Tarja - Brasil 2014

Futebol

Parreira critica falta de infraestrutura para a Copa

Parreira: obras precisavam estar prontas para a Copa e não em 2018, 2020...

Parreira: obras precisavam estar prontas para a Copa e não em 2018, 2020... (Buda Mendes/Getty Images)

Em entrevista à rádio CBN neste domingo, o coordenador técnico da seleção brasileira, Carlos Alberto Parreira, disse que as autoridades brasileiras perderam a chance de mostrar ao mundo nossa a capacidade de o país organizar um grande evento como a Copa do Mundo. “Vejo que vão licitar aeroporto como Galeão, Cumbica, em março, a três meses da copa. Isso é uma  brincadeira, fomos indicados para Copa faz sete anos, e vão licitar agora? É um grande descaso.”

Leia também:
Fifa prevê entrega do estádio de Curitiba até início de maio
Dilma, atrasada, diz na Fifa que estádio 'é o mais simples'
Em Zurique, Dilma e Blatter tentam mostrar paz e sintonia

Ultimato da Fifa e protesto ofuscam solenidade com Dilma
'Brasil vai passar vergonha', diz Rivaldo sobre o Mundial

Parreira falou ainda que além dos estádios a infraestrutura geral está muito aquém do que deveria. “Copa é estádio, mas o torcedor precisa de aeroporto, segurança, conforto, transporte. Outro dia disseram que muitas obras vão ficar de legado, como no Brasil central, em Cuiabá. Talvez para 2016, 2018 ou 2020. Mas para a Copa nada estará pronto.”

Sobre as manifestações como a que ocorreu neste sábado em São Paulo contra os gastos da Copa, Parreira falou que toda manifestação é legítima. “Há uma preocupação do cidadão com as coisas que afetam sua vida. Há muita coisa errada, a economia despencando, alto desemprego, falta assistência à saúde, déficit na educação, falta de segurança. O cidadão fica revoltado com isso, ele é relegado a segundo plano. Então toda manifestação é válida, desde que não seja violenta.”

O que ficou só na promessa para o Mundial

1 de 6

Estádios privados

O Estádio Nacional de Brasília: o custo se aproxima dos 2 bilhões de reais em verba pública

O ministro do Esporte do governo Lula prometia uma Copa totalmente privada, sem uso de dinheiro público nas arenas. Entre as doze sedes do Mundial, porém, só três (São Paulo, Curitiba e Porto Alegre) são empreendimentos particulares - e mesmo essas obras dependem de financiamento de bancos estatais e generosos incentivos públicos.

Acidentes nas obras dos novos estádios brasileiros

1 de 14

Arena da Amazônia

14 de dezembro de 2013: operário que trabalhava na cobertura caiu e morreu; outro sofreu infarto.

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados