Tarja Seleção Brasileira

Futebol

Seleção inicia a semana de recuperação antes do clássico

Mano e jogadores vão analisar erros contra o México antes de pegar Argentina

  • Marcelo deixa o campo após o amistoso entre Brasil e México, no Estádio dos Cowboys, em Dallas, no Texas

    Ralph Lauer/EFE

  • Amistoso entre Brasil e México, no Estádio dos Cowboys, em Dallas, no Texas

    Brandon Wade/Getty Images/AFP

  • Amistoso entre Brasil e México, no Estádio dos Cowboys, em Dallas, no Texas

    Brandon Wade/Getty Images/AFP

  • Amistoso entre Brasil e México, no Estádio dos Cowboys, em Dallas, no Texas

    Brandon Wade/Getty Images/AFP

  • Amistoso entre Brasil e México, no Estádio dos Cowboys, em Dallas, no Texas

    Ralph Lauer/EFE

  • Amistoso entre Brasil e México, no Estádio dos Cowboys, em Dallas, no Texas

    Brandon Wade/Getty Images/AFP

  • Amistoso entre Brasil e México, no Estádio dos Cowboys, em Dallas, no Texas

    Brandon Wade/Getty Images/AFP

  • Amistoso entre Brasil e México, no Estádio dos Cowboys, em Dallas, no Texas

    Ralph Lauer/EFE

  • Amistoso entre Brasil e México, no Estádio dos Cowboys, em Dallas, no Texas

    Brandon Wade/Getty Images/AFP

  • Amistoso entre Brasil e México, no Estádio dos Cowboys, em Dallas, no Texas

    Brandon Wade/Getty Images/AFP

  • Amistoso entre Brasil e México, no Estádio dos Cowboys, em Dallas, no Texas

    Brandon Wade/Getty Images/AFP

  • Amistoso entre Brasil e México, no Estádio dos Cowboys, em Dallas, no Texas

    Brandon Wade/Getty Images/AFP

Foto 0 / 12

Ampliar Fotos

"Jogos como esse servem de aprendizado. Só quando se enfrenta uma partida assim é que se amadurece", disse Mano Menezes depois da derrota

Depois das vitórias contra Dinamarca e Estados Unidos, o técnico Mano Menezes afirmou que estava surpreso com o desempenho da seleção brasileira nos amistosos. Em apenas uma semana, a equipe tinha se empolgado tanto com o próprio futebol que já se achava favorita contra o México - e o discurso foi bem diferente depois do revés de domingo, no Estádio dos Cowboys, em Dallas, no Texas, por 2 a 0. "Acho que foi um resultado surpreendente", disse o lateral esquerdo Marcelo, mesmo sabendo que o time olímpico do Brasil enfrentava a formação principal mexicana.

A decepção na partida contra o México depois de duas boas atuações deu início a uma semana de reflexão na seleção antes do amistoso que fecha a série de partidas nos EUA - no sábado, em Nova Jersey, contra a Argentina. Assim como os mexicanos, os argentinos serão representados por sua seleção principal, com Messi como destaque. O grupo brasileiro promete analisar as falhas defensivas e ofensivas no jogo que determinou o fim da invencibilidade de dez jogos da seleção - e chegar para o aguardado jogo contra os argentinos com uma preparação melhor.

"Infelizmente tivemos duas bobeiras, mas agora é pensar em trabalhar em cima dos erros", disse Marcelo, cotado para ocupar uma das vagas para jogadores acima de 23 anos na Olimpíada de Londres. O lateral do Real Madrid disse, porém, que a seleção brasileira não deve mudar sua essência em função da derrota contra o México - Marcelo disse que a "alegria" do grupo tinha sido a grande arma nas duas vitórias em amistosos. "Vamos ver no que erramos e tentaremos acertar, mas alegria nunca vai faltar, sempre com respeito ao adversário", afirmou o jogador.

Frustração - Um dos problemas do Brasil no jogo de domingo foi a forte marcação sobre Neymar, uma estratégia que acabou anulando o principal nome da seleção. O camisa 11 teve uma atuação apagada diante do México - bem marcado na ponta esquerda, a estrela santista fracassou na sua principal característica, as jogadas individuais. "Jogos como esse servem de aprendizado", disse Mano, também adotando o discurso de que o Brasil aproveitará a semana para estudar os erros e melhorar: "Só quando se enfrenta um jogo desses é que se amadurece".

Neymar já vinha de partidas decepcionantes contra o Vélez Sarsfield, na Libertadores. No domingo, ainda apresentou momentos de irritação em função do fracasso de suas tentativas de jogadas. No segundo tempo, trocou empurrões com o lateral direito Meza e, ao lado do rival, acabou punido com o cartão amarelo. Mas o destempero de Neymar no lance com o mexicano foi encarado com naturalidade por Mano. "Acidentes como esse acontecem em jogos de futebol. Os atacantes não gostam de marcação próxima, às vezes se incomodam", disse ele, minimizando o caso.

Seleção brasileira: plano de ação para engrenar para 2014

1 de 7

Construir o time ao redor de Neymar

O técnico conta com uma safra relativamente pobre em talentos. O Brasil tem bons jogadores, mas não está no mesmo nível das últimas décadas, quando contava com vários craques que se destacavam no futebol europeu. Resta Neymar, o único craque incontestável da atual geração. Nada melhor, portanto, que deixar claro: o time é Neymar e mais dez, e precisa ser escalado com esse princípio básico em mente. Do esquema de jogo à escolha dos coadjuvantes, tudo deve ser pensado para permitir que Neymar pratique seu melhor futebol.

 

 

(Com agência Gazeta Press)

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados