Mais Lidas

  1. Para Lula, eleição de Dilma foi seu erro mais grave, revela novo áudio

    Brasil

    Para Lula, eleição de Dilma foi seu erro mais grave, revela novo áudio

  2. Veja fotos da casa onde adolescente foi estuprada no Rio

    Brasil

    Veja fotos da casa onde adolescente foi estuprada no Rio

  3. Comercial chinês de sabão é acusado de ser o mais racista da história

    Mundo

    Comercial chinês de sabão é acusado de ser o mais racista da história

  4. Paixão, obsessão e morte

    Entretenimento

    Paixão, obsessão e morte

  5. Alvo de investigação, sobrinho de Lula é processado por calotes em série

    Brasil

    Alvo de investigação, sobrinho de Lula é processado por calotes em...

  6. A selvageria continua: bandidos fazem ofensiva para difamar vítima de estupro coletivo

    Brasil

    A selvageria continua: bandidos fazem ofensiva para difamar vítima...

  7. Luana Piovani tem nude disparado pelo marido

    Entretenimento

    Luana Piovani tem nude disparado pelo marido

  8. Marido toma gosto e posta nova foto sensual de Luana Piovani

    Entretenimento

    Marido toma gosto e posta nova foto sensual de Luana Piovani

Proibida a demolição do Parque Aquático Júlio Delamare

Liminar concedida ao Ministério Público impede trabalhos que teriam início nesta quarta no complexo do Maracanã para Copa do Mundo e Olimpíada

- Atualizado em

Parque Aquático Júlio Delamare
Parque Aquático Julio de Lamare(Divulgação/VEJA)

O Ministério Público do Rio de Janeiro obteve uma liminar que proíbe a demolição do Parque Aquático Júlio Delamare, no complexo do Maracanã. Os trabalhos estavam marcados para ter início nesta quarta-feira, e a 8ª Promotoria de Justiça de Defesa da Cidadania da Capital entrou com o pedido de suspensão no Plantão Judiciário Noturno, ainda nesta madrugada, para garantir que nada fosse feito.

"Para a Justiça, a demolição causaria prejuízo ao patrimônio público, pois o estado estaria assumindo custos que deveriam ser suportados pelo concessionário escolhido na licitação", explica o MP em nota. O prazo para desocupação do Júlio Delamare ia até o dia 10 de maio, mas algumas obras já teriam sido iniciadas na terça-feira.

Leia: Grupo de Eike faz maior oferta pelo Maracanã: R$ 181,5 mi

No último dia 10, a Justiça do Rio chegou a suspender liminarmente o processo de licitação que ocorreria no dia seguinte, mas a decisão foi derrubada poucas horas depois, a partir de um recurso do governo. A promotoria aponta diversas irregularidades para a concessão do complexo esportivo - como o fato de a empresa IMX, de Eike Batista, ter tido informações privilegiadas para a licitação, uma vez que foi a responsável pelo estudo de viabilidade técnica do Maracanã.

O MP também quer saber por que o governo do estado está gastando em itens não pedidos para a Copa do Mundo de 2014 e ignorando adaptações exigidas para a Olimpíada de 2016. As plantas não previam, por exemplo, a demolição do Júlio Delamare, que está fechado desde o dia 1º de abril para a reforma do Maracanã. O parque aquático passou por uma reforma para os Jogos Panamericanos de 2007, quando sediou as competições de polo aquático.

Leia também:

Manifestantes cercam sede do governo para protestar contra licitação do Maracanã

Justiça suspende licitação para administração do Maracanã

Maracanã: dois consórcios participam da licitação

Maracanã privatizado para a Copa: pontos mais polêmicos

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook

Siga VEJA Esporte no Twitter

TAGs:
Estádios da Copa do Mundo de 2014
Copa do Mundo
Copa das Confederações
Ministério Público
Rio de Janeiro
Olimpíada