Mais Lidas

  1. Lula sempre ganhou mensalinho da OAS, diz empreiteiro

    Brasil

    Lula sempre ganhou mensalinho da OAS, diz empreiteiro

  2. Temer monta seu governo: “Quero entrar para a história”

    Brasil

    Temer monta seu governo: “Quero entrar para a história”

  3. A miss-bumbum e o clima de fim da festa no Planalto

    Brasil

    A miss-bumbum e o clima de fim da festa no Planalto

  4. Janot pede ao STF que proíba PF de negociar delações

    Brasil

    Janot pede ao STF que proíba PF de negociar delações

  5. Senadora governista tenta paralisar comissão do impeachment

    Brasil

    Senadora governista tenta paralisar comissão do impeachment

  6. Temer tenta cancelar recesso e acelerar impeachment

    Brasil

    Temer tenta cancelar recesso e acelerar impeachment

  7. Leicester City: um pequeno grande time

    Esporte

    Leicester City: um pequeno grande time

  8. Denúncia contra Dilma não deve ser ampliada, diz Lira

    Brasil

    Denúncia contra Dilma não deve ser ampliada, diz Lira

Em jogo fraco, Messi vence amistoso Brasil x Argentina

Seleção saiu jogando com Neymar, Robinho e Ronaldinho. Argentina não se assustou

- Atualizado em

De nada adiantou o técnico Mano Menezes tentar pressionar a Argentina e sair jogando com três atacantes com a qualidade de Neymar, Robinho e Ronaldinho Gaúcho. A Argentina teve apenas com o talento e coragem de Messi, autor do único gol da partida, pouco depois dos 46 minutos do segundo tempo. Numa bola ganha no meio de campo, ele recebeu o passe, pela direita, driblou os zagueiros brasileiros e chutou cruzado com o pé esquerdo, uma de suas jogadas preferidas. O jogo foi fraco, os três atacantes "natos" do Brasil não foram eficientes. O jovem Neymar caiu várias vezes (e só uma vez a falta foi marcada), Robinho deu dois chutes para fora e nenhum drible, e Ronaldinho Gaúcho bateu três faltas sem perigo. Em uma jogada, pegou uma sobra dentro da área e tocou de calcanhar quando poderia tentar virar e chutar. Difícil dizer quem foi pior. A jogada de ataque mais eficiente e mais bonita da partida, até o gol argentino, foi o passe da entrada da área que o zagueiro David Luiz tocou para o lateral Daniel Alves, que chutou forte e acertou a bola no travessão, aos 11 minutos do primeiro tempo. Apesar da derrota, foi um bom teste para a seleção, que teve pela frente, apesar de desfalcada, uma equipe guerreira, forte, que marcou firme e não teve medo de arriscar jogadas. Em nenhum momento o suposto brilho dos atacantes brasileiros foi maior que a determinação argentina. Nada do futebol previsível de Estados Unidos, Irã ou Ucrânia, os três amistosos anteriores vencidos com facilidade pelos brasileiros. O resultado não interessa - disseram os dois treinadores durante a semana -, e o que vale mesmo é o andamento do trabalho de renovação das duas equipes. No qual a Argentina sai na frente, porque afinal a medição deste trabalho é o resultado dos jogos. Brasil: Victor, Daniel Alves, Thiago Silva, David Luiz e André Santos; Lucas, Ramires (Jucilei) e Elias; Robinho, Neymar (André) e Ronaldinho (Douglas). Técnico: Mano Menezes Argentina: Romero, Zanetti, Burdisso, Pareja, Heinze; Mascherano, Pastore (D'Alessandro), Banega; Messi, Di Maria, Higuain (Lavezzi). Técnico: Sergio Batista Árbitros: Abdala Balideh; auxiliares Mohammad Dharman e Hassan Thawad Local: Khalifa International Stadium - Doha Cartão amarelo: Mascherano Gol: Messi, 46 minutos do segundo tempo