Mais Lidas

  1. Andréa de Nóbrega deixa Carlos Alberto e 'A Praça É Nossa'

    Entretenimento

    Andréa de Nóbrega deixa Carlos Alberto e 'A Praça É Nossa'

  2. Exclusivo: delator revela caminho das propinas para operador de Renan e do PMDB

    Brasil

    Exclusivo: delator revela caminho das propinas para operador de...

  3. Patricia Abravanel bate na África e apanha nas redes

    Entretenimento

    Patricia Abravanel bate na África e apanha nas redes

  4. Campanha de Dilma recebeu R$ 2 mi de investigada na Boca Livre

    Brasil

    Campanha de Dilma recebeu R$ 2 mi de investigada na Boca Livre

  5. Moro reabre ação que envolve executivos da Andrade Gutierrez

    Brasil

    Moro reabre ação que envolve executivos da Andrade Gutierrez

  6. Ciro defende 'sequestrar' Lula em caso de pedido de prisão

    Brasil

    Ciro defende 'sequestrar' Lula em caso de pedido de prisão

  7. EUA estão ficando sem espaço para estocar petróleo

    Economia

    EUA estão ficando sem espaço para estocar petróleo

  8. Impeachment pode marcar nova onda de valorização do real

    Economia

    Impeachment pode marcar nova onda de valorização do real

Fazenda reduz projeção de crescimento do Brasil em 2011

Relatório do governo revê de 5% para 4,5% a perspectiva de crescimento da economia brasileira em 2011. Já a previsão de inflação subiu, de 5% para 5,6%

- Atualizado em

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, durante palestra que proferiu em almoço para empresários na Câmara de Comércio Brasil-França, na sexta-feira
O ministro da Fazenda, Guido Mantega, durante palestra que proferiu em almoço para empresários na Câmara de Comércio Brasil-França, na sexta-feira(Eduardo Enomoto/AE/VEJA)

Por conta da crise, houve retirada de estímulos internacionais

O Ministério da Fazenda reduziu as projeções de crescimento da economia brasileira nos próximos quatro anos. O boletim Economia Brasileira em Perspectiva, relativo ao primeiro bimestre deste ano, prevê que a expansão média entre 2011 e 2014 será de 5,1%. Na edição especial do boletim, divulgada em março deste ano para um balanço da atividade econômica em 2010, a previsão do Ministério da Fazenda era de um crescimento médio de 5,9% nos quatro anos. A estimativa de alta do PIB para 2011 caiu de 5% para 4,5%. Para 2012, a projeção foi reduzida de 5,5% para 5%. Em 2013 e 2014, o Ministério da Fazenda espera um crescimento econômico de 5,5%, ante os 6,5% projetados anteriormente.

O boletim destaca ainda o início, em 2010, da retirada de estímulos adotados para enfrentar a crise financeira internacional. Ressalta ainda a adoção de medidas macroprudenciais para assegurar o ritmo sustentável de crescimento, evitando a criação de desequilíbrios internos e externos. "Como resultados dessas medidas, a economia brasileira cresceu abaixo do seu potencial nos últimos dois trimestres do ano passado e deve continuar desacelerando em 2011, fechando o ano com expansão de 4,5%", afirma a Fazenda, no documento.

"Os primeiros dados de 2011 sobre a atividade econômica ainda não mostram de maneira clara o ritmo dessa desaceleração esperada, por causa das defasagens envolvidas nas medidas adotadas e também em virtude das mudanças estruturais em andamento na economia brasileira", completa. O Ministério da Fazenda afirma que, mesmo com a expansão da atividade econômica mais moderada em 2011, a média do crescimento para os próximos anos deverá ser superior às verificadas recentemente, por causa da elevação da capacidade produtiva brasileira.

Inflação - O Ministério da Fazenda, através do mesmo documento, elevou sua previsão para a inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2011, de 5% para 5,6%. Para 2012, a perspectiva de inflação passou de 4,5% para 4,6%, um pouco acima do centro da meta fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), de 4,5%.

Com a revisão, os números se aproximam mais das estimativas de mercado, mas ainda estão abaixo desse patamar. Segundo o boletim Focus, divulgado nesta segunda-feira pelo Banco Central (BC), o mercado espera que o IPCA feche este ano com alta de 6,23% e, em 2012, com crescimento de 5,1%. No dia 20 de maio, o Ministério do Planejamento divulgou uma projeção para a inflação de 5,7% em 2011. "A acomodação da atividade econômica numa taxa de crescimento mais sustentável em 2011 levará à menor pressão sobre os preços a partir do segundo semestre", afirma o Ministério da Fazenda no boletim.

O documento destaca que, desde 2005, a inflação medida pelo IPCA tem se mantido dentro das bandas do regime de metas para a inflação. Além disso, justifica a inflação de 5,9% em 2010. Segundo a Fazenda, ela foi influenciada, entre outros fatores, pela rápida recuperação do crescimento econômico, após os impactos negativos da crise no ano anterior.

O boletim destaca ainda que, no acumulado de 12 meses até fevereiro de 2011, os gastos com alimentação, despesas pessoais, vestuário e educação foram responsáveis por cerca de 67% da inflação medida pelo IPCA. "A tendência é que os preços de tais grupos comecem a ceder ao longo do ano", destacou o documento.

O relatório Economia Brasileira em Perspectiva é publicado bimestralmente pela Secretaria de Política Econômica (SPE). O documento consolida e atualiza as principais variáveis macroeconômicas resultantes da condução da política econômica.

(Com Agência Estado)

TAGs:
Inflação
IPCA
PIB
Fazenda