- Atualizado em

Nova York, 17 (EFE).- O Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) manteve o Brasil em sua lista anual de países com os maiores índices de impunidade do mundo, ranking liderado pelo quinto ano consecutivo por Iraque, Somália e Filipinas.

A Colômbia, no quinto lugar do ranking geral, volta a liderar os países latino-americanos com maior impunidade, em parte como 'triste legado' de seu 'passado sangrento', avaliou nesta segunda-feira à Agência Efe o coordenador da CPJ para as Américas, Carlos Lauria.

Sobre o Brasil, Lauria destacou que foram feitos esforços no âmbito judicial com pelo menos cinco condenações em anos recentes, mas advertiu 'que o nível de impunidade continua sendo alto'.

'Dois casos em 2011 demonstraram os graves e constantes riscos que enfrentam os jornalistas que informam sobre corrupção, política e crime', indica o relatório, que menciona o assassinato de Edinaldo Filgueira, vítima de múltiplos disparos após publicar em seu blog críticas voltadas às autoridades locais.

O Iraque detém pelo quinto ano seguido o pior registro no 'Índice de Impunidade' do CPJ com mais de 90 crimes não resolvidos, um nível que ofusca o de qualquer outro país, enquanto a Somália, com 11 casos, continua sendo um país infiltrado pela insurgência e paralisado pela falta de um Governo central efetivo.

O estudo também volta a evidenciar que a reportagem política continua sendo o tipo de cobertura mais perigosa para os jornalistas, já que 30% das vítimas incluídas no índice cobriam informações políticas no momento de seu assassinato.

O 'Índice de Impunidade' do CPJ, publicado pela primeira vez em 2008, identifica este ano 12 países onde os jornalistas são assassinados e os Governos fracassam em sua tentativa de solucionar os crimes em um período de dez anos, com cinco ou mais casos nos quais ainda não foi obtida uma condenação. EFE