Comportamento

'Pais devem aceitar um fato: as crianças vão sofrer', dizem especialistas

Confira orientações apresentadas pela psicanalista Magdalena Ramos e pela psicopedagoga Vera Barreira durante evento do projeto Educar para Crescer

Lecticia Maggi
"Seu filho vai se frustrar e chorar, querendo você ou não", afirma a psicanalista Magdalena Ramos

"Seu filho vai se frustrar e chorar, querendo você ou não", afirma a psicanalista Magdalena Ramos (Thinkstock/VEJA)

O projeto Educar para Crescer – iniciativa do Grupo Abril, ao qual está ligada a Editora Abril, que publica VEJA — promoveu um debate nesta terça-feira, em São Paulo, sobre o papel dos pais no processo de formação de seus filhos. Para isso, convidou a psicanalista Magdalena Ramos, responsável pelo núcleo de família do Instituto Sedes Sapentiae, e a psicopedagoga Vera Barreira, orientadora pedagógica da Escola da Vila. Do encontro, saiu uma importante constatação: os pais estão excessivamente preocupados com a felicidade de seus filhos e, por isso, têm dificuldades para impor limites e dizer "não" a eles. "É um grande equívoco achar que, dando tudo o que seu filho pede, você vai evitar que ele sofra ou se frustre. A falta de limites cria crianças mimadas, mandonas e com problemas de socialização", disse Magdalena. "Seu filho vai se frustrar e chorar, querendo você ou não. Por isso, aceite isso e imponha limites." Confira a seguir orientações das especialistas:

Seis orientações para a educação dos filhos

1 de 6

'Aceite um fato: em algum momento, seu filho vai sofrer'

Os pais se preocupam muito com a felicidade de seus filhos. Não há, é claro, nada de errado nisso. O problema aparece quando a preocupação excessiva leva os pais a atender todos os desejos das crianças. Isso é um grande equívoco e pode acarretar sérios problemas à socialização delas. É preciso impor limites e aceitar que, em algum momento, seu filho vai chorar e sofrer.

Comentário de Magdalena Ramos: "Atendo no consultório muitos pais que se sentem culpados por ficar pouco tempo com seus filhos e que, por isso, têm dificuldades para dizer 'não'. É preciso mostrar autoridade e impor limites. Isso é diferente de autoritarismo: não é preciso berrar ou gritar, apenas mostrar quem manda."

Leia também:
Escolas internacionais: por que Fuvest e Enem não são os alvos
'Third culture kids': a aventura das crianças globalizadas

Assinaturas



Editora Abril Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados