeão dos penas, José Aldo, manteve seu título ao derrotar o americano Frankie Edgar, por pontos, na madrugada deste domingo, no UFC 156, em Las Vegas. O desafiante desceu de categoria (era campeão dos leves mas perdeu o cinturão para Ben Henderson) e prometia destronar o brasileiro, que reina absoluto em sua divisão. Aldo, porém, mostrou mais uma vez por que é um dos melhores lutadores peso-por-peso do planeta. Com muita técnica, velocidade, precisão e potência, o dono do título controlou o combate. O adversário era talentoso, mas não o bastante para ameaçar Aldo. Sem conseguir acertar o brasileiro na trocação, Edgar buscava levar o duelo para o chão, mas o favorito impedia qualquer tentativa nesse sentido - sua defesa de quedas estava afiadíssima. Ao neutralizar a principal arma do americano, o manauara dominou o octógono, fechando um card principal em que o Brasil venceu quatro combates.

O melhor momento do americano, muito incentivado pela torcida em Vegas, foi o terceiro round, quando ele acertou golpes perigosos no rosto do campeão. Nada que mudasse o desfecho do combate: os juízes foram unânimes na decisão favorável ao brasileiro, que já acumula catorze triunfos consecutivas em sua carreira no MMA. "Essa vitória é para todo o povo de Santa Maria", disse Aldo depois da luta, homenageando as vítimas do trágico incêndio no Rio Grande do Sul, que completou exatamente uma semana no momento em que o campeão lutava nos EUA. "José é o vencedor", admitiu Edgar, sem deixar qualquer dúvida em relação à decisão dos juízes. Depois de seis defesas de título bem sucedidas, o brasileiro começa a ficar sem desafios entre os penas - e, como costuma ter dificuldade para bater o peso, pode começar a ensaiar uma possível subida de categoria, para os leves, fazendo o caminho inverso de Frankie Edgar.

Leia também:

UFC enfim cria ranking - mas Dana é quem vai decidir lutas

Franquia faz mistério sobre cidade do próximo evento no Brasil

As revanches que cativam os fãs de MMA (e rendem milhões)

Por que Anderson Silva é o 'Jon Jones' de Georges St-Pierre

UFC abre as portas para mulheres. Ronda Rousey é a primeira

Outras lutas - Ex-campeão dos meio-pesados, Rashad Evans foi citado por Dana White nos últimos dias como um possível desafiante de Anderson Silva. Para conseguir a chance de encarar o Spider, porém, o americano tinha que passar por outro brasileiro, Rogério Minotouro Nogueira. E o irmão gêmeo do ídolo Minotauro tirou Rashad do caminho de Anderson, vencendo sua segunda luta consecutiva e reforçando sua posição na franquia. O primeiro round foi de poucas emoções, com pequena vantagem para o americano. No segundo, os lutadores aumentaram a intensidade da trocação, deixando a luta mais franca. No terceiro, a luta chegou a ser interrompida quando Evans acertou o olho de Minotouro com o dedo. Nos minutos finais, o duelo ficou mais aberto, mas não houve nocaute ou finalização. A decisão ficou para os juízes, que apontaram o brasileiro como vencedor de forma unânime. Minotouro vibrou muito.

Na luta anterior, o brasileiro Antonio Pezão Silva tratou de impedir que Alistair Overeem voltasse por cima depois de uma longa suspensão por doping, conquistando uma belíssima vitória por nocaute e calando o holandês - que se dizia certo da vitória sobre o paraibano e até baixou a guarda no duelo. O primeiro round foi amarrado, com os lutadores evitando riscos e estudando o adversário. A luta esquentou no segundo assalto, quando Overeem levou o embate para o chão e passou a controlar o ritmo do confronto. Em desvantagem numa possível decisão por pontos, Pezão partiu para cima logo no início do terceiro e último assalto e, depois de encaixar dois socos certeiros no oponente, demoliu o holandês, desferindo uma série espetacular de golpes. Pezão agora se credencia para desafiar Cain Velasquez, atual campeão dos pesados.

A primeira luta envolvendo um brasileiro no card principal colocou frente a frente um especialista em finalizações, Demian Maia, e um atleta conhecido por sua notável capacidade em escapar delas, o americano Jon Fitch. Confirmando as expectativas, o encontro, na categoria peso meio-médio, foi exatamente assim: Demian passou a luta toda tentando imobilizar o oponente enquanto Fitch resistia e buscava escapar do jiu-jitsu do brasileiro. O americano manteve o retrospecto de não ser finalizado, mas o domínio de Demian nos três rounds foi tão claro que rendeu ao brasileiro uma vitória por decisão unânime dos juízes. É a terceira vitória consecutiva do brasileiro desde que ele desceu de categoria - e Demian agora figura entre os possíveis candidatos a uma disputa de título entre os meio-médios (o canadense Georges St-Pierre é o campeão).

O card principal da noitada de lutas - marcada para o fim de semana do Super Bowl, a grande final do futebol americano - no hotel Mandalay Bay começou com o duelo entre Joseph Benavidez e Ian McCall. Depois de três rounds muito equilibrados, Benavidez foi declarado vencedor por decisão dos juízes. No card preliminar, o brasileiro Gleison Tibau começou bem seu combate, mas acabou perdendo para o americano Evan Dunham, também por pontos. Antes, Tyron Woodley nocauteou Jay Hieron logo no primeiro minuto do primeiro round; Bobby Green derrotou Jacob Volkmann por finalização no terceiro round; Isaac Vallie-Flagg derrotou Yves Edwards por decisão dos juízes; Dustin Kimura derrotou Chico Camus por finalização no terceiro round; e Francisco Rivera nocauteou Edwin Figueroa no segundo round. Acompanhe VEJA Esporte no Facebook
TAGs:
José Aldo
UFC