Mais Lidas

  1. “Determinar final de operações PF”: diz bilhete encontrado na residência de João Santana e Mônica Moura

    Brasil

    “Determinar final de operações PF”: diz bilhete encontrado na...

  2. Em imagens, o vestido da discórdia em Wimbledon

    Esporte

    Em imagens, o vestido da discórdia em Wimbledon

  3. Renan desengaveta projeto que define crimes de abuso de autoridade

    Brasil

    Renan desengaveta projeto que define crimes de abuso de autoridade

  4. PF descobre laços impróprios entre Toffoli e empreiteiro do petrolão

    Brasil

    PF descobre laços impróprios entre Toffoli e empreiteiro do petrolão

  5. Gretchen, essa guerreira, casa pela 17ª vez

    Entretenimento

    Gretchen, essa guerreira, casa pela 17ª vez

  6. Thammy pede sugestão de nome masculino nas redes: 'Tommi?'

    Entretenimento

    Thammy pede sugestão de nome masculino nas redes: 'Tommi?'

  7. PF prende Carlinhos Cachoeira em operação contra lavagem de dinheiro

    Brasil

    PF prende Carlinhos Cachoeira em operação contra lavagem de dinheiro

  8. Deborah Secco revela estratégia para escolher marido - a sogra

    Entretenimento

    Deborah Secco revela estratégia para escolher marido - a sogra

Transferências no meio do ano devem transformar equipes

Ganso, Neymar, Lucas, Leandro Damião... Quais chegarão ao fim do Brasileiro?

Por: Vinícius Dominichelli - Atualizado em

Neimar e Ganso
Neymar e Ganso: os principais alvos dos europeus neste ano(AE/VEJA)

O mais cruel na debandada de jogadores é que os clubes mais prejudicados são justamente os que têm os melhores resultados no decorrer do primeiro semestre

Entra campeonato, sai campeonato, e os times brasileiros continuam enfrentando o mesmo fantasma sempre que chega o inverno ao país. Esse é o período em que os clubes europeus preparam seus elencos para a temporada seguinte - e saem à caça de reforços no exterior. Grande produtor de craques, o Brasil é sempre um dos alvos prioritários na janela de transferências europeia. E, assim como nos anos anteriores, o Brasileirão 2011 pode ter seus rumos definidos justamente pelo assédio sobre jogadores em evidência nos gramados do país. Resultado: o campeonato começa com muitos craques, mas vários deles podem não chegar ao fim.

Nomes como Paulo Henrique Ganso e Neymar, do Santos, Lucas, do São Paulo, e Leandro Damião, do Internacional, despontam como os mais cotados para trocar os gramados brasileiros pela Europa no meio do ano. Durante meses, o Milan e a Inter de Milão mostraram grande interesse em contar com o futebol do meia Ganso - e o fato de ele ainda não ter entrado em acordo com o Santos para renovar o contrato só reforçou as especulações. O Corinthians, outro clube que estaria interessado no jogador, poderia servir de ponte por alguns meses para o jogador atuar na Itália. O time nega, mas há fortíssimos sinais de uma negociação.

No ano passado, Flamengo, Inter, Palmeiras, São Paulo e Santos sofreram com as perdas. Adriano (que foi para a Roma), Sandro (Tottenham), Taison e Cleiton Xavier (Metalist), Hernanes (Lazio), Wesley (Werder Bremen) e André (Dínamo de Kiev) foram os principais desfalques na janela de transferências. Já seria um problema se o único impacto disso fosse a decepção dos torcedores, que dão um adeus prematuro aos seus ídolos. Mas talvez o maior drama seja o efeito dessa tendência no equilíbrio do campeonato. Há clubes que começam subindo ao topo da classificação. No meio do ano, perdem craques e ficam para trás na tabela.

Desmanche - Agente de jogadores desde 2000, o ex-goleiro Gilmar Rinaldi não tem dúvida: o Brasileirão 2011 terá, mais uma vez, um êxodo de jogadores durante a janela européia. "É normal acontecer isso. Todos os times sabem que vão ter problemas quando a janela abrir", diz o empresário, que cuida das carreiras de jogadores como Fábio Simplício (Roma), André Dias (Lazio) e Danilo e Fábio Santos (Corinthians). Um dos exemplos mais recentes de desmanche na equipe no meio do Brasileirão foi o Corinthians. E o mais cruel é que os clubes mais prejudicados são justamente os que têm os melhores resultados no começo do ano.

No caso corintiano, após ser campeão da Copa do Brasil e do Campeonato Paulista, em 2009, a equipe perdeu sua espinha dorsal. Em questão de dias, o clube negociou o lateral-esquerdo André Santos, o volante Cristian (ambos para o Fenerbahce, da Turquia) e o meia Douglas (para o Al Wasl, dos Emirados Árabes). A consequência foi imediata. Sem substitutos capazes de dar conta do recado, o Corinthians precisou escalar Marcelo Oliveira na lateral, Jucilei como volante e adiantar Elias para fazer a função de armador. Resultado: uma modesta décima colocação no campeonato, depois de iniciar a competição como grande favorito.

No ano passado, Santos e São Paulo foram os maiores prejudicados. As saídas do volante Wesley e do atacante André fizeram com que o então técnico Dorival Júnior substituísse a dupla por Roberto Brum e Zé Love. Sem os dois, o Santos terminou o Brasileirão apenas na oitava colocação, enquanto o São Paulo, sem o meia Hernanes, ficou em nono lugar. Sem ter o que fazer para impedir totalmente as perdas para a Europa, os dirigentes pelo menos já estão aprendendo formas de adiar essas transferências - foi o que fez o Santos ao oferecer um contrato mais longo (e bem mais caro) a Neymar. Para isso, porém, é preciso dinheiro.

TAGs:
Brasileirão