Mais Lidas

  1. Membros do Estado Islâmico que fugiam de Fallujah são dizimados no Iraque

    Mundo

    Membros do Estado Islâmico que fugiam de Fallujah são dizimados no...

  2. Turista alemão morre ao tentar tirar selfie em Machu Picchu

    Mundo

    Turista alemão morre ao tentar tirar selfie em Machu Picchu

  3. Doleiro ligado a Eduardo Cunha é preso em nova fase da Lava Jato

    Brasil

    Doleiro ligado a Eduardo Cunha é preso em nova fase da Lava Jato

  4. PF descobre laços impróprios entre Toffoli e empreiteiro do petrolão

    Brasil

    PF descobre laços impróprios entre Toffoli e empreiteiro do petrolão

  5. Envenenamento causou morte de empresário investigado na Operação Turbulência

    Brasil

    Envenenamento causou morte de empresário investigado na Operação...

  6. Temer sanciona, com vetos, a Lei das Estatais

    Economia

    Temer sanciona, com vetos, a Lei das Estatais

  7. Renan desengaveta projeto que define crimes de abuso de autoridade

    Brasil

    Renan desengaveta projeto que define crimes de abuso de autoridade

  8. Em imagens, o vestido da discórdia em Wimbledon

    Esporte

    Em imagens, o vestido da discórdia em Wimbledon

Informalidade no emprego cai para 41,6% no Brasil, diz OIT

Um dos fatores que contribuíram para redução da informalidade é a maior retenção de jovens no sistema de ensino do país, reduzindo o total de ocupados expostos a condições precárias

- Atualizado em

MERCADO DE TRABALHO -SERT - POUPATEMPO SÉ - Carteira de Trabalho
Dados são do estudo "Trabalho decente e juventude: políticas para a ação", da Organização Mundial do Trabalho (OIT)(Reinaldo Canato/VEJA)

O total de jovens ocupados em trabalhos informais diminuiu de 52,6%, em 2007, para 41,6% em 2011. Os dados levam em conta jovens brasileiros ocupados entre 15 e 24 anos e foram levantados pela Organização Mundial do Trabalho (OIT). para o estudo "Trabalho decente e juventude: políticas para a ação".

Segundo o estudo, diversos fatores econômicos e sociais, além de intervenções políticas, ajudam a explicar o aumento da formalidade. Entre eles, estão a maior retenção de jovens no sistema de ensino do país, o que reduz o total de ocupados expostos a condições precárias no mercado de trabalho.

Além disso, o documento cita medidas como a simplificação do registro e a diminuição de impostos para pequenas e médias empresas, assim como uma maior conscientização sobre a importância da formalização jurídica, beneficiando em especial os trabalhadores domésticos.

Leia também:

Emprego na indústria encerra 2013 em queda de 1,1%

Crescem ações na Justiça sobre correção do FGTS

Na América Latina e Caribe, dos 48,3 milhões de jovens ocupados no mercado de trabalho entre 15 e 24 anos, mais da metade, ou 55,6%, atuaram em empregos informais em 2011. Em 2007, o porcentual maior, de 60,6%, ou seja, houve uma queda de cinco pontos porcentuais no período.

Segundo a entidade, apesar do cenário favorável de desenvolvimento econômico da região nos últimos anos, este movimento não foi suficiente para melhorar significativamente a situação dos jovens no mercado de trabalho.

"É evidente que crescimento não basta", disse a diretora regional da OIT para a América Latina e Caribe, Elizabeth Tinoco, em comunicado à imprensa. "Estamos diante de um desafio político que demanda uma demonstração de vontade na aplicação de políticas inovadoras e de efetividade para enfrentar os problemas da precariedade laboral."

Na América Latina e Caribe, existem cerca de 108 milhões de jovens, dos quais cerca de 56 milhões fazem parte da força de trabalho, ou seja, que têm um emprego ou estão buscando uma ocupação.

Leia ainda:

Taxa de desemprego fecha 2013 em mínima histórica - na metodologia que será aposentada

(com Estadão Conteúdo)

TAGs:
Emprego
Trabalho
ONU