Por: Carol Nogueira - Atualizado em

A morte do cantor Wando, na manhã desta quarta-feira, chocou outros nomes da música brega. Leia abaixo a repercussão.

O cantor Reginaldo Rossi
O cantor Reginaldo Rossi(VEJA.com/VEJA)

Reginaldo Rossi

"Conheci o Wando há bastante tempo. Nós não éramos amigos, nunca saímos juntos, mas sempre tivemos um relacionamento muito bom. Fiquei chocado com a notícia da morte dele, porque na quinta-feira passada eu fiz um show em Monjardim, aqui em Pernambuco, e cantei Fogo e Paixão, que gravei para o meu DVD Reginaldo Brega. Antes de cantar, desejei que ele melhorasse. Nos shows, o povo quer e gosta de ouvir sucessos. As pessoas gostam de falar mal da música brega, mas, quando toca, todo mundo canta, dança e sorri. Wando era um cara que fazia isso com as pessoas, ele era simpático o tempo todo. Perdemos um cantor e um homem do povo."

O cantor Amado Batista
O cantor Amado Batista(VEJA.com/VEJA)

Amado Batista

"Wando era um grande artista e eu sempre fui fã dele. Eventualmente, viramos amigos e nos falávamos com frequência ao telefone, mas eu perdi meu celular recentemente e toda minha agenda de contatos se foi. Quando fiquei sabendo que ele estava doente, pensei em visitá-lo, mas não podia, pois ele estava no centro de tratamento intensivo. Quero ir ao enterro, mas preciso cancelar alguns compromissos. Acredito que maior homenagem que podemos prestar a Wando é lembrá-lo pela carreira dele. Essas são as melhores lembranças."

Falcão
Falcão(VEJA.com/VEJA)

Falcão

"O Brasil amanheceu mais triste. Eu conheci o Wando há muitos anos, a gente sempre se encontrava quando estava trabalhando, artista acaba virando amigo de tanto se encontrar, mas faz tempo que eu não o via. O Wando era um cara que tinha a capacidade de unir as gerações. E mesmo cantando as músicas dele, que são bem românticas, apesar de ter algumas tristes, o show era uma festa, bem para cima, ninguém conseguia ficar parado."