Tarja - Brasil 2014

Futebol

Felipão não pede demissão e desconversa sobre futuro

Após derrota por 3 a 0 para a Holanda, técnico elogiou o desempenho do time

Giancarlo Lepiani, de Brasília
  • Os holandeses Kuyt e Robben exibem a medalha de bronze após vencerem o Brasil no Mané Garrincha, em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

  • Os holandeses Kuyt e Robben exibem a medalha de bronze após vencerem o Brasil no Mané Garrincha, em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

  • Jogadores da Holanda posam com a medalha de bronze após vencerem o Brasil no Mané Garrincha, em Brasília

    Antonio Milena

  • Jogadores do Brasil no banco de reservas no jogo contra a Holanda no Mané Garrincha, em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

  • Neymar durante o jogo contra a Holanda no Mané Garrincha, em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

  • Jogadores da Holanda agradecem torcida no jogo contra o Brasil no Mané Garrincha, em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

  • Torcedora chora durante o jogo entre Brasil e Holanda no Mané Garrincha, em Brasília

    Antonio Milena

  • Torcedores seguram uma camisa da seleção brasileira com a palavra 'Luto", após o jogo contra a Holanda no Mané Garrincha, em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

  • Torcedores do Brasil durante o jogo contra a Holanda no Mané Garrincha, em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

  • Neymar durante o jogo contra a Holanda no Mané Garrincha, em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

  • Ramires chuta a bola no jogo contra a Holanda no Mané Garrincha, em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

  • O holandês Jonathan de Guzmán cabeceia a bola no jogo contra o Brasil, no Mané Garrincha em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

  • Oscar durante o jogo contra a Holanda no Mané Garrinchal, em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

  • O técnico Luiz Felipe Scolari passa orientações para Hulk durante o jogo contra a Holanda, no Mané Garrincha em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

  • Jogador da Holanda dá um carrinho em Paulinho no Mané Garrincha, em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

  • O técnico Luiz Felipe Scolari gesticula no jogo contra a Holanda no Mané Garrincha, em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

  • Fernandinho disputa a bola com o holandês Robben no Mané Garrincha, em Brasília

    Antonio Milena

  • Maicon disputa a bola com o holandês Robben no Mané Garrincha, em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

  • Torcedora do Brasil durante o jogo contra a Holanda no Mané Garrincha, em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

  • Neymar conversa com Daniel Alves no jogo contra a Holanda no Mané Garrincha, em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

  • Fernandinho faz falta no jogador da Holanda no Mané Garrincha, em Brasília

    Antonio Milena

  • Jogadores da Holanda comemoram o segundo gol contra o Brasil, no Mané Garrincha em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

  • Paulinho tenta marcar gol de cabeça em lance de escanteio no jogo contra a Holanda, no Mané Garrincha em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

  • O técnico Luiz Felipe Scolari reage ao gol da Holanda contra o Brasil, no Mané Garrincha em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

  • Lance no jogo entre Brasil e Holanda no Mané Garrincha, em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

  • Ramires sofre falta no jogo contra a Holanda no Mané Garrincha, em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

  • Jogadores do Brasil no banco de reservas no jogo contra a Holanda no Mané Garrincha, em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

  • Jogadores do Brasil no banco de reservas no jogo contra a Holanda no Mané Garrincha, em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

  • O holandês Kuyt cabeceia a bola no jogo contra o Brasil no Mané Garrincha, em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

  • O holandês Robin van Persie comemora gol contra o Brasil no Mané Garrincha, em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

  • Jogadores da Holanda comemoram gol contra o Brasil no Mané Garrincha, em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

  • Júlio César pula mas não defende o pênalti chutavo pelo holandês Van Persie, no Mané Garrincha em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

  • Luiz Gustavo disputa a bola com jogador da Holanda no Mané Garrincha, em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

  • Neymar é visto no Mané Garrincha antes do jogo contra a Holanda, em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

  • Neymar é visto no Mané Garrincha antes do jogo contra a Holanda, em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

Foto 0 / 35

Ampliar Fotos

Nem mesmo a segunda derrota consecutiva na Copa do Mundo, o que não ocorria com a seleção brasileira havia quarenta anos, foi o bastante para fazer Luiz Felipe Scolari descartar sua permanência no comando da equipe. Depois do revés para a Holanda, 3 a 0, neste sábado, no Estádio Nacional Mané Garrincha, Felipão driblou as perguntas dos jornalistas que tentavam descobrir quais são seus planos. “Isso eu não quero discutir com vocês”, afirmou, secamente. O treinador voltou a dizer que entrega o cargo ao presidente da CBF, José Maria Marin, para que ele escolha o que fazer daqui em diante. “Quem deve decidir é o presidente. Como nós já tínhamos combinado antes, no final da competição eu entregaria o cargo, ganhando ou perdendo, qualquer que fosse o resultado. Agora ele terá a capacidade de fazer uma análise do que é melhor fazer.”

Leia também:
Uma triste despedida: Brasil perde outra e amarga 4º lugar
Entre o deboche e o desânimo, torcida espera fim honroso
Entre técnicos das semis, Felipão é o mais próximo de ficar

Felipão fez uma avaliação positiva da atuação brasileira neste sábado, dizendo que o placar não representa bem o que foi a partida. “Não vejo como criticar a equipe, que teve desenvoltura, tomou um gol logo de cara, acho que foi prejudicada por erros de arbitragem. Mas ainda assim eles foram atrás, tiveram boas oportunidades, não fizeram um jogo ruim o suficiente para perder por 3 a 0. Não fomos mal, na minha opinião, e acho que os jogadores merecem ser reconhecidos pelo que fizeram.” Scolari disse ainda que acredita que não há motivo para que seus jogadores fiquem marcados pela campanha decepcionante na Copa. “Nós, no final da competição, não fomos bem, mas conseguimos uma classificação entre os quatro melhores e não podemos deixar de elogiá-los.” O técnico reconheceu, porém, que o time conseguiu apenas “bons momentos dentro dos jogos”, e não grandes atuações completas.

Leia também:
Ainda abalada, a seleção volta a campo em busca da honra
Na despedida, a chance de acertar as contas com a Holanda
No mapa alemão até o Rio, pistas para reconstruir o Brasil

  • Torcedor brasileiro aguarda o início do jogo contra a Holanda no Mané Garrincha, em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

  • Menino aguarda o início do jogo entre Brasil e Holanda no Mané Garrincha, em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

  • Menina aguarda o início do jogo entre Brasil e Holanda no Mané Garrincha, em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

  • Torcedor do Brasil mostra cartaz antes do jogo contra a Holanda no Mané Garrincha, em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

  • Torcedores chegam no Mané Garrincha para o jogo entre Brasil e Holanda, em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

  • Torcedores chegam no Mané Garrincha para o jogo entre Brasil e Holanda, em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

  • Torcedores chegam no Mané Garrincha para o jogo entre Brasil e Holanda, em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

  • Torcedora do Brasil chega no Mané Garrincha para o jogo contra a Holanda, em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

  • Torcedores chegam no Mané Garrincha para o jogo entre Brasil e Holanda, em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

  • Torcedores chegam no Mané Garrincha para o jogo entre Brasil e Holanda, em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

  • Torcedores chegam no Mané Garrincha para o jogo entre Brasil e Holanda, em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

  • Torcedora do Brasil chega no Mané Garrincha para o jogo contra a Holanda, em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

  • Torcedores chegam no Mané Garrincha para o jogo entre Brasil e Holanda, em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

  • Torcedores da Holanda chegam no Mané Garrincha para o jogo contra o Brasil, em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

  • Torcedoras pintam a bandeira do Brasil no rosto antes do jogo contra a Holanda no Mané Garrincha, em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

  • Torcedores chegam no Mané Garrincha para o jogo entre Brasil e Holanda, em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

  • Torcedora do Brasil aguarda o início do jogo contra a Holanda no Mané Garrincha, em Brasília

    Ivan Pacheco/VEJA.com

Foto 0 / 17

Ampliar Fotos

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados