Mais Lidas

  1. Turista alemão morre ao tentar tirar selfie em Machu Picchu

    Mundo

    Turista alemão morre ao tentar tirar selfie em Machu Picchu

  2. PF descobre laços impróprios entre Toffoli e empreiteiro do petrolão

    Brasil

    PF descobre laços impróprios entre Toffoli e empreiteiro do petrolão

  3. Em imagens, o vestido da discórdia em Wimbledon

    Esporte

    Em imagens, o vestido da discórdia em Wimbledon

  4. Envenenamento causou morte de empresário investigado na Operação Turbulência

    Brasil

    Envenenamento causou morte de empresário investigado na Operação...

  5. “Determinar final de operações PF”: diz bilhete encontrado na residência de João Santana e Mônica Moura

    Brasil

    “Determinar final de operações PF”: diz bilhete encontrado na...

  6. Temer sanciona, com vetos, a Lei das Estatais

    Economia

    Temer sanciona, com vetos, a Lei das Estatais

  7. Advogada liga Toffoli e Gilberto Carvalho a máfia do DF

    Brasil

    Advogada liga Toffoli e Gilberto Carvalho a máfia do DF

  8. 'Que moeda comprar após o Brexit? Experimente o real', diz WSJ

    Economia

    'Que moeda comprar após o Brexit? Experimente o real', diz WSJ

Na Cúpula Ibero-Americana, Espanha e Portugal vislumbram a salvação no Brasil

Ex-metrópoles querem expandir as relações comerciais com a América Latina e receber investimentos, principalmente brasileiros

- Atualizado em

A presidente Dilma Rousseff junto com os Chefes de Estado na visita ao Oratório de San Felipe Neri, na Espanha
Dilma Rousseff é considerada, dentro os líderes da Cúpula, a governante mais importante(Roberto Stuckert Filho/PR/VEJA)

Espanha e Portugal clamaram nesta sexta-feira na Cúpula Ibero-Americana pela ajuda de suas ex-colônias latino-americanas para resgatá-los da severa crise econômica em que se encontram. As ex-metrópoles ibéricas querem, o quanto antes, expandir as relações comerciais com a região e receber investimentos, principalmente do Brasil.

Sofrendo com uma profunda recessão e com protestos de seus cidadãos contra a perda de empregos e os cortes de gastos públicos, Portugal e Espanha esperam que o encontro que acontece em Cádiz, nesta sexta-feira e sábado, possa lhes abrir oportunidades.

Leia mais:

Espanha aprova 3ª reforma financeira em menos de um ano

Protestos e greves tomam conta de Portugal, Espanha, Itália e Grécia

Números divulgados pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) nesta sexta-feira destacaram as situações contrastantes dos continentes ao prever crescimento na América Latina de 3,2% em 2012 e de 4% em 2013. "A América Latina oferece uma grande oportunidade para a Espanha. Temos a língua, temos a cultura, temos muitos anos de investimento lá", afirmou o chanceler espanhol, José Manuel García-Margallo, em um fórum de negócios no primeiro dia da cúpula. "Muitas realizações, e muitos erros. Espanha e Portugal são os amigos mais próximos da América Latina", acrescentou.

Brasil, a salvação - Embora o anfitrião oficial seja o Rei da Espanha, Juan Carlos, a figura mais importante da cúpula é a presidente brasileira Dilma Rousseff. A Espanha deixou claro que considera o país vital para sua salvação. O primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, declarou nesta semana que ele quer "mais do Brasil na Espanha e mais da Espanha no Brasil".

A Espanha é o segundo maior investidor estrangeiro no país e Rajoy quer que empresas espanholas obtenham fatia importante dos projetos de infraestrutura brasileiros, como portos, rodovias e aeroportos, inclusive para a Copa do Mundo de 2014 e a Olimpíada de 2016. Dilma Rousseff vai permanecer na Espanha nos próximos dias para negociações bilaterais.

Grandes empresas espanholas como a Telefónica e o gigante bancário Santander agora dependem de suas operações na América Latina, e do Brasil em particular, para grande parte de seus lucros à medida que os mercados locais declinam.

Na sexta-feira, a companhia espanhola de tecnologia Indra disse que um quarto de sua receita neste ano virá da América Latina, onde as suas vendas aumentaram 12 vezes nos últimos seis anos. O Brasil é o seu segundo maior mercado depois da Espanha.

O secretário-Geral da OCDE, o mexicano Angel Gurría, disse que a América Latina ainda precisa de experiência profissional, infraestrutura, educação e tecnologia. "Se não mudarmos essa tendência, vamos todos trabalhar para os coreanos", disse.

Portugal também está interessado em atrair investimentos brasileiros para as privatizações que foi obrigado a realizar nos termos do seu resgate da zona do euro.

(com Reuters)

TAGs:
Euro
Dilma Rousseff
Espanha
Mariano Rajoy
Portugal
União Europeia
Zona do Euro
Brasil
Crise do Euro