Mais Lidas

  1. Luana Piovani tem nude disparado pelo marido

    Entretenimento

    Luana Piovani tem nude disparado pelo marido

  2. Vítima de estupro coletivo no Rio presta novo depoimento

    Brasil

    Vítima de estupro coletivo no Rio presta novo depoimento

  3. Pedro Corrêa faz relato contundente de envolvimento de Lula no petrolão

    Brasil

    Pedro Corrêa faz relato contundente de envolvimento de Lula no...

  4. Polícia tenta identificar bandidos que praticaram estupro coletivo em favela do Rio de Janeiro

    Brasil

    Polícia tenta identificar bandidos que praticaram estupro coletivo...

  5. Em novo áudio, Renan diz que tentou evitar recondução de Janot à PGR

    Brasil

    Em novo áudio, Renan diz que tentou evitar recondução de Janot à PGR

  6. STF acaba com a tramitação de processos ocultos na corte

    Brasil

    STF acaba com a tramitação de processos ocultos na corte

  7. Polícia pede a prisão de quatro suspeitos de estupro coletivo no Rio

    Brasil

    Polícia pede a prisão de quatro suspeitos de estupro coletivo no Rio

  8. Família Obama já escolheu onde vai morar após deixar a Casa Branca

    Mundo

    Família Obama já escolheu onde vai morar após deixar a Casa Branca

Operadoras nos EUA lançarão plano contra downloads ilegais

- Atualizado em

Nova York, 15 mar (EFE).- Alguns dos principais provedores de internet dos Estados Unidos iniciarão no meio do ano um plano para lutar contra a pirataria online que inclui medidas 'coercitivas' contra os usuários para limitar downloads ilegais de conteúdos protegidos por direitos autorais.

Foi o que confirmou nesta quinta-feira à Agência Efe uma porta-voz da Associação da Indústria Fonográfica dos Estados Unidos (RIAA). Segundo ela, a data prevista para o início do plano é 12 de julho, mas a decisão final cabe de forma individual às operadoras, entre as quais estão Time Warner Cable, AT&T e Verizon.

Os provedores de internet nos EUA já anunciaram há oito meses um princípio de acordo que, entre suas recomendações para lutar contra a pirataria online, incluía um compromisso para punir os clientes que baixassem ilegalmente conteúdos protegidos por copyright.

O plano, que já conta também com outras empresas como Comcast e Cablevision, consiste em iniciar um sistema de envio de mensagens de advertência aos usuários sobre a ilegalidade de baixar conteúdos protegidos.

Nos casos em que os usuários fizerem caso omisso das advertências, então os provedores de internet se reservam o direito de aplicar algumas 'medidas coercitivas', que vão desde reduzir a velocidade de download até a interrupção do serviço, segundo o acordo.

'Os provedores de internet terão de desenvolver sua própria infraestrutura para automatizar o sistema e, de quebra, estabelecer uma base de dados que lhes permita acompanhar os infratores reincidentes', afirmou nesta quarta-feira o diretor da RIAA, Cary Sherman, durante um ato em Nova York. EFE