Pedro Lourenço é aplaudido na Semana da Moda de Paris

Estilista foi chamado por alguns editores de moda de 'gênio' e 'jovem prodígio'

- Atualizado em

Final do desfile de Pedro Lourenço na semana de moda de Paris, na França
Final do desfile de Pedro Lourenço na semana de moda de Paris, na França(François Guillot/AFP/VEJA)

O brasileiro Pedro Lourenço, 21, o mais jovem estilista da Semana da Moda de Paris, apresento, nesta segunda uma coleção audaciosa, em que jogou com transparências e misturou materiais como couro, plástico e seda. A passarela para o próximo outono e inverno de Lourenço, a quem alguns editores de moda chamaram de "gênio" e "jovem prodígio", ofereceu saias com cortes geométricos ajustadas no corpo, impecavelmente construídas e apresentando grandes listras de couro, assim como vestidos em musselina, impressos com figuras geométricas.

"Eu me inspirei no campo e numa cidade apocalípticos", explicou o estilista em meio aos aplausos, depois do desfile de prêt-a-porter de luxo, onde destacou a arquitetura das criações, apesar da leveza dos vestidos. Estavam na sala algumas das mais influentes críticas de moda, como Suzy Menkes, do International Herald Tribune, e editoras das revistas de moda brasileiras, que expressaram admiração com a coleção apresentada.

Pedro Lourenço é filho dos estilistas Glória Coelho (da marca Carlota Joakina) e Reinaldo Lourenço e participa desde pequeno dos ateliês de produção e das fábricas de roupas. Aos 15 anos, apresentou seus próprios modelos, na São Paulo Fashion Week, mudando-se para a França em 2006, depois de vários desfiles bem-sucedidos, iniciando um curso de História da Arte. Em 2010/ 2011, começou a participar do calendário da Moda em Paris, desfilando no line-up oficial da semana da moda francesa para a coleção inverno/verão, recebendo elogios de Anna Wintour, da Vogue americana, e Carine Roitfeld, da Vogue francesa.

Pedro Lourenço durante conferência em 2011, em São Paulo
Pedro Lourenço durante conferência em 2011, em São Paulo(Larry Busacca/Getty Images/VEJA)

Nesta sua última coleção, acompanhadas de botas altas, pretas e vermelhas, as saias que aderem ao corpo e as jaquetas de pele apresentam incrustações de plástico, e grandes cintos de couro para serem usados abaixo da cintura, acompanhando pantalonas e saias. "Os materiais impressos foram elaborados em colaboração com o artista Kon Trubkovitch", explicou o estilista.

A Semana de Moda de Paris, que começou na terça-feira da semana passada, termina nesta quarta, depois de 90 desfiles, de casas como Dior, Balenciaga e Lanvin. Lourenço é o único da América Latina a se apresentar nesta ediçãomas há um outro grande estilista brasileiro já estabelecido no mundo da alta-costura: Gustavo Lins, há cinco anos nesse grupo exclusivo.

No sétimo dia das passarelas parisienses, foi destaque também o desfile da britânica Stella McCartney, que apresentou uma coleção esportiva e sofisticada inspirada nos Jogos Olímpicos de junho, em Londres. Minivestidos inspirados no tênis, abrigos azul-noite, camisas: a paleta de cores usada por Stella McCartney - branco, azul e preto- é a da equipe Olímpica de seu país.

Entre os desfiles mais comentados desta segunda está, ainda, o de Ricardo Tisci (amigo da transexual brasileira Lea T) para Givenchi, com destaque para couro e a cor preta azeviche, mas mostrando, também, tons alaranjados e castanhos. As passarelas parisienses recebem nesta terça Chanel e Paco Rabanne, e, na quarta, Louis Vuitton.

(Com agência France-Presse)