Mais Lidas

  1. Temer vence 1ª batalha e Congresso aprova meta fiscal

    Brasil

    Temer vence 1ª batalha e Congresso aprova meta fiscal

  2. Sequestrador de Ana Hickmann foi ‘assassinado com crueldade e frieza’, diz irmã

    Entretenimento

    Sequestrador de Ana Hickmann foi ‘assassinado com crueldade e...

  3. Ouça a conversa entre Ana Hickmann e fã que a atacou

    Entretenimento

    Ouça a conversa entre Ana Hickmann e fã que a atacou

  4. Afastado do Planejamento, Jucá ocupa tribuna do Congresso e provoca bate-boca

    Brasil

    Afastado do Planejamento, Jucá ocupa tribuna do Congresso e provoca...

  5. Em gravação, Renan fala em mudar lei da delação

    Brasil

    Em gravação, Renan fala em mudar lei da delação

  6. Miriam Belchior é exonerada da presidência da Caixa

    Economia

    Miriam Belchior é exonerada da presidência da Caixa

  7. Gilmar Mendes presidirá 2ª Turma do STF, responsável por julgar Lava Jato

    Brasil

    Gilmar Mendes presidirá 2ª Turma do STF, responsável por julgar...

  8. Bruna Linzmeyer sensualiza após ataques homofóbicos no Instagram

    Entretenimento

    Bruna Linzmeyer sensualiza após ataques homofóbicos no Instagram

Incerteza sobre juros faz dólar subir e fechar a R$ 4,10

Com a alta de 1,24%, moeda americana fechou em seu maior patamar desde setembro; nova taxa Selic será anunciada nesta quarta

- Atualizado em

Dólar
Além de preocupações com possibilidade de que governo possa recorrer ao afrouxamento fiscal para estimular a atividade, muitos temem que BC evite aumentar juros diante da recessão econômica(iStockphoto/Getty Images)

O dólar subiu mais de 1% em relação ao real nesta quarta-feira e fechou em seu maior patamar desde setembro, reagindo ao profundo mau humor nos mercados externos com a baixa do preço do petróleo e às incertezas sobre o rumo da taxa de juros no país.

A moeda americana avançou 1,24%, a 4,10 reais, seu maior nível de fechamento desde 28 de setembro, quando encerrou a sessão a 4,10. Durante o dia, o dólar chegou a atingir 4,13 reais na máxima da sessão, seu maior nível pré-fechamento desde 29 de setembro (4,15 reais).

No Brasil, a pressão foi corroborada por incertezas sobre a estratégia do governo para enfrentar a crise econômica. Além de preocupações com a possibilidade de que o governo possa recorrer ao afrouxamento fiscal para estimular a atividade, alguns operadores temem que o Banco Central evite aumentar os juros diante da recessão econômica.

"Sazonalmente, os primeiros meses do ano são de fluxo positivo, mas não é isso que estamos vendo. O contexto técnico está muito desfavorável e a incerteza sobre o BC potencializa", disse o especialista em câmbio da corretora Icap, Ítalo Abucater.

Leia também:

Petróleo cai, Petrobras despenca e puxa perdas na Bovespa

Reação dos mercados a petróleo e China é exagerada, diz economista-chefe do FMI

O cenário externo também pesou sobre os negócios. "Prevalece a aversão a risco nos mercados internacionais. O petróleo não para de cair, e todo alívio tem se mostrado temporário", disse o operador da corretora Correparti Guilherme França Esquelbek.

O petróleo nos Estados Unidos desabou para menos de 27 dólares por barril nesta quarta-feira pela primeira vez desde 2003, refletindo a sobreoferta nos mercados globais e expectativas de demanda fraca diante da fraqueza no crescimento econômico global.

O recuo da commodity puxou para baixo boa parte dos mercados globais, como as bolsas chinesas e americanas. Os três principais índices americanos chegaram a cair mais de 3%, com o Standard & Poor's 500 atingindo seu menor nível desde fevereiro de 2014.

No mercado de câmbio, a moeda americana avançava em relação ao peso mexicano, chegando a renovar a máxima histórica, mesmo após o banco central do país entrar no mercado vendendo dólares.

(Com agência Reuters)

TAGs:
Câmbio
Juros