Mais Lidas

  1. Demitido por Ivete Sangalo, irmão hoje vende cosméticos

    Entretenimento

    Demitido por Ivete Sangalo, irmão hoje vende cosméticos

  2. Toffoli revoga prisão de Paulo Bernardo na Operação Custo Brasil

    Brasil

    Toffoli revoga prisão de Paulo Bernardo na Operação Custo Brasil

  3. Miss Brasil 2004 é encontrada morta em casa

    Brasil

    Miss Brasil 2004 é encontrada morta em casa

  4. Apartamento não tem foro, diz juiz que autorizou busca e apreensão contra Paulo Bernardo

    Brasil

    Apartamento não tem foro, diz juiz que autorizou busca e apreensão...

  5. Seleção olímpica é convocada para Rio-2016 com Prass, Douglas Costa e Neymar

    Esporte

    Seleção olímpica é convocada para Rio-2016 com Prass, Douglas Costa...

  6. Detran desanca Angélica por celular ao volante: 'Vai de Táxi'

    Entretenimento

    Detran desanca Angélica por celular ao volante: 'Vai de Táxi'

  7. Andréa de Nóbrega deixa Carlos Alberto e 'A Praça É Nossa'

    Entretenimento

    Andréa de Nóbrega deixa Carlos Alberto e 'A Praça É Nossa'

  8. Arroz-de-festa Geisy Arruda e outros famosos no Oscar do Pornô

    Entretenimento

    Arroz-de-festa Geisy Arruda e outros famosos no Oscar do Pornô

No topo do Maracanã, tecnologia de um time internacional

Nova cobertura do estádio tem engenharia alemã, materiais suíços e franceses e trabalho de brasileiros e ucranianos - e será mais segura, leve e confortável

- Atualizado em

  • Voltar ao início

  • Todas as imagens da galeria:


A empresa contratada pelo Consórcio Maracanã para instalar o topo conta com a tecnologia dos mesmos responsáveis pelas coberturas dos dois últimos palcos de finais de Copa do Mundo

Quando abrir as portas para seu primeiro evento-teste antes da Copa das Confederações, no sábado, o Maracanã será muito diferente do estádio que a torcida carioca se acostumou a frequentar durante seis décadas. E uma das transformações mais radicais e emblemáticas estará sobre as cabeças dos cerca de 28.000 convidados para a festa (o acesso será restrito aos operários e suas famílias). A nova cobertura do Maracanã é uma das partes mais complexas e avançadas de todo o projeto. Executada pela empresa brasileira Sepa, ela é resultado do trabalho de uma seleção internacional de profissionais. Com engenharia alemã, materiais franceses e suíços e instalação realizada por especialistas brasileiros e europeus, a cobertura deverá ser uma das grandes atrações do estádio remodelado para a Copa de 2014 e a Olimpíada de 2016. O engenheiro responsável pela construção, Nelson Fiedler, presidente da Sepa, coordenou o trabalho da equipe sob condições adversas. Por causa dos atrasos nas obras estruturais na arena, o prazo disponível para o trabalho no topo foi muito menor do que se previa. Quando chegou a hora de instalar a gigantesca cobertura, era verão no Rio, e o forte calor, junto com o tamanho e complexidade da empreitada, foram grandes desafios. O projeto foi concluído a tempo graças às próprias características da tecnologia escolhida para proteger o novo Maracanã. O tipo de cobertura selecionado para a obra é o que de mais avançado existe na engenharia de hoje. Mais leve, mais versátil e mais seguro, deve oferecer mais conforto ao público, tanto em relação à luminosidade dentro do estádio quando em relação à temperatura nas partidas disputadas no Rio. O processo de instalação é mostrado em um vídeo produzido pela Crane.tv, da Inglaterra.

A empresa contratada pelo Consórcio Maracanã para instalar o topo conta com a tecnologia dos mesmos responsáveis pelas coberturas dos dois últimos palcos de finais de Copa do Mundo - o Estádio Olímpico de Berlim, em 2006, e o Soccer City de Johannesburgo, em 2010. Uma joint venture com a empresa alemã Hightex deu à equipe de Fiedler, um especialista em estruturas tensionadas, o know how do trabalho em grandes estádios. Além do Maracanã, o engenheiro trabalha também em outros dois estádios da Copa: o Beira-Rio, em Porto Alegre, e a Arena das Dunas, em Natal. A nova cobertura do Maracanã é formada por 120 membranas de um material composto por teflon e fibra de vidro. Com uma extensão total de 47.000 metros quadrados, ela cobrirá 95% das cadeiras instaladas no Maracanã. A versão antiga da cobertura era de concreto e tinha menos da metade do comprimento. Cobria só quatro entre cada dez lugares do estádio. Há algumas semanas, a equipe de Fiedler apareceu numa imagem que assustou a Fifa: em meio à instalação da cobertura, um forte temporal provocou acúmulo de água sobre as membranas. Os operários, entre eles especialistas alemães e ucranianos, foram filmados tirando a água do teto munidos de baldes. Foi um imprevisto, e não uma falha de projeto: a membrana ainda não estava tensionada, ou seja, a cobertura ainda não tinha assumido sua forma final. Com a conclusão dos trabalhos, ela não só será capaz de proteger o estádio da chuva como também aproveitar a água que cair sobre o Maracanã. Um sistema de drenagem com sucção a vácuo vai alimentar dois reservatórios subterrâneos. A água recolhida na cobertura será filtrada e usada nos banheiros.

O engenheiro Nelson Fiedler e a cobertura do Maracanã: obra com tecnologia de ponta no Rio
O engenheiro Nelson Fiedler e a cobertura do Maracanã: obra com tecnologia de ponta no Rio(Divulgação/VEJA)

Leia também:

Maracanã receberá torneio sem nenhum teste de verdade

Maracanã deve reabrir com pelada entre Ronaldo e Bebeto

Em reunião esvaziada, Fifa diz confiar em Maracanã 100%

Como a Copa vai obrigar o país a enfrentar seus problemas

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga Veja Esporte no Twitter

TAGs:
Estádio do Maracanã
Estádios da Copa do Mundo de 2014
Copa do Mundo
Copa das Confederações
Crane.tv
Rio de Janeiro
Engenharia
Olimpíada