Mais Lidas

  1. STF barra crédito extra de 100 milhões de reais para publicidade do governo

    Brasil

    STF barra crédito extra de 100 milhões de reais para publicidade do...

  2. Justiça bloqueia bens do senador Lindbergh Farias

    Brasil

    Justiça bloqueia bens do senador Lindbergh Farias

  3. Marta Suplicy é vaiada em discurso em São Paulo. De novo

    Brasil

    Marta Suplicy é vaiada em discurso em São Paulo. De novo

  4. A miss-bumbum e o clima de fim da festa no Planalto

    Brasil

    A miss-bumbum e o clima de fim da festa no Planalto

  5. Cunha chama reajuste no Bolsa Família de irresponsabilidade fiscal

    Brasil

    Cunha chama reajuste no Bolsa Família de irresponsabilidade fiscal

  6. 1º de Maio: Dilma oficializa reajuste de 9% no Bolsa Família

    Brasil

    1º de Maio: Dilma oficializa reajuste de 9% no Bolsa Família

  7. Temer monta seu governo: “Quero entrar para a história”

    Brasil

    Temer monta seu governo: “Quero entrar para a história”

  8. Família real britânica divulga fotos da princesa Charlotte

    Mundo

    Família real britânica divulga fotos da princesa Charlotte

Por que tanta gente se apaixona por UFC

Esporte é o que mais cresce no mundo, apesar da violência – ou por causa dela

- Atualizado em

A edição de VEJA desta semana traz reportagem sobre o fenômeno UFC, torneio de artes marciais mistas, que conquista a cada dia um número maior de fãs, apesar da violência - ou justamente por causa dela. Quem são os responsáveis pela popularização do esporte no Brasil, e o que pensa o seu maior ídolo, o campeão Anderson Silva, apontado como o melhor de todos os tempos, estão entre os destaques da reportagem.

Aos que encaram o esporte como de violência extrema, estudos mostram que a luta causa menos danos físicos aos seus praticantes do que se imagina. A Universidade Johns Hopkins, de Baltimore (EUA) avaliou 1 270 lutadores entre 2002 e 2007 e concluiu que somente 23,6% sofreram uma ou mais lesões durante a luta - e, desses, 84% tiveram um machucado; 13,3% tiveram dois machucados; e 2,7% tiveram três machucados. Em apenas 3,3% ocorreu perda de consciência. Veja abaixo quais os tipos de lesão mais comuns:

Jim Kemper/Getty Images
O chute de Anderson Silva(Jim Kemper/Getty Images/VEJA)
TAGs:
Anderson Silva
UFC