Mais Lidas

  1. Sequestrador de Ana Hickmann foi ‘assassinado com crueldade e frieza’, diz irmã

    Entretenimento

    Sequestrador de Ana Hickmann foi ‘assassinado com crueldade e...

  2. Temer bate na mesa e diz que sabe o que fazer no governo: 'Eu tratava com bandidos'

    Brasil

    Temer bate na mesa e diz que sabe o que fazer no governo: 'Eu...

  3. Ouça a conversa entre Ana Hickmann e fã que a atacou

    Entretenimento

    Ouça a conversa entre Ana Hickmann e fã que a atacou

  4. PT obstrui votação e Câmara demora 6 horas para aprovar MP

    Brasil

    PT obstrui votação e Câmara demora 6 horas para aprovar MP

  5. Bruna Linzmeyer sensualiza após ataques homofóbicos no Instagram

    Entretenimento

    Bruna Linzmeyer sensualiza após ataques homofóbicos no Instagram

  6. Aliados de Dilma entram em campo para impedir votação da nova meta

    Brasil

    Aliados de Dilma entram em campo para impedir votação da nova meta

  7. Jucá dá o troco em desafeto: 'Ele deveria entregar a mulher, que é procurada pela polícia'

    Brasil

    Jucá dá o troco em desafeto: 'Ele deveria entregar a mulher, que é...

  8. Propina bancou viagem para Europa de esposa de Collor, diz doleiro

    Brasil

    Propina bancou viagem para Europa de esposa de Collor, diz doleiro

Quadro de inflação não permite discussão sobre queda dos juros, diz Tombini

Em entrevista na TV, presidente do Banco Central afirma ter havido 'zero de interferência política' na surpreendente decisão de manter os juros, tomada em janeiro

- Atualizado em

O presidente do Banco Central, Alexandre Tombini
O presidente do Banco Central, Alexandre Tombini(Paco Chuquiure/Reuters)

O presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, disse que o atual quadro inflacionário do Brasil não permite uma discussão sobre a queda dos juros neste momento. "Esse quadro inflacionário não permite se pensar em distensão da política monetária", disse Tombini em entrevista ao canal de TV GloboNews, veiculada na noite de quinta-feira.

Em janeiro, o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC surpreendeu ao decidir manter a taxa Selic em 14,25% ao ano, apesar de a inflação no ano passado ter ultrapassado os 10%, estourando o teto da meta do governo. A pressão inflacionária continua, com o acumulado em doze meses chegando a 10,71% até o mês passado.

Segundo Tombini, a decisão do Copom foi uma resposta à maior incerteza econômica global devido à queda dos preços do petróleo e à desaceleração do crescimento da China, e não resultado de interferência política da presidente Dilma Rousseff. "Zero de interferência política", disse Tombini ao ser questionado se houve pressão política para o BC não elevar a Selic em janeiro.

"Talvez o Banco Central brasileiro tenha sido o primeiro a dar uma freada (na política monetária)", afirmou Tombini, acrescentando que outros BCs foram pelo mesmo caminho, como o do Japão e o Banco Central Europeu (BCE). "Aumentou a probabilidade de todos os bancos centrais serem mais cautelosos."

Tombini afirmou ainda que existe "uma crise de crescimento", mas ela não é tão grave quanto a de 2008, quando o mercado estava muito mais alavancado.

Leia também:

Citi quer se desfazer de operações no Brasil, Argentina e Colômbia

S&P reduz ratings globais de 17 bancos brasileiros e notas nacionais de 27