Por: Silvio Nascimento - Atualizado em

  • Voltar ao início

  • Todas as imagens da galeria:


Na virada do mês, a Ford promete inundar as concessionárias com sua mais nova arma do segmento de utilitários esportivos compactos: o novo EcoSport. E é tudo novo mesmo no jipinho: design, conjunto de motor/câmbio/suspensão, itens de conforto interior, de segurança. A empresa mira não só seus clientes do antigo EcoSport, lançado em 2003, como os que querem um SUV de uso fundamentalmente urbano, mas que não se acovarde diante de estradas de terra, trilhas leves, caminhos de praia e até se arrisque a ultrapassar riachos. Não que as ruas brasileiras já não sejam um verdadeiro teste a qualquer veículo com o mínimo de caráter off road, mas o novo EcoSport suporta com bravura as vias esburacadas e de asfalto imperfeito e ainda contenta qualquer um que queira uma pequena dose de aventura nos fins de semana.

Leia também: As últimas notícias sobre automóveis, lançamentos e test drives

A aposta da empresa está na versão FreeStyle 1.6 16v, avaliada por cinco dias na cidade e arredores de São Paulo. O resultado foi a constatação de que o novo EcoSport é um veículo de fácil condução em uso urbano, muito bem equipado, confortável em linhas gerais e altamente tolerante a imperfeições em estradas de terra. A versão de entrada do modelo tem preço sugerido de 53.490 reais, enquanto a Freestyle custará 59.990 e a top de linha, Titanium 2.0, 70.190 reais. Segundo o departamento de marketing da Ford, o EcoSport é a alternativa a quem quer um SUV compacto nacional, com seguro mais barato, e pelo menos 20.000 reais abaixo do preço dos importados Hyundai ix35, Kia Sportage e Mitsubishi ASX. Deve sofrer forte concorrência do Renault Duster, também nacional, com preço a partir de 48.170 reais, segundo o fabricante.

Detalhes do novo Ford EcoSport
O novo EcoSport(Ivan Pacheco/VEJA)

Design - É a maior mudança do modelo. Deixou de ter as linhas quadradas dos últimos dez anos e agora segue tendência mundial dos SUVs - durante o test drive, várias pessoas perguntaram se era "nacional". Além de sair da linha de produção na Bahia, será montado também na China, na Índia e na Tailândia. Os faróis se estreitaram, trazem feixes de leds de iluminação diurna e acompanham o desenho de capô a para-lamas em parábola. Os faróis de neblina são "embutidos" e a grade dianteira tem desenho totalmente novo, em três partes. As linhas da dianteira integram de forma suave teto, coluna e capô. A lateral segue o estilo e a traseira dá a impressão de ser bem mais alta, por causa do vidro ligeiramente menor e a "máscara" escura por todo o perímetro da janela traseira - neste item, lembra muito o Land Rover Evoque. Olhando a lateral no todo, o conjunto é muito agradável, sem saliência ou reentrâncias que se destaquem, com o conjunto bem equilibrado, até sóbrio. O estepe fica na parte externa da tampa do porta-malas, que abre lateralmente - a maçaneta é disfarçada na lanterna direita. O novo EcoSport ficou mais "musculoso", mas também mais charmoso e bem mais aerodinâmico: os designers afirmam que tudo foi trabalhado para garantir um rodar mais suave e com menor ruído. A cor que projeta sua imagem internacionalmente é o Laranja Savana, mas pode vir em dois tons de prata, grafite, branco, preto, vermelho e azul

Motor - O FreeStyle avaliado vem com motor Sigma 1.6, 16 válvulas, que pode entregar potência máxima de 110 cavalos (a gasolina) ou 115 (a álcool). É em alumínio e mais leve que o anterior, Rocam de 8 válvulas. Tem funcionamento silencioso, não vibra demais, mesmo quando exigida a aceleração rápida em uso urbano, nem no uso de fora de estrada. Mostrou-se ligeiramente preguiçoso em retomadas mais lentas, pedindo troca de marcha para mostrar sua força. Segundo a Ford, tem velocidade máxima limitada eletronicamente em 180 km/hora, faz de 0 a 100 km/h em 12,5 segundos (gasolina) e 12,4 (álcool) e consumo médio urbano de 7 km/l (álcool) e 10,2 km/l (gasolina) e de 8,4 km/l (álcool) e 12,2km/l (gasolina) na estrada.

Câmbio - Manual de cinco velocidades. Engates precisos, macio, não dá sustos.. No uso mais esportivo as mudanças manuais podem ser mais interessantes, mas uma caixa automática seria perfeita num modelo como este, aumentando em muito o nível de conforto.

Detalhes do novo Ford EcoSport
Novo EcoSport: direção elétrica(Ivan Pacheco/VEJA)

Dirigibilidade - A direção tem tamanho acertado para o que se propõe. É justa, não exige esforço, os comandos de música e telefone estão do lado esquerdo, bem fácil de acessar. Fica mais firme em velocidades mais altas, de forma bem progressiva e confortável. A suspensão também é justa, sem ser dura demais, o conjunto todo é bem acertado. Bem confortável o assistente de partida em rampa, em que o freio fica acionado entre 2 e 3 segundos, tempo suficiente para tirar o pé do freio e acelerar sem que o carro volte para trás. O controle de estabilidade e de tração - este acionado o tempo todo - deu sempre a sensação de que o carro se segura bem nas curvas mais rápidas e em situação mais radical. Faltou tempo e oportunidade para exigir mais ainda do novo EcoSport, mas de maneira geral em nenhum momento deu qualquer susto.

Detalhes do novo Ford EcoSport
Painel com tela de LCD(Ivan Pacheco/VEJA)

Conforto - Em nada lembra os irmãos mais velhos de 2003. Tem bom acabamento, comandos bem posicionados, painel completo de boa visualização. A restrição fica para o indicador de barras de consumo instantâneo, bem no meio do quadro de instrumentos - poderia dar a indicação de outra maneira, talvez em números e não em barras. O ar-condicionado tem ruído dentro do normal, funciona bem, em todo o habitáculo. O sistema de conectividade também é de simples manuseio, fácil de sincronizar telefone e player de música. Tem vários porta-volumes, tomada USB, outras duas de 12 volts (na frente e no banco de trás), descansa-braço direito para o motorista (aqui detalhe estranho, pois quem poderia ficar com o braço apoiado o tempo todo, o passageiro, não dispõe do item), que pela lei não pode ficar com apenas uma das mãos ao volante. Falta também uma luz no porta-luvas e aquela alça no alto coluna: o passageiro que estava no test drive reclamou da sua falta, apesar de ter uma na porta, na altura do apoio de braço do lado direito. Porta-malas discreto, com capacidade para 362 litros. Tem computador de bordo completo, sistema Key Less para abertura de portas e partida sem chave, sensor de estacionamento com aviso sonoro e grafismo de distância no retrovisor, sensor de chuva e acendimento automático de faróis.

Segurança - O pacote é completo, com freios ABS, air bag duplo na frente, dois laterais e dois tipo "cortinas", apoios de cabeças em todos os bancos, controle de estabilidade e tração, com acionamento no painel digital. Na cidade e em percurso leve fora de estrada, sem passar por nenhuma situação mais extrema, o carro se mostrou ágil, firme, e deu muita segurança nas freadas e curvas.

TAGs:
Automobilismo
Carro
Ford