Mais Lidas

  1. Morte no Everest: 'Você se importa se eu continuar?'

    Mundo

    Morte no Everest: 'Você se importa se eu continuar?'

  2. Janaina Paschoal: rotina de isolamento pós-impeachment

    Brasil

    Janaina Paschoal: rotina de isolamento pós-impeachment

  3. Bumlai diz que fez empréstimo fraudulento para PT por medo de invasão de terras

    Brasil

    Bumlai diz que fez empréstimo fraudulento para PT por medo de...

  4. Sônia Abrão pede desculpas por sair correndo do programa

    Entretenimento

    Sônia Abrão pede desculpas por sair correndo do programa

  5. Japão: Pais abandonam filho na floresta para castigá-lo e criança desaparece

    Mundo

    Japão: Pais abandonam filho na floresta para castigá-lo e criança...

  6. Lewandowski interferiu em processo para ajudar o PT e a presidente Dilma

    Brasil

    Lewandowski interferiu em processo para ajudar o PT e a presidente...

  7. Estupro de jovem de 16 anos no Rio "está provado", diz delegada

    Brasil

    Estupro de jovem de 16 anos no Rio "está provado", diz delegada

  8. Ministério Público aponta R$ 2,5 bilhões em fraudes no Bolsa Família

    Economia

    Ministério Público aponta R$ 2,5 bilhões em fraudes no Bolsa Família

Ao proibir as organizadas, federação só joga para a torcida

Medida pode ser derrubada facilmente - e, ainda que resista, não será capaz de resolver o problema da selvageria dos torcedores. Saiba o que deveria ser feito

- Atualizado em

Tumulto na arquibancada: a polícia em confronto com a torcida do Corinthians no clássico de domingo, contra o Palmeiras, no Estádio do Pacaembu
Tumulto na arquibancada: a polícia em confronto com a torcida do Corinthians no clássico de domingo, contra o Palmeiras, no Estádio do Pacaembu(Paulo Pinto/Folhapress/VEJA)

Além de melhorar a inteligência das forças de segurança e de proteger os pontos onde os torcedores podem se encontrar, as autoridades do estado precisam abandonar os paliativos e mudar de foco

Alarmada com a repercussão da batalha campal entre torcedores de Corinthians e Palmeiras numa avenida de São Paulo, no domingo, a Federação Paulista de Futebol (FPF) anunciou na segunda-feira a proibição à presença das torcidas organizadas Gaviões da Fiel e Mancha Alviverde nos estádios, uma tentativa de dar alguma resposta à opinião pública. De acordo com a entidade, o veto ficará em vigor "até que sejam apurados os fatos e os responsáveis punidos nos termos da legislação em vigor". A própria justificativa da FPF já dá sinais de que a medida não resolverá o problema - afinal, o texto abre as portas para o retorno das organizadas aos campos tão logo os envolvidos na briga de domingo estejam presos. Ainda que seja mantido por mais tempo, o veto às organizadas nos estádios não passa de uma reação inócua para tentar convencer a opinião pública de que algo está sendo feito. Isso porque os integrantes das organizadas continuarão frequentando os estádios - mas com uniformes do Corinthians e do Palmeiras no lugar dos camisas da Gaviões e da Mancha. Além disso, o problema, há muitos anos, já não está mais nos estádios paulistas, e sim nas próprias ruas da cidade, onde os integrantes das organizadas costumam marcar suas brigas. Ou seja: nos fins de semana de clássicos, pessoas que nada têm a ver com a partida - e que estão a quilômetros e quilômetros de distância dos estádios - estão sujeitas a entrar no fogo cruzado da guerra dos torcedores.

A revolução inglesa

A tragédia de Heysel (veja as imagens no vídeo acima), motivou uma transformação radical nos estádios da Inglaterra. No blog do Acervo Digital, saiba como foi o desastre provocado pelos hooligans e o que aconteceu depois.

Os criminosos das torcidas usam a internet para combinar os locais de suas pancadarias - e a Polícia Militar, que monitora essa comunicação, já mapeou os lugares preferidos dos briguentos. O palco do confronto de domingo, a Avenida Inajar de Souza, na Zona Norte da capital paulista, é ponto conhecido para as pancadarias agendadas pela internet. A Mancha, que teve dois torcedores mortos e outros dois baleados, afirma ter sido "vítima de uma emboscada" - mas a torcida já participou de dezenas de combates marcados com facções rivais em vários pontos da cidade. A PM estava presente na região, mas com poucos homens e viaturas. Além de melhorar a inteligência de suas forças de segurança e de proteger melhor os pontos onde os torcedores podem se encontrar, as autoridades do estado precisam abandonar os paliativos e mudar de foco, concentrando seus esforços em medidas mais ambiciosas (e de efeitos permanentes). É consenso entre os especialistas que a melhor receita para combater a brutalidade das gangues de torcedores foi criada na Inglaterra, nos anos 1980, depois de uma série de tragédias nos estádios. Os hooligans não desapareceram do país, é claro, mas a política de segurança adotada pelos ingleses foi capaz de contê-los. Hoje, os fins de semana de futebol na Inglaterra são sinônimo de fortíssima presença policial e muito rigor no acompanhamento das torcidas - e, graças a tudo isso, são sinônimo também de estádios lotados de torcedores civilizados, acompanhados de suas mulheres e filhos, seguros de que não serão envolvidos em uma guerra durante uma simples partida de futebol. A seguir, algumas providências tomadas na Inglaterra e outras cobradas pelos especialistas brasileiros - um roteiro do que deve ser feito para oferecer a mesma segurança aos torcedores no país.

TAGs:
Campeonatos Estaduais