Mais Lidas

  1. Janaina Paschoal: rotina de isolamento pós-impeachment

    Brasil

    Janaina Paschoal: rotina de isolamento pós-impeachment

  2. Em gravação, ministro da Transparência faz crítica à Lava Jato e dá conselho a Renan

    Brasil

    Em gravação, ministro da Transparência faz crítica à Lava Jato e dá...

  3. Família de jovem vítima de estupro coletivo no Rio dispensa advogada

    Brasil

    Família de jovem vítima de estupro coletivo no Rio dispensa advogada

  4. "Quando encontrar meu corpo, avise meu marido e minha filha"

    Mundo

    "Quando encontrar meu corpo, avise meu marido e minha filha"

  5. Sonia Abrão abandona programa após ouvir choro

    Entretenimento

    Sonia Abrão abandona programa após ouvir choro

  6. Ana Hickmann S/A: um sucesso construído a dois

    Entretenimento

    Ana Hickmann S/A: um sucesso construído a dois

  7. Gorila é morto após menino cair em jaula de zoológico nos EUA

    Mundo

    Gorila é morto após menino cair em jaula de zoológico nos EUA

  8. Vítima de estupro coletivo no Rio critica delegado: 'Tentaram me incriminar'

    Brasil

    Vítima de estupro coletivo no Rio critica delegado: 'Tentaram me...

Entre os 'vira-casacas' de Real x Barça, dois brasileiros

Ronaldo e Evaristo defenderam as duas equipes. Mas quem sofreu foi Figo...

- Atualizado em

Ronaldo jogando pelo Barcelona (à esq.) e, depois de uma passagem pela Itália, vestindo a camisa do Real Madrid
O artilheiro Ronaldo jogando pelo Barcelona (à esq.) e, depois de uma passagem pela Itália, vestindo a camisa do Real Madrid: o Fenômeno costuma dizer que sua passagem pelo clube merengue foi mais marcante, apesar de ter vivido melhor momento no Barça(Shaun Botterill e Denis Doyle/Getty Images Sport/VEJA)

Poucos jogadores foram tão mal recebidos em Barcelona quanto Figo - sempre que entrava no Camp Nou, o português era alvo de vaias, xingamentos, sapatos, pilhas, bolas de golfe... E teve até uma cabeça de porco, num clássico em 2002

A maioria dos jogadores de futebol cresce sonhando com uma oportunidade de atuar na Europa. Na Espanha, os clubes mais desejados são o Barcelona e o Real Madrid. Privilégio mesmo, no entanto, é conseguir jogar nas duas equipes. E melhor ainda é conseguir disputar o superclássico nos dois lados, defendendo tanto os merengues quanto os azulgrana (isso, é claro, quando não se está na pele dos craques detestados por uma das duas torcidas, depois de virar a casaca e pular de um clube para o outro).

Leia também:

Leia também: Está em Madri? Então saiba como arrumar ingresso para o superclássico

O caso mais emblemático de troca de camisa por um grande craque já completou meio século. Em 1953, o argentino Alfredo di Stéfano era disputado por Barça e Real - ambos diziam ter contratado o jogador. No meio da confusão, por decisão da Fifa, uma saída inusitada: Di Stéfano jogaria de forma alternada entre os clubes, passando uma temporada em cada equipe. Depois de começar no Barcelona, o argentino foi liberado para defender o Real em definitivo. Fez história no clube, que defendeu por mais de dez anos.

Entre os brasileiros, o primeiro a ser a acusado de "traição" foi Evaristo de Macedo. O ex-jogador atuou primeiro no Barcelona, onde é ídolo até hoje. Em 1961, Evaristo anotou um gol para os catalães numa vitória sobre o maior rival, na Liga dos Campeões. No ano seguinte, Evaristo assinou com o Real, onde jogou até meados de 1965. Outro brasileiro que atuou nos dois clubes é Ronaldo. O maior artilheiro das Copas do Mundo vestiu a camisa do Barcelona entre 1996 e 1997. Voltou à Espanha em 2002, para jogar em Madri.

Leia também:

Leia também: Real Madrid e Barcelona disputam muito mais que um jogo

Leia também:

Leia também: Real Madrid e Barcelona farão 4 superclássicos em 18 dias

TAGs:
Ronaldo