Mais Lidas

  1. Sequestrador de Ana Hickmann foi ‘assassinado com crueldade e frieza’, diz irmã

    Entretenimento

    Sequestrador de Ana Hickmann foi ‘assassinado com crueldade e...

  2. Bruna Linzmeyer sensualiza após ataques homofóbicos no Instagram

    Entretenimento

    Bruna Linzmeyer sensualiza após ataques homofóbicos no Instagram

  3. Ouça a conversa entre Ana Hickmann e fã que a atacou

    Entretenimento

    Ouça a conversa entre Ana Hickmann e fã que a atacou

  4. PT obstrui votação e Câmara demora 6 horas para aprovar MP

    Brasil

    PT obstrui votação e Câmara demora 6 horas para aprovar MP

  5. Temer propõe limite ao gasto público com base na inflação do ano anterior

    Economia

    Temer propõe limite ao gasto público com base na inflação do ano...

  6. Temer bate na mesa e diz que sabe o que fazer no governo: 'Eu tratava com bandidos'

    Brasil

    Temer bate na mesa e diz que sabe o que fazer no governo: 'Eu...

  7. Jucá dá o troco em desafeto: 'Ele deveria entregar a mulher, que é procurada pela polícia'

    Brasil

    Jucá dá o troco em desafeto: 'Ele deveria entregar a mulher, que é...

  8. Propina bancou viagem para Europa de esposa de Collor, diz doleiro

    Brasil

    Propina bancou viagem para Europa de esposa de Collor, diz doleiro

Energia deve subir 41% e gasolina, 9% em 2015, projeta BC

Em ata da última reunião, Comitê de Política Monetária afirmou que a inflação tende a permanecer elevada neste ano

- Atualizado em

Alexandre Tombini, presidente do Banco Central do Brasil
Alexandre Tombini, presidente do Banco Central(Ueslei Marcelino/Reuters)

Em ata da última reunião, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central projetou uma alta significativa nos preços da energia elétrica e da gasolina neste ano. Segundo a instituição, o preço da energia deve subir 41%, acima da última estimativa feita em abril, de 38,3%. E os gastos com a gasolina devem ter um reajuste de 9,1%, abaixo do projetado na última avaliação, de 9,8%. Os dois componentes têm peso expressivo no cálculo da inflação. O documento, que foi divulgado nesta quinta-feira, se refere à reunião em que foi decidido o aumento da taxa básica de juros (a Selic) para 13,75%, o maior nível desde 2009, realizada no dia 3 de junho.

No texto, o Banco Central também reconhece que a inflação deve permanecer elevada ao longo deste ano e reforça a mensagem de que é preciso "determinação" e "perseverança" para combatê-la.

"Nesse contexto, conforme antecipado em notas anteriores, esses ajustes de preços fazem com que a inflação se eleve no curto prazo e tenda a permanecer elevada em 2015, necessitando determinação e perseverança para impedir sua transmissão para prazos mais longos", informou o documento, que se refere à última reunião do Copom, na qual foi decidido reajuste de 0,5% na taxa básica de juros (a Selic), que passou a 13,75%, o maior nível desde 2009.

Levando em conta o teor do discurso de batalha contra a inflação e a aceleração do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em maio, a expectativa é que o BC volte a elevar a Selic na próxima reunião, em julho. A expectativa do mercado é que a taxa possa ultrapassar a marca de 14% até o final do ano.

Considerando que a inflação alta se restringirá a 2015, o Copom afirmou que espera um cenário de convergência da inflação para 4,5% (o centro da meta) em 2016. Apesar disso, a instituição voltou a ponderar que os "avanços alcançados" no combate a inflação até agora "ainda não se mostram suficientes".

O comitê também admitiu que a expansão da atividade econômica neste ano será "inferior ao potencial". "Em particular, o investimento tem se retraído, influenciado, principalmente, pela ocorrência de eventos não econômicos, e o consumo privado mostra sinais de moderação. Entretanto, para o Comitê, depois de um período necessário de ajustes, o ritmo de atividade tende a se intensificar, na medida em que a confiança de firmas e famílias se fortaleça", afirmou o documento.

Leia também:

Inflação atinge 8,47% em 12 meses, o maior índice desde 2003

Inflação perde força, mas mantém maior taxa desde 2003

Consumo em queda faz economia recuar 0,2% no 1º trimestre

(Da redação)

TAGs:
Banco Central
Gasolina