Mais Lidas

  1. Temer revoga decreto de Dilma e restitui poder às Forças Armadas

    Brasil

    Temer revoga decreto de Dilma e restitui poder às Forças Armadas

  2. Como o médium João de Deus venceu o câncer

    Brasil

    Como o médium João de Deus venceu o câncer

  3. Funaro ameaçou atear fogo em casa de delator com os filhos dentro, diz PGR

    Brasil

    Funaro ameaçou atear fogo em casa de delator com os filhos dentro,...

  4. PF descobre laços impróprios entre Toffoli e empreiteiro do petrolão

    Brasil

    PF descobre laços impróprios entre Toffoli e empreiteiro do petrolão

  5. Advogada liga Toffoli e Gilberto Carvalho a máfia do DF

    Brasil

    Advogada liga Toffoli e Gilberto Carvalho a máfia do DF

  6. Justiça manda Cachoeira e Cavendish para prisão domiciliar

    Brasil

    Justiça manda Cachoeira e Cavendish para prisão domiciliar

  7. Doleiro diz ter vídeos que provam negociação de propinas para PMDB

    Brasil

    Doleiro diz ter vídeos que provam negociação de propinas para PMDB

  8. Muro da mansão de Zuckerberg no Havaí irrita moradores locais

    Mundo

    Muro da mansão de Zuckerberg no Havaí irrita moradores locais

Salgueiro e Portela são abraçadas pelo público e protagonizam última noite de desfiles do Rio de Janeiro

Por: Mônica Garcia - Atualizado em

  • Voltar ao início

  • Todas as imagens da galeria:


A última noite de desfiles da elite do Carnaval carioca mostrou que a disputa pelo primeiro lugar no Grupo Especial do Rio de Janeiro será acirrada entre Beija-Flor de Nilópolis - que desfilou no domingo - Salgueiro e Portela.

O Salgueiro foi a segunda escola a desfilar e chegou conquistando as arquibancadas da Marquês de Sapucaí com o enredo "Óperas do Malandro". Com dois vice-campeonatos seguidos a agremiação da Tijuca ouviu pela primeira vez o grito de "É Campeã" da noite, que ecoou na passarela do samba no setor 1, antes mesmo da escola entrar na avenida.

Já a azul e branco de Madureira misturou a tradição com a inovação do carnavalesco Paulo Barros para tentar conquistar o título que não vem há três décadas, embora seja a escola de samba carioca que mais títulos tem: vinte e um. A ousadia, marca registrada de Barros, ficou evidente no desfile da Portela, que veio trouxe carros coreografados e conquistaram o público.

A Unidos de Vila Isabel abriu a segunda noite na Sapucaí com um enredo político. A escola do bairro de Noel contou as "Memórias de Pai Arraia. Um sonho pernambucano, um legado brasileiro". Miguel Arraes que foi prefeito do Recife e governador de Pernambuco teve sua trajetória de vida retratada através do incentivo que deu à educação e à cultura popular.

A Vila fez um desfile bonito e conquistou o setor 1, tudo para apagar a má campanha de 2015 quando ficou em penúltimo lugar. O bom gosto do carnavalesco Alex de Souza ficou evidente no desfile da Vila Isabel com fantasias de fácil leitura e alegorias muito bem acabadas. A bateria de mestre Wallan trouxe 322 ritmistas que executaram perfeitamente o samba-enredo que misturou o samba com o maracatu e fez paradinhas estratégicas na avenida.

Martinho da Vila representando Luiz Gonzaga abriu o desfile à frente da escola. Ana Arraes, ministra do Tribunal de Contas da União, levou a família para desfilar em homenagem ao pai. A agremiação fechou seu desfile com um lindo carro que representava o Galo da Madrugada.

Com um enredo para lutar pelo primeiro lugar o Salgueiro foi a segunda escola a desfilar e falou sobre a "Ópera dos malandros". Tão logo os primeiros acordes do samba-enredo começou a tocar na Marquês de Sapucaí o setor 1 começou a gritar "É campeã". O carro abre-alas teve problemas e as luzes dos postes que adornavam a alegoria não acenderam. Ainda na passarela os bombeiros precisaram ser acionados porque fumaça começou a sair da alegoria, mas nada que prejudicasse a evolução.O malandro batuqueiro que sabe o que quer e do que gosta, vaidoso e que se preocupa em se vestir bem e se divertir pelos bares e cabarés da cidade foi retratado ao longo da avenida através de suas diversas facetas, num belo e luxuoso desfile do casal de carnavalescos Márcia e Regina Lage. A bateria "Furiosa" do mestre Marcão veio vestida do personagem Geni e um Zepelim inflável sobrevoou os ritmistas, uma alusão a música de Chico Buarque "Geni e o Zepelim, que faz parte do musical "A Ópera do Malandro". Já a fantasia de malandro da rainha de bateria, a atriz Viviane Araújo, dividiu opiniões.

A São Clemente foi a terceira escola a entrar na avenida. Com o enredo "Mais de mil palhaços no salão" a única representante da zona sul carioca, levou para a passarela a alegria dos palhaços e das palhaçadas, sem deixar de lado a ironia ao mostrar quando o povo brasileiro é tratado como tal, e levou para a Sapucaí uma ala intitulada "Panelaço", referente as manifestações contra a presidente Dilma Rousseff que se espalharam pelo Brasil em 2015. A carnavalesca Rosa Magalhães conhecida por seu carnaval requintado e luxuoso espera ficar entre as seis primeiras colocadas e voltar para o sábado das Campeãs. A escola teve problema com o terceiro carro que empacou no meio da avenida e um clarão se abriu durante o desfile. A ala que vinha atrás precisou desacelerar para não prejudicar mais a evolução. Ao chegar ao setor 13 a escola foi abraçada pelo público. A rainha de bateria Raphaela Gomes caiu durante o percurso, após o desfile a musa falou que havia muito óleo na pista por isso escorregou.

A Portela entrou na avenida com o objetivo de quebrar o jejum de mais de três décadas sem levantar a taça de campeã do carnaval carioca. A maior vencedora da elite do samba do Rio de Janeiro trouxe para a passarela o enredo "No voo da águia, uma viagem sem fim" e ouviu do começo ao fim de seu cortejo o grito de "É campeã".

A tradição da escola de Madureira unida com as inovações e ousadia de Paulo Barros levou para a Marquês de Sapucaí paraquedistas abrindo o desfile e muitos efeitos especiais, além dos famosos carros coreografados. A comissão de frente deu show e Barros não fugiu de sua identidade ao colocar 14 bailarinos simulando o movimento das águas, na Odisseia de Homero, em uma alegoria com 30 toneladas de água. O quarto carro "Perdidos no Espaço" deu ar de ficção científica ao desfile com um drone sobrevoando a alegoria. Com alas muito bem coreografadas, fantasias, alegorias e adereços impecáveis a azul e branco vem forte para brigar pelo título.

A Imperatriz Leopoldinense deu seu grito de guerra à moda de viola, puxado pelos homenageados Zezé Di Camargo e Luciano com "É o amor". Em seguida a cantora, compositora e multi-instrumentista Lucy Alves interpretou o samba-enredo acompanhada de uma sanfona. Com o enredo "Dois filhos de Francisco" para compor o enredo "É o amor... que mexe com minha cabeça e me deixa assim... Do sonho de um caipira nascem os dois filhos do Brasil" a agremiação de Ramos além de contar a trajetória musical da dupla sertaneja levou para a Sapucaí a história de vida dos irmãos, que deu também já foi contado nos cinemas em "Dois Filhos de Francisco"

Para contar a história dos sertanejos, o carnavalesco Cahê Rodrigues lançou mão da estética caipira com muitas referências da roça, de rodeios e da vida simples do campo.

A agremiação fez um desfile perfeito tecnicamente como de costume, mas não conquistou o público nas arquibancadas. A família Camargo veio no último carro "É o amor... Que mexe com a minha cabeça e me deixa assim".

A Estação Primeira de Mangueira foi a responsável por fechar a disputa do carnaval carioca. Com o enredo "Maria Bethânia, a menina dos olhos de Oyá", a verde e rosa homenageou os 50 anos de carreira de Bethânia. O carnavalesco Leandro Vieira, estreante no Grupo Especial, evocou Iansã, orixá da cantora para falar do seu lado religioso.

As fantasias fizeram um jogo de cores muito bem trabalhados e chamou a atenção. Um dos carros da escola teve problemas com suas luzes, que apagaram durante parte do desfile. Uma das escolas mais queridas levou para a avenida grandes nomes da música brasileira como Caetano Veloso, Alcione, Adriana Calcanhoto, Beth Carvalho, entre outros artistas. Com um samba enredo de fácil entendimento a bateria de Rodrigo Explosão conquistou o público que resistiu até as 5h da manhã de terça-feira.

Sem conquistar um título desde 2002, a escola passou bonita e perfeita mais não deve figurar entre as favoritas a levantar a taça de campeão do carnaval carioca de 2016.