Mais Lidas

  1. Sônia Abrão pede desculpas por sair correndo do programa

    Entretenimento

    Sônia Abrão pede desculpas por sair correndo do programa

  2. Estupro de jovem de 16 anos no Rio "está provado", diz delegada

    Brasil

    Estupro de jovem de 16 anos no Rio "está provado", diz delegada

  3. Janaina Paschoal: rotina de isolamento pós-impeachment

    Brasil

    Janaina Paschoal: rotina de isolamento pós-impeachment

  4. Japão: Pais abandonam filho na floresta para castigá-lo e criança desaparece

    Mundo

    Japão: Pais abandonam filho na floresta para castigá-lo e criança...

  5. Lewandowski interferiu em processo para ajudar o PT e a presidente Dilma

    Brasil

    Lewandowski interferiu em processo para ajudar o PT e a presidente...

  6. Ex-presidente do PSDB de Minas é preso em operação

    Brasil

    Ex-presidente do PSDB de Minas é preso em operação

  7. Renan Ribeiro, do 'The Voice', morre em acidente de carro

    Entretenimento

    Renan Ribeiro, do 'The Voice', morre em acidente de carro

  8. Latam suspende temporariamente voos à Venezuela

    Economia

    Latam suspende temporariamente voos à Venezuela

Sem erros, Unidos da Tijuca é campeã do Carnaval no Rio

Com enredo sobre Luiz Gonzaga, azul e amarela conquista seu terceiro campeonato e consagra carnavalesco Paulo Barros como mestre dos desfiles

Por: Rafael Lemos - Atualizado em

  • Voltar ao início

  • Todas as imagens da galeria:


Com uma homenagem ao centenário de Luiz Gonzaga, a Unidos da Tijuca é a campeã do Grupo Especial do Rio de Janeiro. Os jurados premiaram o estilo 'pop' do carnavalesco Paulo Barros, que ousou ao levar para Avenida personagens como Michael Jackson, Pelé, Xuxa e Priscila (a rainha do deserto) para falar do Rei do Baião.

Barros acabou conquistando seu bicampeonato - o primeiro título foi em 2010, também pela Tijuca - com um enredo bem diferente dos temas abstratos que fizeram sucesso nos últimos anos, como medo, segredo, espaço. A escola é campeã pela terceira vez em sua história: a primeira foi em 1936 e, em 2010, veio o segundo título, quebrando um longo jejum.

Na era Paulo Barros, a escola foi vice-campeã três vezes. A volta definitiva à elite do Carnaval ocorreu em 2004, quando Barros foi finalmente reconhecido pelo estilo marcado, principalmente, por enredos subjetivos e alegorias humanas. Em 2005 e 2011, a escola também ficou em segundo. Em 2006, em sexto lugar, a escola ainda conseguiu voltar no sábado das campeãs.

O resultado da apuração do Grupo Especial leva para o desfile de sábado, além da Tijuca, o Salgueiro, Vila Isabel, Beija-Flor, Grande Rio e Portela. A Mangueira, apesar de ter sido um dos destaques da segunda noite de desfiles, ficou de fora. A verde e rosa perdeu pontos principalmente em Alegorias e Adereços.

Apesar do resultado positivo, o carnaval da Tijuca, se comparado aos anos anteriores, deixou um pouco a desejar. A estupefação do público com a comissão de frente que perdia a cabeça, no ano passado, ou com o inesquecível carro do DNA, que tornaram as alegorias humanas a identidade de Paulo Barros, não se repetiu. Em vez da magia, entrou em ação a estrutura criada na escola e que permitiu um desfile consistente, sem falhas e, portanto, com pouquíssimos "pontos a perder". Das notas válidas, a escola só perdeu um décimo, depois de descartadas as mais baixas das quatro notas de cada quesito.

Décimo a décimo - Conforme o site de VEJA havia publicado após os desfiles, a disputa ficou mesmo entre Unidos da Tijuca, Salgueiro, Vila Isabel e Beija-Flor. O título foi decidido com base numa velha máxima do Carnaval, a de que ganha quem erra menos.

A campeã do ano passado, Beija-Flor, saiu atrás na apuração, punida em 0,1 ponto por sua comissão de frente não ter se apresentado para o público do setor 3. No fim das contas, esse décimo a menos não alterou a posição da escola, que terminou em quarto lugar. O enredo, que era sobre São Luís do Maranhão, foi o quesito mais castigado pelos jurados, custando 0,6 ponto à agremiação.

A Unidos de Vila Isabel, que liderou durante boa parte da apuração, perdeu décimos preciosos em Alegorias e Adereços (0,3) e Bateria (0,2). Com um desfile sobre Angola, a escola do bairro de Noel Rosa ficou em terceiro lugar, apesar de ter sido responsável por um dos poucos desfiles que realmente mexeram com o público - lista que inclui ainda Mangueira e Portela, alijadas da briga pelo título sobretudo devido às falhas em alegorias.

O vice-campeonato ficou com o Salgueiro, que tem no experiente Renato Lage um carnavalesco capaz de fazer frente à sensação Paulo Barros. A Academia do Samba foi bem avaliada em todos os quesitos, mas perdeu o título em detalhes. O casal de mestre-sala e porta-bandeira perdeu 0,1 ponto, assim como a comissão de frente. Outro décimo foi tirado do quesito Evolução, já que a escola voltou a apresentar problemas na entrada dos carros alegóricos. Nada que se compare, no entanto, ao vexame de 2011, quando a agremiação estourou em 10 minutos o tempo de desfile.

Sábado das campeãs - A Estação Primeira de Mangueira, que arrebatou a Marquês de Sapucaí com a sua paradona, ficou apenas com o sétimo lugar e não voltará no Sábado das campeãs. A verde e rosa foi punida em praticamente todos os quesitos. curiosamente, as exceções foram Harmonia e Bateria - justamente, as que poderiam ser penalizadas pela ousada paradona.

Além de Tijuca, Salgueiro, Vila e Beija-Flor, o desfile das Campeãs terá ainda Grande Rio e Portela. Ambas ficaram de fora da disputa no ano passado, após o incêndio que destruiu seus barracões na Cidade do Samba.

Rebaixamento - A Porto da Pedra, que estava no Grupo Especial desde 2002, ficou em penúltimo lugar. A escola de São Gonçalo falhou na missão de transformar um enredo patrocinado sobre iogurte num desfile de escola de samba. Em último lugar, ficou a estreante Renascer de Jacarepaguá. Recém-chegada do Grupo de Acesso, a agremiação trouxe um enredo sobre o artista plástico Romero Britto.

LEIA TAMBÉM:

Como foram os desfiles do Grupo Especial

Confira as notas dos jurados no Carnaval do Rio

TAGs:
Rio de Janeiro
Cultura Pop
Carnaval