Tarja do Tema em Foco Neymar, o craque popstar

Futebol

Neymar ofusca Messi com gol de placa em partida no Peru

No último duelo entre os futuros colegas de Barça, cada um marcou dois gols

Neymar e Messi se cumprimentam antes da partida em Lima

Neymar e Messi se cumprimentam antes da partida em Lima (EFE)

No placar final, Lionel Messi levou a melhor. No número de gols marcados, deu empate: dois para cada astro. Mas Neymar brilhou ainda mais que o argentino: num amistoso beneficente realizado na noite de terça-feira, em Lima, no Peru, o camisa 10 da seleção brasileira, Bola de Ouro da Copa das Confederações, marcou um gol antológico, chutando de cerca de 40 metros, pouco à frente do círculo central. Cerca de 30.000 pessoas presenciaram o lance extraordinário do jovem craque. Foi o último duelo entre Messi e Neymar antes da transformação dos rivais em colegas de time: a partir de 2 de agosto, quando o brasileiro estreia pelo Barcelona em amistoso contra o Santos, no Camp Nou, os dois passarão a ser companheiros de time.

Leia também:
Neymar pode estrear no Barcelona contra o Santos, em agosto
Neymar: antes de operar a garganta, o grito de campeão no Rio

O amistoso organizado por Messi acabou com a vitória do time liderado pelo argentino, que marcou 8 a 5 numa equipe de estrelas do resto do mundo. Neymar foi o grande destaque do time, apesar de ter desperdiçado um pênalti. O time do argentino, treinado pelo italiano Fabio Capello, começou contando com os serviços do brasileiro Daniel Alves, mas o lateral da seleção depois passou para o time rival (e participou do lance do gol por cobertura de Neymar). Os argentinos Aimar e Lavezzi, o francês Eric Abidal e os uruguaios Fernando Muslera e Diego Lugano também jogaram no time de Messi (Muslera foi a vítima de Neymar no golaço). No primeiro tempo, o astro brasileiro teve uma atuação discreta, mas brilhou na segunda metade da partida, num time dirigido por Zico e ao lado de craques como Cannavaro e o goleiro Júlio César.

O que Neymar deveria copiar de Messi

1 de 6

Não caia tanto

Se dependesse da força física, Messi jamais teria chegado ao patamar de melhor jogador do mundo. O argentino, aliás, era ainda mais frágil que Neymar - teve até que passar por um tratamento médico para estimular o crescimento. Hoje, tem uma boa resistência aos trancos dos zagueiros. Antes mesmo de qualquer tipo de preparação especial, porém, Messi já tinha uma característica especial: sempre tentar ficar de pé, mesmo nas entradas mais duras dos adversários. Por não perder tempo cavando faltas e tentando simular golpes dos defensores, ele consegue concluir mais jogadas - e fazer mais gols.

(Com agência France-Presse)

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados