Mais Lidas

  1. PF deflagra 30ª fase da Lava Jato e descobre mais de R$ 40 mi em propina

    Brasil

    PF deflagra 30ª fase da Lava Jato e descobre mais de R$ 40 mi em...

  2. Moro, aplausos e um pedido: 'Prenda o Lula'

    Brasil

    Moro, aplausos e um pedido: 'Prenda o Lula'

  3. Ouça a conversa entre Ana Hickmann e fã que a atacou

    Entretenimento

    Ouça a conversa entre Ana Hickmann e fã que a atacou

  4. Na Argentina, Serra firma acordo de 'coordenação política'

    Brasil

    Na Argentina, Serra firma acordo de 'coordenação política'

  5. Jucá dá o troco em desafeto: 'Ele deveria entregar a mulher, que é procurada pela polícia'

    Brasil

    Jucá dá o troco em desafeto: 'Ele deveria entregar a mulher, que é...

  6. Argentina: jogador morre depois de receber golpes na cabeça

    Esporte

    Argentina: jogador morre depois de receber golpes na cabeça

  7. Novos áudios mostram que Jucá não falava sobre economia ao citar "sangria"

    Brasil

    Novos áudios mostram que Jucá não falava sobre economia ao citar...

  8. Dubladora apoia campanha por namorada para Elsa, de ‘Frozen’

    Entretenimento

    Dubladora apoia campanha por namorada para Elsa, de ‘Frozen’

OCDE vê recessão mais profunda no Brasil com queda de 4% no PIB em 2016

De acordo com a entidade, incerteza política em curso e inflação crescente explicam a deterioração da situação do país

- Atualizado em

Indústria
Entre as 11 economias com previsões divulgadas pela entidade, o Brasil é o único que continuará em recessão em 2016 e ficará estagnado em 2017(Getty Images/VEJA)

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) prevê que a recessão brasileira será ainda mais profunda que o previsto no fim do ano passado. A atualização das perspectivas econômicas divulgada na manhã desta quinta-feira pela entidade culpa as incertezas políticas e a inflação elevada pela piora do cenário. A OCDE alerta ainda que a desvalorização do real pode ser preocupante devido ao aumento da dívida externa no país.

A OCDE rebaixou a estimativa de contração do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil deste ano de -1,2% para -4%. A estimativa anterior havia sido divulgada em novembro. Naquela ocasião, a organização previa que a economia brasileira começaria a recuperação em 2017, com crescimento de 1,8%. Agora, a entidade prevê apenas o fim da recessão, com crescimento zero no próximo ano na comparação com 2016.

Entre as 11 economias com previsões divulgadas pela entidade, o Brasil é o único que continuará em recessão em 2016 e ficará estagnado em 2017. Todas as demais dez economias (Estados Unidos, Alemanha, França, Itália, Japão, Canadá, Reino Unido, China, Índia e zona do euro) crescerão em 2016 e 2017 no cenário apresentado pela organização. Além disso, os números brasileiros foram os que sofreram a piora mais pronunciada na comparação com o quadro anterior de novembro.

Para a OCDE, a continuidade dos problemas brasileiros explica a deterioração tão acelerada do cenário. "A recessão no Brasil provavelmente será mais profunda que o previsto anteriormente com a incerteza política em curso e a inflação crescente", cita o relatório.

Além dos problemas já existentes, a organização chama atenção para o fato de que o Brasil também faz parte do grupo de emergentes que são mais vulneráveis à desvalorização cambial. "Algumas economias emergentes, incluindo o Brasil, Rússia e Turquia, estão vulneráveis a choques de taxa de câmbio devido à grande parcela da dívida que é denominada em moeda estrangeira", cita o documento.

Leia também:

Standard & Poor's rebaixa mais uma vez a nota de crédito do Brasil

Berzoini: governo não tem 'prato feito' para reforma da Previdência

(Com Estadão Conteúdo)

TAGs:
Inflação
Política
Recessão
OCDE