Tarja do Tema em Foco Corrupção na Fifa

Futebol

Fifa confirma culpa de Teixeira e Havelange, que renuncia

Relatório da entidade sobre escândalo de corrupção diz que ambos pegaram milhões em pagamentos por baixo do pano. Mas os dois devem ficar impunes

  • João Havelange, presidente da FIFA em 1999

    Nuno Correia/Getty

  • Ricardo Teixeira (à frente), presidente da CBF e João Havelange, presidente da FIFA em 2005

    Ana Carolina Fernandes/Folhapress

  • João Havelange autografa sua biografia em lançamento no Rio de Janeiro

    Antonio Scorza/AFP

  • João Havelange, presidente da FIFA em 1998

    Gabriel Bouys/AFP

  • João Havelange (esq.) e Teixeira (dir.) no sorteio preliminar da Copa-2014 com Blatter, Dilma e Pelé, no Rio

    Nelson Almeida/AFP

  • João Havelange, presidente de honra da Fifa, em seu escritório, no Rio de Janeiro, em 2007

    Fernando Lemos

  • João Havelange ao deixar a presidência da Fifa, em congresso da entidade, na França, em 1998; ao seu lado, Joseph Blatter, que era secretário-geral em sua gestão

    Ricardo Corrêa

  • João Havelange, presidente da Fifa, em 1978

    Carlos Namba

  • João Havelange, presidente da Fifa, em 1979

    Carlos Namba

  • João Havelange entre os dirigentes Michel Platini, Joseph Blatter e Lennart Johansson, na Copa da França, em 1998

    Ricardo Corrêa

  • João Havelange, João Saldanha e Antônio do Passo durante treino da seleção brasileira, em 1969

    Carlos Namba

  • João Havelange na Copa do Mundo de 1982

    Ricardo Chaves

  • João Havelange, Pelé e Ricardo Teixeira, em 2001

    Eraldo Peres/Photo Agência

  • João Havelange no último ano de seu mandato na Fifa, 1998

    Oscar Cabral

  • João Havelange na entrada da sede da CBD, no Rio de Janeiro

    Chico Nelson

  • João Havelange, na presidência da CBD, com cão de estimação

    Chico Nelson

  • Pelé, João Havelange, Luiz Inácio Lula da Silva e Paulo Coelho comemoram a escolha do Rio para sediar os Jogos Olímpicos de 2016

    Ricardo Stuckert/Presidência da República

  • João Havelange em 1980, quando era presidente da Fifa

    Carlos Namba

  • João Havelange com Ronaldo, no sorteio dos grupos das Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2014, no Rio de Janeiro

    Reginaldo Teixeira

Foto 0 / 19

Ampliar Fotos
Curiosamente, Blatter havia prometido o relatório para no máximo 15 de abril. Como as renúncias de Havelange e Leoz ocorreram dias depois desse prazo, já há especulações de que os veteranos cartolas teriam sido incentivados a deixar seus cargos

O cartola que transformou o futebol e a Fifa não tem mais vínculos com a entidade - acusado de corrupção, João Havelange renunciou ao cargo de presidente de honra da federação. O anúncio foi feito pela Fifa na manhã desta terça-feira, através da divulgação das conclusões de um relatório de autoria de Hans-Joachim Eckert, chefe do comitê de ética da Fifa. A renúncia já havia ocorrido - Havelange, diz o documento, entregou uma carta anunciando sua saída há duas semanas, em 18 de abril. O brasileiro, no entanto, não tinha divulgado publicamente a decisão. Conforme o relatório, tanto Havelange como Ricardo Teixeira, ex-presidente da CBF e ex-protegido do cartola, receberam propinas milionárias num esquema de corrupção nos contratos de marketing da Fifa com a extinta empresa ISL. Ambos, no entanto, deverão permanecer impunes - o texto lembra que tanto Havelange como Teixeira já entregaram todos os seus cargos e suspenderam todas as suas atividades no futebol.

Leia também:
Após escândalo, Blatter quer Havelange longe da Fifa
Jack Warner admite suborno para apoiar Blatter em 1998
Blatter diz que sabia de escândalo, mas não podia agir
Acusado de corrupção, Havelange deixa o cargo no COI


Até recentemente, Teixeira recebia salário da CBF para ser "consultor" da entidade e do Comitê Organizador Local (COL) da Copa de 2014. A renúncia de Havelange à presidência de honra da Fifa faz com que a entidade encerre o caso sem punir a má conduta do cartola. A ISL, que quebrou em 2001, subornou vários integrantes da Fifa para conseguir vantagem na disputa pelas transmissões de TV nos Mundiais. As propinas pagas a Havelange e Teixeira, por exemplo, teriam garantido a vitória da empresa na briga para pelos direitos televisivos das Copas de 2002 e 2006. O documento, encomendado por Joseph Blatter, diz que o atual presidente da Fifa, que era secretário-geral da entidade, não cometeu nenhum desvio de conduta. Teixeira era membro do comitê executivo da Fifa na época em que as negociações ocorreram. A denúncia que desencadeou todo o processo é de autoria da rede britânica BBC, que revelou que os brasileiros receberam o equivalente a nada menos que 45 milhões de reais em pagamentos por baixo do pano. Ambos negam envolvimento no caso de corrupção.

Acompanhe VEJA Esporte no Facebook
Siga VEJA Esporte no Twitter


Outro dirigente citado no relatório de Eckert é o paraguaio Nicolás Leoz. Ele também é acusado de receber propina para beneficiar a ISL - e, assim como Havelange, renunciou ao seu cargo na Fifa antes que o documento fosse divulgado, de forma a escapar de punições. Leoz, que teria obtido cerca de 700.000 dólares da ISL, entregou sua vaga no comitê executivo da Fifa também neste mês, assim como Havelange. Curiosamente, Blatter havia prometido o relatório para no máximo 15 de abril. Como as renúncias de Havelange e Leoz ocorreram dias depois desse prazo, já há especulações de que os veteranos cartolas teriam sido avisados previamente das conclusões da investigação, abrindo caminho para que deixassem seus cargos e evitassem qualquer punição na Fifa. Ou seja: com o relatório pronto, a Fifa teria sugerido que ambos se retirassem por conta própria, evitando a necessidade de continuar com o processo (e, por consequência, seguir tratando do assunto bem em meio aos preparativos para a Copa das Confederações e a Copa do Mundo).

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados