Mais Lidas

  1. Janaina Paschoal: rotina de isolamento pós-impeachment

    Brasil

    Janaina Paschoal: rotina de isolamento pós-impeachment

  2. Família de jovem vítima de estupro coletivo no Rio dispensa advogada

    Brasil

    Família de jovem vítima de estupro coletivo no Rio dispensa advogada

  3. Sonia Abrão abandona programa após ouvir choro

    Entretenimento

    Sonia Abrão abandona programa após ouvir choro

  4. "Quando encontrar meu corpo, avise meu marido e minha filha"

    Mundo

    "Quando encontrar meu corpo, avise meu marido e minha filha"

  5. Veja fotos da casa onde adolescente foi estuprada no Rio

    Brasil

    Veja fotos da casa onde adolescente foi estuprada no Rio

  6. Gorila é morto após menino cair em jaula de zoológico nos EUA

    Mundo

    Gorila é morto após menino cair em jaula de zoológico nos EUA

  7. Ana Hickmann S/A: um sucesso construído a dois

    Entretenimento

    Ana Hickmann S/A: um sucesso construído a dois

  8. Vítima de estupro coletivo no Rio critica delegado: 'Tentaram me incriminar'

    Brasil

    Vítima de estupro coletivo no Rio critica delegado: 'Tentaram me...

Prejuízo da Petrobras cresce 61%, chega a R$ 34,8 bi e atinge recorde em 2015

Balanço de 2015 foi pressionado por fatores como perdas bilionárias na linha financeira, alta do dólar e queda abrupta na cotação internacional do petróleo

- Atualizado em

petrobras-empresa
(VEJA.com/VEJA)

Após registrar prejuízo recorde de 21,58 bilhões de reais em 2014, a Petrobras voltou ao vermelho no ano passado. A estatal anunciou na noite desta segunda-feira um prejuízo líquido de 34,83 bilhões em 2015, rombo 61% superior ao ano anterior. Esta é apenas a segunda vez desde o início do século que a estatal reporta prejuízo em seu balanço anual. A empresa não soube informar se, em algum momento em seus mais de 60 anos de existência, a companhia registrou dois anos consecutivos de resultados negativos.

O resultado negativo de 2015 deveu-se especialmente ao prejuízo líquido de 36,93 bilhões de reais acumulado entre outubro e dezembro, montante 38,9% acima do prejuízo de 26,60 bilhões de reais reportado no mesmo período de 2014. O prejuízo anual prova o difícil momento por que passa a estatal desde 2014, quando tiveram início as investigações da Polícia Federal no âmbito da Operação Lava Jato.

O balanço de 2015 foi pressionado por uma combinação de fatos adversos, como perdas bilionárias na linha financeira, alta do dólar e queda abrupta na cotação internacional do petróleo. Além disso, a Petrobras informou nesta segunda-feira que o balanço anual também foi impactado por ajustes nos ativos imobilizados, processo conhecido como impairment, no total de 49,74 bilhões de reais. O ajuste de impairment tem origem no declínio dos preços do petróleo e foi um dos reflexos do aumento do risco Brasil ocorrido depois que a empresa deixar de ser considerada "grau de investimento" pelas agências de classificação de risco. A redução da demanda por combustíveis no mercado doméstico, acréscimo em despesas tributárias e maiores despesas com contingências judiciais também pesaram no ano.

Leia mais:

As medidas estruturantes de um governo desestruturado: Barbosa propõe teto para o gasto público

Crise política trava ajuste fiscal no Congresso

O resultado de 2014 também havia sido impactado por fatores considerados extraordinários. Além da despesa financeira oriunda do efeito da valorização do dólar em relação ao real e de um impacto provocado pelo início de uma tendência mais forte de queda do petróleo, o balanço daquele ano foi impactado por impairment no valor de 44,34 bilhões de reais. Apenas a identificação de irregularidades em contratos provocou uma baixa de 6,19 bilhões de reais naquele ano. A postergação e suspensão de outros projetos também trouxe ajustes na linha de ativos imobilizados.

O material de divulgação referente ao quarto trimestre de 2015 aponta que o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado anual da Petrobras atingiu 73,85 bilhões de reais, expansão de 25% em relação ao ano anterior. A receita líquida anual, por sua vez, totalizou 321,63 bilhões de reais, queda de 5% em relação a 2014.

(Com Estadão Conteúdo)