Mais Lidas

  1. Janaina Paschoal: rotina de isolamento pós-impeachment

    Brasil

    Janaina Paschoal: rotina de isolamento pós-impeachment

  2. Renan Ribeiro, do 'The Voice', morre em acidente de carro

    Entretenimento

    Renan Ribeiro, do 'The Voice', morre em acidente de carro

  3. Japão: Pais abandonam filho na floresta para castigá-lo e criança desaparece

    Mundo

    Japão: Pais abandonam filho na floresta para castigá-lo e criança...

  4. Suspeitos de envolvimento no estupro coletivo de adolescente são considerados foragidos da Justiça

    Brasil

    Suspeitos de envolvimento no estupro coletivo de adolescente são...

  5. Filho de Temer, Michelzinho tem R$ 2 milhões em imóveis em SP

    Brasil

    Filho de Temer, Michelzinho tem R$ 2 milhões em imóveis em SP

  6. Cara Delevingne seria pivô de briga entre Johnny Depp e Amber Heard

    Entretenimento

    Cara Delevingne seria pivô de briga entre Johnny Depp e Amber Heard

  7. Laudo tardio feito em vítima de estupro coletivo não aponta violência

    Brasil

    Laudo tardio feito em vítima de estupro coletivo não aponta violência

  8. "Quando encontrar meu corpo, avise meu marido e minha filha"

    Mundo

    "Quando encontrar meu corpo, avise meu marido e minha filha"

'Estou pronto para a luta', diz Gianecchini sobre tumor

Ator foi internado com sintomas de faringite e teve diagnóstico de linfoma

- Atualizado em

Reynaldo Gianecchini
Reynaldo Gianecchini (Divulgação/VEJA)

O ator Reynaldo Gianecchini, de 38 anos, foi diagnosticado com linfoma do tipo não-Hodgkin. O tumor, que atinge os gânglios linfáticos, foi descoberto em decorrência de uma infecção e uma reação alérgica surgidas após uma cirurgia de hérnia inguinal há cerca de um mês.

Gianecchini está internado há uma semana no hospital Sírio Libanês, e não tem previsão de alta. O ator estava em cartaz com a peça Cruel, encenada às segundas-feiras e terças-feiras em São Paulo. O espetáculo foi cancelado por tempo indeterminado. No final da tarde desta quarta-feira, o ator divulgou uma nota através da TV Globo, de onde é contratado. Diz a nota: "Após ser internado com suposto sintoma de faringite, foi diagnosticado um linfoma não-Hodgkin. Estão sendo realizados novos exames para especificação adequada. Estou pronto para a luta e conto com o carinho e amor de todos vocês."

Os linfomas não-Hodgkin incluem mais de 20 tipos diferentes. A maioria dos linfomas é tratada com quimioterapia, radioterapia, ou ambos os procedimentos.

Perguntas & respostas

  • 1. O que é linfoma? É o termo usado para designar os tumores cancerígenos no sistema linfático, formado por vasos finos e gânglios (linfonodos) que atuam na defesa do organismo levando nutrientes e água às células e retirando resíduos e bactérias.
  • 2. Quais os tipos existentes? Existem duas categorias: o linfoma de Hodgkin e o linfoma Não-Hodgkin. Há dezenas de tipos dentro dessas categorias - uma lista atualização constante. O linfoma de Hodgkin é mais raro e atinge na maioria jovens e pessoas de meia idade. Já o Não-Hodgkin, como o que afetou o ator Reynaldo Gianecchini e a presidente Dilma Rousseff, responde por 90% dos casos e atinge sobretudo pessoas com mais de 55 anos. Os linfomas são classificados em quatro estágios. No estágio 1, observa-se envolvimento de apenas um grupo de linfonodos. Já no estágio 4, há envolvimento disseminado dos linfonodos.
  • 3. Existe apenas um tipo de Linfoma não Hodgkin? Os linfomas não Hodgkin são, na verdade, um grupo de cânceres que correspondem a mais de 20 doenças diferentes. A maioria (85%) atinge os linfócitos B e menos de 15% são de células T.
  • 4. O que causa o linfoma? Em geral não é possível descobrir a causa. Mas são conhecidos alguns fatores de risco:

    - Sistema imune comprometido - Pessoas com baixa imunidade, em razão de doenças hereditárias, uso de drogas imunossupressoras e infecção por HIV, têm maior risco de desenvolver linfomas. Pacientes portadores dos vírus Epstein-Bar e HTLV1 e da bactéria Helicobacter pylori têm risco aumentado para alguns tipos de linfoma.

    - Exposição química - Os linfomas estão também ligados à exposição a certos agentes químicos, incluindo pesticidas, solventes e fertilizantes.

    - Exposição a altas doses de radiação.

  • 5. Quais os sintomas? O principais sintomas são aumento dos linfonodos do pescoço, axilas e/ou virilha; sudorese noturna excessiva; febre; prurido (coceira na pele); e perda de peso inexplicada, sem infecções aparentes. A lista pode incluir outros sintomas que dependem da localização do tumor. Se a doença ocorre na região do tórax, por exemplo, os sintomas podem ser de tosse, falta de ar e dor torácica.
  • 6. Como se diagnostica o linfoma? São necessários vários tipos de exames para determinar o tipo exato de linfoma e esclarecer outras características, reunindo informações úteis para a escolha do tratamento mais eficaz. Os métodos utilizados são:

    - Biópsia, ou retirada e análise de uma pequena porção de tecido, em geral linfonodos.

    - Exames de imagem.

    - Estudos celulares, que incluem, entre outros, a análise de cromossomos. Novos testes, bastante promissores, surgem a partir de trabalhos com a análise do genoma.

  • 7. Quais os tratamentos? A maioria dos linfomas é tratada com quimioterapia, radioterapia ou ambos. A quimioterapia consiste na combinação de duas ou mais drogas, sob várias formas de administração, de acordo com o tipo de linfoma. A radioterapia normalmente é usada para reduzir a carga tumoral em locais específicos, aliviar sintomas relacionados ao tumor e também consolidar o tratamento quimioterápico, diminuindo as chances de recaída em certas áreas do organismo mais suscetíveis.
  • 8. Quais as chances de cura? As chances de cura variam muito e dependem fundamentalmente do estágio em que a doença é diagnosticada e do tipo de linfoma. Hoje, o cálculo do risco baseia-se nesses dois fatores e no chamado índice prognóstico, que considera uma série de características do paciente. Algumas condições, como ter 60 anos ou mais, sofrer de anemia e ter presença elevada de determinadas enzimas no organismo, elevam o índice e portanto o risco.
  • 9. Existem formas de prevenção da doença? Assim como em outros tipos de câncer, é possível que dietas ricas em verduras e frutas tenham efeito protetor contra o desenvolvimento de linfomas. Os especialistas, contudo, lembram que ainda não existem formas de prevenção comprovadas.
  • 10. Quantos casos acontecem por ano no Brasil? Segundo estimativas do Instituto Nacional do Câncer (Inca), houve, em 2009, 4.900 novos casos em homens e 4.200 em mulheres.
TAGs:
Reynaldo Gianecchini
Câncer