Mais Lidas

  1. Presidente do Conselho de Ética desafia Cunha e vira alvo de denúncia na Câmara

    Brasil

    Presidente do Conselho de Ética desafia Cunha e vira alvo de...

  2. Reale defende impeachment no Senado: 'Crime de responsabilidade sem punição é golpe'

    Brasil

    Reale defende impeachment no Senado: 'Crime de responsabilidade sem...

  3. MG: oposição entra com recursos contra nomeação da mulher de Pimentel

    Brasil

    MG: oposição entra com recursos contra nomeação da mulher de Pimentel

  4. Ex-BBB Ana Paula elogia (e envelhece) Patrícia Poeta: 'A senhora arrasa'

    Entretenimento

    Ex-BBB Ana Paula elogia (e envelhece) Patrícia Poeta: 'A senhora...

  5. Janaína Paschoal: 'Foram anos de falsidade ideológica na nossa cara'

    Brasil

    Janaína Paschoal: 'Foram anos de falsidade ideológica na nossa cara'

  6. Atriz de ‘50 Tons’ se diz ‘entediada’ após gravar cenas de sexo por sete horas

    Entretenimento

    Atriz de ‘50 Tons’ se diz ‘entediada’ após gravar cenas de sexo por...

  7. Pagamento de propina era 'modelo de negócio' da Odebrecht, diz procurador da Lava Jato

    Brasil

    Pagamento de propina era 'modelo de negócio' da Odebrecht, diz...

  8. Marcela Temer: bela, recatada e “do lar”

    Brasil

    Marcela Temer: bela, recatada e “do lar”

Obama encontra líder da oposição para discutir abismo fiscal

Com o prazo do final do ano ficando cada vez mais próximo, a reunião foi anunciada após críticas de ambos os lados pela falta de progresso

- Atualizado em

John Boehner
John Boehner, líder republicano (EUA)(Alex Wong/Getty Images/VEJA)

O presidente dos EUA, Barack Obama, e o presidente da Câmara dos Deputados, o republicano John Boehner, tiveram uma reunião "franca" na quinta-feira, em mais um esforço para acabar com o impasse nas negociações a fim de evitar um enorme aumento de impostos e cortes de gastos, o chamado "abismo fiscal".

Com o prazo do final do ano ficando cada vez mais próximo, os dois líderes conversaram na Casa Branca, à medida que acumulam-se frustrações pela recente falta de progresso nas negociações, que se reduziram a rodadas diárias de acusações mútuas.

Assessores de ambos os lados usaram linguagem similar para descrever a reunião, que teve duração de 50 minutos, chamando-a de "franca" e repetindo que as vias de comunicação continuavam abertas. A reunião, da qual o secretário do Tesouro, Timothy Geithner, também participou, foi anunciada depois de críticas de ambos os lados pela falta de progresso e após queda nas ações norte-americanas com os temores de que a economia possa entrar de novo em recessão, caso os políticos não consigam driblar o impasse em Washington.

Leia mais:

Bernanke pede urgência em acordo sobre 'abismo fiscal'

FMI recomenda aos EUA aumentar impostos e reduzir gastos públicos

Boehner criticou Obama antes da reunião por colocar empregos e a recuperação econômica em risco, ao insistir em elevar as taxas de impostos para os 2% mais ricos da população norte-americana. O porta-voz da Casa Branca, Jay Carney, respondeu reafirmando o comprometimento de Obama em elevar as taxas para os mais ricos e reclamando de que não houve nenhuma ação dos republicanos sobre este tópico crucial.

"O que nós não temos visto nos republicanos é qualquer movimentação sobre esta questão fundamental", disse Carney a repórteres. Em uma entrevista a afiliada da TV CBS, em Minnesota, Obama disse que estava esperançoso em conseguir um acordo e disposto a fazer mais cortes nos gastos, desde que o aumento de receita com maiores impostos para os mais ricos façam parte do acordo.

(com agência Reuters)

TAGs:
Barack Obama
Estados Unidos