Mais Lidas

  1. Temer vence 1ª batalha e Congresso aprova meta fiscal

    Brasil

    Temer vence 1ª batalha e Congresso aprova meta fiscal

  2. Sequestrador de Ana Hickmann foi ‘assassinado com crueldade e frieza’, diz irmã

    Entretenimento

    Sequestrador de Ana Hickmann foi ‘assassinado com crueldade e...

  3. Afastado do Planejamento, Jucá ocupa tribuna do Congresso e provoca bate-boca

    Brasil

    Afastado do Planejamento, Jucá ocupa tribuna do Congresso e provoca...

  4. Ouça a conversa entre Ana Hickmann e fã que a atacou

    Entretenimento

    Ouça a conversa entre Ana Hickmann e fã que a atacou

  5. Congresso destrava pauta e abre caminho para votação da nova meta fiscal

    Brasil

    Congresso destrava pauta e abre caminho para votação da nova meta...

  6. Gilmar Mendes presidirá 2ª Turma do STF, responsável por julgar Lava Jato

    Brasil

    Gilmar Mendes presidirá 2ª Turma do STF, responsável por julgar...

  7. Morre, aos 65, o criminalista Arnaldo Malheiros Filho

    Brasil

    Morre, aos 65, o criminalista Arnaldo Malheiros Filho

  8. Bruna Linzmeyer sensualiza após ataques homofóbicos no Instagram

    Entretenimento

    Bruna Linzmeyer sensualiza após ataques homofóbicos no Instagram

Mais inflação, o resultado das operações entre Tesouro e BC

- Atualizado em

Força Sindical instalou o 'Dragão Noel' de três cabeças em frente ao Congresso Nacional, em Brasília, nesta quarta-feira (02). O boneco inflável tem 13 metros de altura e representa a inflação, os juros altos e o desemprego
Boneco representando o "dragão da inflação" em frente ao Congresso Nacional(Marcelo Camargo/Agência Brasil)

O remanejamento de dinheiro dos resultados do Banco Central tem sido apontado por economistas que acompanham as contas públicas como o instrumento utilizado no fim de 2015 para o pagamento das chamadas "pedaladas fiscais" (atrasos do Tesouro em repassar recursos para cobrir programas pagos pelos bancos públicos, como o Bolsa Família e o financiamento agrícola). O Ministério da Fazenda nega a prática, e o BC emitiu nota nesta sexta-feira afirmando ser "totalmente descabida qualquer insinuação de que o Banco Central do Brasil utilizaria qualquer subterfúgio para realizar operações de financiamento ao Tesouro Nacional, por expressa vedação contida na Constituição Federal e na Lei de Responsabilidade Fiscal". Em nota técnica, os economistas José Roberto Afonso, Marcos Mendes, Leonardo Ribeiro, Felipe Salto e Marcos Köhler, no entanto, identificam as operações. E mais: Colocam o aumento da inflação como um dos efeitos colaterais dessa prática. "O déficit do Tesouro e o seu financiamento pelo Banco Central pressionam a dívida bruta, deteriora as expectativas e mantém a economia presa em uma armadilha de alta inflação e baixo crescimento", diz o estudo. (Da redação)