Mais Lidas

  1. Áudio: novo presidente da Câmara 'assessorou' quadrilha de doleiro

    Brasil

    Áudio: novo presidente da Câmara 'assessorou' quadrilha de doleiro

  2. Edinho quer tirar de Teori pedido de inquérito sobre caixa dois

    Brasil

    Edinho quer tirar de Teori pedido de inquérito sobre caixa dois

  3. Comissão do impeachment aprova parecer e abre caminho para afastamento de Dilma

    Brasil

    Comissão do impeachment aprova parecer e abre caminho para...

  4. Procuradoria denuncia Fernando Pimentel ao STJ

    Brasil

    Procuradoria denuncia Fernando Pimentel ao STJ

  5. MP denuncia Ronan Maria Pinto e Gim Argello na Lava Jato

    Brasil

    MP denuncia Ronan Maria Pinto e Gim Argello na Lava Jato

  6. Governo propõe tributar heranças em até 25%

    Economia

    Governo propõe tributar heranças em até 25%

  7. As chances de judicialização do impeachment

    Brasil

    As chances de judicialização do impeachment

  8. Dirigente da oposição é assassinado na Venezuela

    Mundo

    Dirigente da oposição é assassinado na Venezuela

Arena do Grêmio evidencia a importância de eventos-teste

É uma lição para os outros novos estádios brasileiros: tudo pode estar pronto para um jogo, mas só a presença do público é capaz de revelar os problemas

Por: Giancarlo Lepiani, com fotos de Ivan Pacheco, de Porto Alegre - Atualizado em

  • Voltar ao início

  • Todas as imagens da galeria:


Com a experiência acumulada em dezenas de grandes competições, a Fifa sabe bem quantos imprevistos podem aparecer num estádio novo. Por melhor que seja seu projeto, só a frequência de público é capaz de revelar suas deficiências e apontar possíveis correções

Desde que as obras nos estádios brasileiros para a Copa do Mundo de 2014 foram aceleradas e começaram a se aproximar da conclusão, a Fifa mudou o foco na hora de tratar com os cartolas e autoridades do país. Se antes cobrava pressa na reforma e construção das arenas, agora o mantra da entidade é outro: estádio entregue não é estádio pronto para o evento. Com nada menos que catorze grandes estádios em obras - os doze das cidades-sede da Copa mais a Arena Palmeiras e o Morumbi, em São Paulo -, o Brasil vem sendo alertado sobre o abismo que separa a entrega das instalações e sua operação em ritmo normal, com tudo funcionando à perfeição e torcedores plenamente satisfeitos. Nas últimas semanas, desde que a Fifa decidiu confirmar as seis sedes propostas pelo Brasil para a Copa das Confederações do ano que vem, os dirigentes têm destacado que não adianta deixar os estádios prontos em junho, quando acontece o torneio. É preciso entregá-los pelo menos dois meses antes, período em que a Fifa colocará à prova todos os detalhes e particularidades de cada palco do Mundial. A nova Arena do Grêmio não está entre as doze escolhidas para 2014. Sua inauguração, porém, foi uma prova clara de que a entidade não está exagerando quando afirma que é necessário testar um estádio antes de colocá-lo para funcionar. A próxima arena da "geração 2014" a abrir as portas é o Castelão, em Fortaleza, na semana que vem. Ao contrário da festa gremista, não haverá bola rolando no primeiro evento do estádio cearense do Mundial - um show do cantor Fagner será usado para inaugurar o local.

Leia também:

Nova Arena do Grêmio está pronta para 2014 - e fora da Copa do Mundo

Com festa e fanatismo, novo caldeirão gremista ferve já na primeira noite

Pela manhã, nova arena recebia últimos retoques e peregrinação da torcida

Com a experiência acumulada em dezenas de grandes competições, a Fifa sabe bem quantos imprevistos podem aparecer num estádio novo. Por melhor que seja seu projeto - como é o caso da arena de Porto Alegre, belíssima e extremamente bem planejada -, só a frequência de público é capaz de revelar suas deficiências e apontar possíveis correções. A inauguração da nova casa gremista, na noite de sábado, no bairro Humaitá, serviu justamente para isso. Além da festa do fanático torcedor gremista - e ela foi enorme -, houve o aprendizado, através do enfrentamento de situações inesperadas e do teste do poder de reação dos organizadores da festa. No caso do novo estádio da capital gaúcha, a avaliação é de que faltam correções em diversos pontos na trajetória do torcedor do momento em que se aproxima do estádio até a hora em que está sentado na sua cadeira para acompanhar o jogo. A experiência vivida durante a partida já é plenamente satisfatória. Faltam melhorias no acesso à arena, erguida numa região pouco desenvolvida de Porto Alegre, e portanto carente de infraestrutura viária capaz de suportar a demanda. Faltam também correções no atendimento ao torcedor, desde os banheiros - que ainda não operam em sua capacidade máxima e foram insuficientes no sábado - até as opções de consumo e alimentação, que não estão em pleno funcionamento. Apesar dos percalços, o torcedor já gostou de sua primeira noite na casa nova. A partir de agora, através de novos testes e melhorias, suas idas ao estádio deverão ficar melhores a cada visita.

Leia também:

Maracanã: está na hora de decidir os próximos 35 anos do gigante do Rio

Itaquerão: com parceria, o governo paulista evita gastar com arquibancada

Mineirão: 'É bom ver um estádio quase pronto', afirmou Valcke em Minas

Arena Pernambuco: um teste de fogo do Brasil na Copa das Confederações

Beira-Rio: secretário da Fifa agora elogia até a obra que começou depois

Brasília: o PT quer que o elefante branco da capital federal seja… vermelho

TAGs:
Arena do Grêmio
Grêmio
Estádios da Copa do Mundo de 2014
Copa do Mundo
Fifa
Copa das Confederações
Porto Alegre